Banho de ervas funciona?

Muitas pessoas acreditam que as ervas medicinais têm poderes mágicos e propriedades energéticas extraordinárias e que podem promover mudanças em seu campo vibracional.

Mas até que ponto isso tem um fundo de verdade?

De acordo com a ciência, não há nada que corrobore esta crença. Nenhum cientista ainda se colocou na posição de promover um estudo sério a esse respeito.
Mas isso não significa que os banhos de ervas não funcionem, pois afinal, ninguém pesquisou e comprovou a sua ineficiência.
Então temos que nos voltar para a fonte de milhares de anos de sabedoria acumulada por diversas culturas e práticas espirituais, espalhadas por todo mundo.
Para estes “cientistas espirituais”, o uso de ervas para purificar, equilibrar ou vitalizar nossas energias é a mais pura realidade. Isto ainda pode ser reforçado pelo relato de um grande número de pessoas que utilizam as ervas com esta finalidade e apregoam resultados positivos.

Mas o que acontece quando tomamos um banho de ervas?

Bem, talvez a explicação mais próxima de um entendimento lógico esteja no fato de que nosso corpo, através de várias circunstâncias, acumula cargas elétricas positivas.
Ao contrário do que se poderia imaginar, as cargas elétricas positivas (ou íons positivos) nada tem de favorável para nossa saúde e bem-estar.
Sabe quando você está repleto de eletricidade estática acumulada e toma um choque ao encostar em um metal? É disso que estamos falando.
No entanto, nem sempre estamos com um nível tão alto de acúmulo de cargas elétricas que seja assim perceptível, mas acúmulos menores também podem causar desconforto, pois se manifestam na forma de tensão muscular e estresse do sistema.
Pois as ervas, quando infusionadas e convertidas em chá, mantém grande parte de seus óleos essenciais e estes são repletos de íons negativos (cargas elétricas negativas).
Assim, ao nos banharmos com estes preparados, os íons positivos acumulados em nosso corpo, são neutralizados pela ligação com os íons negativos contidos nos óleos essenciais dos chás e o organismo se libera desses excessos e isso provoca alívio e bem-estar.

Mas então é só uma questão de equilíbrio de cargas?

Para os que acreditam que outras forças também atuam nesta troca, talvez esta explicação seja muito reducionista, mas para os que são mais céticos, saber que existe uma questão de física envolvida, pode ajuda-los a se abrirem para a possibilidade de utilizar este recurso do banho de ervas, sem preconceito.
Entretanto, a natureza é muito mais misteriosa do que podemos conceber e outras forças também estão presentes, realizando sua parte neste equilíbrio.
Quem tiver disposição e mente aberta poderá descobrir que em um simples banho de ervas, existe muito mais do que se pode imaginar. Inclusive ciência.

Mantenha sua juventude com os antioxidantes.

A maior parte das pessoas gosta de ser jovem, parecer jovem e se sentir jovem.

Mas um dos principais desafios que passamos para reter a juventude é o envelhecimento das células.

A questão é que, com o tempo, nosso organismo realiza cada vez mais esforço para renovar a grande quantidade de células que precisamos para nos manter vivos.

E como para o corpo, uma célula de um rim é mais importante do que uma célula da pele – como na região do pescoço, por exemplo – e os sinais da passagem do tempo vão se acumulando.

Mas se você quiser dar uma curva no relógio e fazer com que a juventude se mantenha por perto durante muito mais tempo então você precisa conhecer os antioxidantes.

Mas o que eles fazem em nosso favor? Muita coisa.

A poluição, a má alimentação com aditivos químicos, os produtos de higiene com química pesada e até o oxigênio que respiramos, vão acumulando elementos residuais que são chamados de radicais livres.

Eles são livres porque no grande baile das substâncias que existe dentro do nosso corpo estes são os elétrons que não encontraram um par para se estabilizar e ficam “livres” passeando pelo corpo e literalmente esbarrando nas paredes das células. E de tanto bater, um dia, as células se rompem e morrem.

Lembre-se que, quanto mais idade nós temos, mais difícil é produzir novas células, então é fácil entender por que não queremos perder as que estão em bom estado, assim sem necessidade.

Aí é que entram as propriedades antioxidantes de determinados alimentos e ervas.

Esta substâncias se ligam aos elétrons livres e fazem um par com cada um deles, impedindo que permaneçam livres promovendo vandalismos com a membrana celular.

Você também pode melhorar sua saúde e favorecer a manutenção da juventude introduzindo regularmente várias ervas e alimentos antioxidantes.

Algumas dessas ervas são o açafrão da terra, moringa, pffáfia, picão preto.

Alguns alimentos e especiarias de fácil acesso que também tem esta propriedade são o alho, manjericão, sálvia, orégano, salsa.

Clique nos nomes das ervas para saber mais.

