ANVISA reconhece a fitoterapia tradicional

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A notícia que esquentou o meio dos amigos das plantas medicinais é a resolução por parte da ANVISA, que reconhece o valor da fitoterapia tradicional.

Em um país com tantas carências, a notícia vem em boa hora e dá impulso a medicina popular consagrada pelo uso.

Como “consagrada pelo uso” entenda-se os usos tradicionais de várias ervas medicinais através de décadas ou mesmo séculos.

A ANVISA reconhece o valor da fitoterapia tradicional.

E também reconhece as propriedades medicinais de plantas que tenham um mínimo de 30 anos de uso e com suas propriedades corroboradas por publicações e livros.

Já é uma boa notícia, com certeza!

Ninguém de nós precisava que um órgão governamental nos disse-se o que já sabíamos, mas pelo menos ajuda a desmistificar o uso das ervas medicinais e retirá-las do gueto de “medicina de segunda classe”.

Atualmente, 390 fitoterápicos já são reconhecidos pelo órgão e estes são transformados em medicamentos fitoterápicos, (cápsulas, xaropes, etc) que são vendidos em farmácias de bairro.

Já a nova categoria, homologada pela resolução RDC 26/14, tem até o momento as seguintes ervas e pode crescer com o tempo.

Ervas reconhecidas pela ANVISA (clique nos nomes para conhecer mais sobre a planta):

Castanha da índia, Alho, Uva-Ursi, Centela Asiática, Cimicifuga, Alcachofra, Equinácea, Gingko biloba, Soja, Alcaçuz, Hipérico (Erva de São João), Hortelã-pimenta, Ginseng, Guaraná, Erva Doce, Kava-kava, Plantago, Polígala, Cáscara Sagrada, Salgueiro-branco, Sene, Saw Palmeto, Tanaceto, Mirtilo, Valeriana, Gengibre, Arnica, Calêndula, Eucalipto, Hamamélis, Camomila, Espinheira-santa, Melissa (Erva Cidreira), Guaco, Maracujá (Passiflora), Garra do Diabo, Boldo do Chile, Sabugueiro, Cardo Mariano, Confrei, Unha de Gato.

Anvisa Fitoterapia tradicional

O alho é um velho conhecido dos amigos das terapias naturais e agora foi reconhecido pela ANVISA

Apesar da determinação da ANVISA, ainda é muito importante conhecer mais sobre cada uma das ervas antes de seu uso.

Posso citar dois exemplos de plantas tóxicas para uso interno relacionadas na lista: Kava-kava e Confrei.

Ambas tem ação devastadora sobre o fígado, se o uso for prolongado.

Assim,consulte sempre um profissional habilitado ou aprenda você mesmo como usar as plantas medicinais com eficiência e segurança.

Mais informações abaixo:

 

Rodrigo Silveira

Rodrigo Silveira

Herborista, Professor e Criador do Ervanarium

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe seu comentário: