Palavras-chave das Ervas Medicinais

Cada erva medicinal é um mundo em si mesma.

E suas propriedades e utilizações podem ser extremamente abrangentes e versáteis.

Mas mesmo ervas de qualidades muito prolificas podem ser resumidas (ao menos em parte) a uma palavra-chave – uma palavra que descreve (com mais ou menos exatidão) a principal função desta erva na ordem das coisas.

É aquela qualidade que a torna especial.

Algumas destas qualidades podem estar ligadas ao funcionamento do corpo físico.

Outras, podem ser de natureza mais sutil.

É verdade que existem inúmeras ervas que desintoxicam o corpo, ou que promovem o alívio da estafa ou que aliviam dores e inflamações, só pra citar um exemplo.

Mas também é verdade que mesmo quando comparamos ervas com funções similares (dê uma olhada em Picão Preto e Fel da Terra, por exemplo para entender isso melhor) existe, pelo menos, uma característica que as tornam, únicas e especiais.

O Ervanarium fez uma relação das palavras-chave de mais de 120 ervas medicinais de nossa enciclopédia herbal online e eu compartilho uma parte desta lista com vocês (20 exemplares), aqui abaixo.

Vamos conferir? (clique no nome de cada erva para saber muito mais)!

ALCAÇUZ – harmonizador

ALECRIM – desenvolve a inteligência

ALHO – ativa o chakra básico

AQUILEIA – equilíbrio feminino

AVEIA – acalma os nervos

CABELO DE MILHO – diurético

CAFÉ – estimulante

CARDO MARIANO – regenerador hepático

CAVALINHA – remineralizador

DENTE DE LEÃO – remove estagnações alimentares

EQUINÁCEA – imuno-estimulante

ERVA BALEEIRA – anti-inflamatório local, externo

ESPINHEIRA SANTA – regenerador estomacal

EUCALIPTO – remoção de energias negativas

GENGIBRE – antídoto para venenos alimentares

GINSENG – rejuvenescedor

GUACO – elimina umidade

LIMÃO – purificador

SUCUPIRA – dores reumáticas

TANSAGEM – anti-tabagismo

Se você deseja conhecer as palavras-chave de todas as ervas da enciclopédia do Ervanarium, clique aqui e inscreva-se para receber estas informações gratuitamente.

Já pensou em estudar a arte das ervas medicinais – a fitoterapia? Clique na imagem

Os Benefícios da Saboaria Natural

Você já se perguntou como o seu sabonete é feito?

Então, quando alguém me questiona que pode comprar um sabonete na loja da esquina por menos de R$ 2,00, eu carinhosamente explico sobre o custo e benefício dos produtos naturais.

Você sabia que a pele é nosso maior órgão? E que nos acompanha por toda nossa vida? E que ela literalmente come o que passamos nela?

Assim como outros órgãos do nosso corpo, a pele sofre alterações com o passar dos anos e, desta forma, precisa de cuidados específicos conforme suas necessidades vão mudando.

O envelhecimento natural é inevitável, no entanto, sua precocidade é influenciada por diversos fatores e alguns deles podem ser evitados e prevenidos.

Na perspectiva de um consumo mais consciente, mesmo antes de abraçar minha missão com A Curandeira, eu sempre li tudo: rótulo de remédio, ketchup, sabão.

Sempre me intrigava com aqueles nomes difíceis e que mais parecia estar lendo uma formulação de veneno (e não é que era mesmo?)

Acredito que, assim como eu, você também deve ter chegado a se perguntar muitas vezes se está mesmo fazendo bem ou mal ao usar tal produto, né?

Na era da informação, onde estamos presenciando escândalos envolvendo a indústria da carne e denúncias ligadas à escravidão na moda, nada mais natural que queiramos saber como um item tão básico como o sabonete nosso de cada dia, é feito.

A grande maioria dos sabonetes industriais não contém em sua fórmula componentes que tratam a pele de forma adequada.

 Eles se concentram, na maioria das vezes, apenas na produção de espuma abundante. Os quatro componentes potencialmente nocivos ms comuns tanto em sabonetes líquidos quanto em sabonetes em barras são:

  1. Fragrância:fazem com que os sabonetes fiquem perfumados devido aos compostos orgânicos voláteis. Porém, os efeitos que tais componentes podem causar na saúde vão desde alergias de pele a câncer de rim.

 

  1. Benzoato de benzila:esta é uma substância de origem orgânica, porém não é considerada um Poluente Orgânico Persistente (POP). É utilizado em aromatizadores de ambiente, inseticidas, perfumes, medicamentos, plásticos, couro, tingimento de tecidos, produtos de limpeza, cosméticos e produtos de higiene pessoal, como os sabonetes. Estudos apontam que o benzoato de benzila pode provocar alergias na pele, dermatites de contato, ser possivelmente tóxico para o sistema imunológico humano e atuar na desregulação de hormônios.

 

  1. DMDM Hidantoína:possui a mesma função que o triclosan, atuando como antibacteriano em sabonetes bactericidas e outros cosméticos. Deste modo, também permite o desenvolvimento da resistência bacteriana. O DMDM hidantoína também pode provocar alergias e dermatites de contato. A questão de maior risco para saúde que envolve este componente está relacionada ao fato de que ele libera pequenas quantidades de formol (ou formaldeído), substância extremamente perigosa e considerada cancerígena.

 

  1. BHT: tambémpode ser chamado de Butil Hidroxi Tolueno. É utilizado como conservante em alimentos e produtos cosméticos. Apesar de vários estudos relacionarem o BHT ao surgimento de câncer, está listado como substância não classificável quanto à sua carcinogenicidade em humanos.

Bom eu imagino que agora, com essas informações, eu tenha chamado a sua atenção, mas gente, é para prestar atenção mesmo!

Como disse a psicanalista austríaca, Melanie Klein: – “Quem come do fruto do conhecimento, é sempre expulso de algum paraíso.” Mas o bom nisso tudo é que agora você sabe, e pode fazer uma escolha consciente. Você pode escolher por sabonetes e também por outros produtos naturais. 🙂

Neste momento, existe uma expansão nesse seguimento, porque assim como nós, muita gente não quer mais ser boi de piranha.

Sabonete natural de Açafrão da Terra da “A Curandeira”

O Sabonete Artesanal. A saboaria é uma arte ancestral.

Resgata a mágica de transformar óleos, manteigas vegetais e ervas em sabonetes, para tornar o seu banho um ritual. Me diga honestamente se você sabe diferenciar um sabão natural, totalmente vegetal, produzido manualmente através de técnicas ancestrais, de outro que é produzido industrialmente utilizando diversas substâncias químicas sintéticas?

Se sua resposta é não, é porque você ainda não teve o prazer de tomar um delicioso banho com um sabão genuinamente artesanal e vegetal, pois mesmo com a explicação que virá adiante, a grande diferença só pode ser sentida na pele. Te desafio a se permitir ter essa experiência. 😉

A alquimia da saboaria tem início na mistura de uma parte de substância gordurosa que contém cadeias de ácidos graxos (como as encontradas nos óleos e nas manteigas vegetais) e outra parte de uma solução básica (alcalina), que pode ser obtida ao se misturar água com hidróxido de sódio (soda cáustica), hidróxido de potássio ou outra base, ou ainda usando cinzas tal como nossos ancestrais faziam.

A partir dessa mistura é que acontece a reação química de nome saponificação, onde são formadas as moléculas de sabão e de glicerina que darão vida e estrutura ao verdadeiro sabão.

A saboaria artesanal é uma técnica dominada pela humanidade há milênios!