Livre-se da bagunça química do corpo

Que tal um detox para iniciar o ano ?

Afinal, nas festas de final de ano e no período de férias alguns excessos podem ser cometidos.

Tudo isso cobra um preço do organismo e, principalmente, de nosso sangue.

Álcool, alimentos processados, drogas recreativas (e nem tanto), produtos que passamos na pele como protetores solares e repelentes, gorduras hidrogenadas são apenas alguns dos exemplos de coisas que ingerimos ou assimilamos e que vão parar na corrente sanguínea (e no fígado) causando uma grande bagunça química.

Para piorar esse quadro, quem sofre ainda mais com essa situação são as mulheres, que tem uma relação toda especial com o sangue devido a sua fisiologia, fato percebido de forma clara nas questões que envolvem o ciclo menstrual.

Mais de 60% das questões de saúde e dos transtornos emocionais femininos podem ser corrigidos (ou prevenidos) com a manutenção adequada da química e do pH sanguíneo.

Se você acha que chegou a hora de dar uma atenção na qualidade do seu sangue, pode começar eliminando as substâncias que listamos acima e fazer as duas dicas que estão abaixo:

1º – Tomar um suco verde reforçado, diariamente, durante pelo menos 7 dias consecutivos. Nesse suco você deve acrescentar pelo menos uma fruta (para adoçar e tornar mais palatável), água de coco (pelo menos 200 ml) e folhas verdes escuras variadas (pelo menos 2 tipos). Se quiser fazer esta receita ficar ainda mais bacana, pode adicionar um pedacinho de gengibre fresco e algumas folhas de manjericão, sálvia ou hortelã. Bata no liquidificador, coe (ou não) e vá com tudo. Você tem no máximo 15 minutos para tomar a beberagem se quiser assimilar o máximo de propriedades e nutrientes ativos. 😉

2º – Nestes mesmos 7 dias, tome de uma a duas xícaras de chá (infusão) das seguintes ervas: Urtiga, Dente de Leão, Tansagem e Chapéu de Couro. Se não conseguir todas, pelo menos se esforce para ter o Dente de Leão ou a Urtiga, junto com as outras ervas propostas. Estas duas ervas vão “quelar” as toxinas do seu organismo. Ou seja, vão drená-las para fora do corpo pela urina, suor e pela evacuação. Se a sua eliminação ficar mais escura por alguns dias, não se impressione. É o corpo dizendo adeus as toxinas.

Mas pegue leve. Faça este programa por um máximo de 7 dias.

Se quiser fazer menos tempo, tente pelo menos 3 dias, mas se não der, qualquer coisa que você faça destas dicas já vai ajudar muito.

Cuidado com os Ventos!

Esta chegando uma nova primavera e com ela, muitos ventos.

Pouca gente sabe que os ventos em excesso podem ser tão prejudiciais a saúde quanto calor, frio, umidade ou secura demais.

Mas os ventos guardam um perigo extra: eles podem ser de origem externa ou interna.

Mas o que o vento faz em nosso organismo?

Em primeiro lugar, o vento é um veículo para empurrar o frio, a umidade, o calor e a secura para dentro de nosso corpo.

Só isso já seria uma razão para prestar atenção.

Mas não é só isso.

O excesso de vento afeta nosso sistema nervoso e se acumula no fígado enos ossos, causando diversos problemas que vão desde de inflamações da garganta, osteoporose, até A.V.C.

Já os ventos internos, são nossos velhos conhecidos: os gases.

Estes são acumulados pela fermentação de alimentos inadequados ou preparados de forma imprópria.

Você reconhece esta condição nas pessoas que tem o ventre inchado e duro ou que apresentam muitos gases.

Alimentos que favorecem a formação de gases são muitos, tais como a cerveja, a cebola, os feijões preparados inadequadamente, só para dar um exemplo.

Os dois tipos de vento – seja de origem interna ou externa – se acumulam nas fascias, finissimas camadas de tecido conjuntivo que servem (entre outras coisas) para fazer o preenchimento dos espaços entre os órgãos internos.

Quando estes ventos se movimentam dentro do corpo (o que é bem comum), é que os problemas podem acontecer.

Quando tudo dá certo, eliminamos os gases por cima (aerofagia – o popular arroto) ou por baixo (esse você conhece bem também!).

Como já dizia o Shrek, melhor para fora, do que para dentro. 😉

Mas não é tão simples em alguns casos e os ventos podem pegar outro caminho e se desviar para o coração – provocando ataques cardíacos – ou para a cabeça – provocando derrames.

Outro problema comum causado pelo movimento dos ventos dentro do corpo são as paralisias musculares.

As consequências disso podem ser leves ou fatais, portanto é bom começar a ter cuidado com o excesso de vento no corpo.

Mas o que faz o vento se mover pelo corpo?

A principal causa de seu movimento são as emoções negativas e o excesso de estresse.

As emoções negativas agitam o vento acumulado na ventre e nas fascias, fazendo com que este se desaloje e circule pelo corpo de forma perigosa.

E quais são os sinais do acúmulo de vento?

Alguns deles são conhecidos: muitos gases, arrotos frequentes – mas outros nem tanto, como cãibras, tremor na pálpebra, juntas que estalam, irritabilidade constante e o mais grave, sensação de pontadas na cabeça.

Se você sentir pontadas na cabeça é por que o vento já está se acumulando na parte superior do corpo e deve buscar ajuda para eliminar isso, o quanto antes.

Algumas ervas que eliminam o vento da cabeça são o Mulungu, a Passiflora e o Tribulus, mas antes de usar qualquer erva é importante se consultar com um fitoterapeuta qualificado e prestar atenção nas contraindicações.

Também existem ervas para eliminar vento de outras partes do corpo.

Isso é muito importante por que podemos prevenir que o vento contido em outras partes do corpo comece a se mover e se aloje em partes mais perigosas para nossa saúde.

O vento externo gosta de entrar pelos poros em geral, mas também pela nuca, boca, olhos, pulsos e tornozelos.

São estas regiões do corpo que precisamos proteger mais, em dias muito ventosos.

Fique ligado!

A medicina da abelha

Você sabia que as abelhas podem ser indicadores biológicos do equilíbrio ambiental e que algumas espécies de plantas dependem muito desses insetos para se propagarem?

Sabia também que o ser humano é muito beneficiado por esses seres vivos?

Pois é na polinização das flores que as abelhas mais contribuem, dando origem aos frutos de inúmeras espécies vegetais e chegando a aumentar a produtividade de plantas cultivadas em até 500%.

Mas as mudanças que o homem tem imposto ao seu ambiente vem reduzindo a abundância de abelhas silvestres, até mesmo levando a extinção de outras, colocando em risco a produção de alimentos e a preservação de muitos ambientes naturais e das espécies que neles habitam em especial as plantas.

A espécie de abelha brasileira (conhecida popularmente como arapuá) é capaz de ocupar áreas degradadas e compensar o declínio de outros polinizadores que não resistem à degradação de uma área.

A origem das abelhas iniciou-se paralelamente ao surgimento das primeiras plantas. As flores eram fonte de alimento para as abelhas primitivas que forneciam as suas crias somente como complemento.

As primeiras abelhas surgiram a partir das vespas, diferindo posteriormente em anatomia, fisiologia e comportamento.

Enquanto as abelhas se especializaram em produtos de origem vegetal (pólen, néctar e óleos), produtos estes muito importantes para o consumo humano, as vespas mantiveram os hábitos primitivos de caçar outros insetos e aranhas para fornecer alimentos às larvas (GULLAN & CRANSTON 2007).

A relevância dessa relação nos beneficiou muito com produtos riquíssimos e poderosos para nossa alimentação e saúde como o mel, que tem propriedades medicinais, especialmente relacionadas ao fortalecimento do sistema imunológico, propriedades antibacterianas, antifúngicas, anti-inflamatórias, cicatrizantes, analgésicas, sedativas, expectorantes, emolientes, digestivas, laxativas e diuréticas.

Outro produto proveniente do trabalho das abelhas é a própolis verde que contém ácidos muito eficientes na prevenção e tratamento do câncer. Seus princípios ativos proporcionam excelentes resultados contra bactérias e vírus.

A geleia real é um outro alimento especial que nos é ofertado pela ação das abelhas.

A geléia produzida pelas abelhas é tão rica e poderosa que contém em sua composição proteínas, carboidratos, 14 vitaminas, hormônios, enzimas, 13 minerais, 18 aminoácidos, substâncias biocatalizadoras nos processos de regeneração de células desenvolvendo importantes ações no corpo humano.

Tudo isso acontece graças ao pólen das plantas (que é o alimento das abelhas) que se destaca por possuir princípios ativos para a cura de várias doenças através das plantas medicinais do qual ele é coletado.

Gosto muito de enfatizar uma explanação de uma especialista em ecossistemas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (Gemmill-Herren / FAO).

Ela diz que a planta investe mais recursos na flor que foi polinizada por insetos do que a que sofreu sua propagação por outros meios, e isso significa que a fruta que nasce desta flor terá maior valor nutricional, medicinal e um melhor sabor.

Assim, reconstruir constantemente nossa interação com o planeta, a favor da harmônica integração de tudo que nele vive e existe, resultará em uma vida sustentavelmente mais feliz.

Katy Ramos é bióloga e pedagoga, proprietária da KR.AMBIENTAL e atuante desde 1994 em projetos sociais, educativos e ambientais e agora, colaboradora do ERVANARIUM.