Historiadores apontam o ano de 2.800 a.C. como a data aproximada do mais antigo registro do uso de um produto que se assemelha ao nosso atual sabão – uma pasta feita com gordura animal e cinzas – ou seja, o mesmo princípio da união de ácidos graxos em solução álcali.

Um sabonete artesanal leva em sua composição: óleos vegetais puros, extratos naturais; argilas; óleos essenciais, que além de terapêuticos, perfumam suavemente o sabão, com o aroma natural das plantas.

 É normal que os sabonetes naturais durem menos que os industrializados. Os sabonetes naturais absorvem mais água e são mais emolientes, tendo assim um derretimento mais acelerado.

O sabonete industrializado normalmente é pobre em emolientes, não retém tanta água (tanto que chega a rachar – imagina isso na sua pele) e acaba tendo uma durabilidade maior.

Por não conter componentes artificiais, um sabonete ou um cosmético natural, além de ser menos danoso à saúde, também será menos prejudicial ao meio ambiente – tanto em termos de tratamento de resíduos e efluentes, quanto nos efeitos causados em lixões e aterros.

Para finalizar, te convido a realmente se permitir conhecer. Em se tratando de sabonetes só é possível entender quando você o colocar na pele.

Então faça o teste. Pegue um sabonete industrial – que pode até ser aquele que diz ter ¼ de hidratante – e um sabonete artesanal feito por saponificação. Use cada um por dois ou três dias e perceba a sensação da espuma de cada um, qual a sua sensação durante o banho e como sua pele estará após cada banho.

Tenha certeza que você correrá sérios riscos de sair desse teste como mais um apaixonado e fiel à saboaria artesanal.

Foi um imenso prazer falar com você.

 

5 Ervas Medicinais para Usar com Cuidado

As ervas medicinais, de maneira geral, são divididas em 4 grupos: ervas seguras, ervas levemente tóxicas, ervas tóxicas e ervas mortalmente tóxicas.

Acredito que, por desconhecimento, algumas pessoas ainda utilizam ervas que, apesar de já estarem em uso há muito tempo, não deveriam mais serem utilizadas “in natura”, para consumo interno.

Esse tipo de plantas faz parte da categoria de ervas tóxicas que, com poucas doses pode causar danos que nem sempre serão percebidos no curto prazo, mas que podem comprometer sua saúde no futuro.

Ervas tóxicas não devem ser usadas internamente, mesmo que a vovó já as use a vida toda, pois algumas pessoas têm uma resistência maior a toxinas do que outros indivíduos.

Assim, não é porque alguém está utilizando uma erva perigosa sem que ainda tenha manifestado seus efeitos adversos, que você tenha que arriscar também.
Existem diversas ervas tóxicas em uso, ainda nos dias de hoje, por isso é importante se informar.

Algumas destas ervas tem valor medicinal para uso externo ou mesmo, se forem adequadamente manipuladas e seus princípios ativos tóxicos forem isolados e extraídos.

Mas o risco está em fazer o uso interno sem manipulação competente.

Agora que você já está atento a essas informações, vamos relacionar 5 ervas medicinais, muito conhecidas e populares que devem ser usadas com cuidado.

LOSNA

Esta erva é muito popular e amplamente utilizada ainda nos dias de hoje.
Mas a Losna pode causar sérios danos ao Fígado em razão de seus alcaloides tóxicos.
Algumas pessoas, todos os anos, defendem nas redes sociais que a Losna, em uso interno, pode curar o câncer.
Recomendamos que você não entre nessa, pois a erva sem manipulação só vai agravar a condição. Losna é boa para plantar no jardim porque afasta insetos. E é só isso.

BABOSA

Esta planta, além de ser muito bonita, é um maravilhoso cicatrizante e anti-inflamatório natural para uso externo.

Mas apesar do que muitos apregoam, seu uso interno está longe de ser um consenso, principalmente se a planta for utilizada de forma natural.

Para uso interno é possível utilizar supositórios, feitos em farmácias de manipulação, para agir como laxante ou mesmo na forma de homeopatia. Mas qualquer outro uso interno da babosa é desaconselhado, pois causa lesões no fígado.

EUCALIPTO

Esta grande árvore produz folhas com alto poder expectorante e antisséptico. Mas seu óleo essencial é muito perigoso e apenas uma gota, em alguns casos, pode ser fatal.

Dessa forma, o uso interno da tintura caseira ou do chá de eucalipto pode ser perigoso.

Ainda que se precise uma grande quantidade de folhas para se extrair uma gota de óleo essencial, não convém acumular toxinas no já exigido fígado e no sangue.

O eucalipto é ótimo no uso externo, em pomadas e unguentos par aliviar congestão e liberar a respiração. Mas evite o uso interno.

AVELOZ

Muito tem se falado em pesquisas desta planta para tratamento de câncer e isso é verdade. Mas até o momento, ainda não foi possível isolar seus princípios ativos para produzir algum tipo de medicamento que possa ser utilizado.

Não obstante, algumas pessoas tomam a iniciativa de fazer uso da planta por conta própria, na busca por uma cura desta difícil doença. Mas esta atitude pode agravar seriamente o problema.

A parte usada da planta é o seu látex, que é incrivelmente corrosivo. Se este for utilizado internamente, poderá causar serias lesões internas.

Se for utilizado externamente, sobre tumores, pode causar uma grave irritação e prejudicar ainda mais a pessoa que já se encontra em uma situação delicada.

Evite uso interno e externo do aveloz, sem a devida manipulação ou enquanto ainda não se conseguiu criar algum tipo de fito-medicamento seguro.

CONFREI

Esta é uma erva de uso muito antigo que tem sim suas propriedades medicinais válidas. Porém o uso seguro desta planta deve ser feito apenas externamente.

Seu uso interno é extremamente desaconselhado ainda que se saiba de pessoas que a utilizam para tratamento de asma juvenil.

De fato, este tratamento pode até dar resultado a curto prazo, mas a pessoa tratada tem uma grande probabilidade de desenvolver cirrose medicamentosa na idade adulta.

Um problema bem mais sério do que a asma (que tem outros meios de tratamento) e que pode custar a vida da pessoa.

Dessa forma, esta planta, a exemplo da maioria das ervas citadas neste artigo, deve ser restrita para o uso externo, onde ela tem muito a contribuir para sua saúde.

É importante que nós usemos a riqueza das ervas medicinais com atenção, buscando informação e respeitando os limites que o mundo natural nos impõe.

Quando houver dúvida, busque mais informações e sempre procure consultar um fitoterapeuta qualificado para escolher as melhores ervas para seu tratamento ou da pessoa que você deseja ajudar.

Somente assim poderemos recuperar a saúde e realmente ajudar outras pessoas.

Tenha sempre cuidado com o que você lê, vê ou ouve, quando se trata da sua saúde.

O cérebro e os óleos essenciais

Pesquisadores espanhóis descobriram em 2006 que, se você ler um nome como “canela”, imediatamente será acionada a região do córtex olfativo primário, responsável pela percepção dos aromas e das cenas mentais.

Isso só acontece quando lemos palavras que tenham relação com aromas, como os óleos essenciais, por exemplo.

Se você ler uma palavra como colher, sofá ou microfone, esse acionamento não acontece.

Esse artigo foi publicado na revista NeuroImage” com o título de ” Reading cinnamon activates olfactory brain regions” (Ler canela ativa regiões olfativas do cérebro).

Dessa forma, foi descoberto que, antes mesmo de inspirarmos um aroma de um óleo ou qualquer coisa que seja impregnada com um cheiro característico, nosso cérebro já começa a realizar ações de ativação.

3 Óleos para dormir bem

O olfato, entre todos os nossos sentidos, é o que tem comunicação mais direta com o cérebro.

Dessa forma, quando utilizamos um óleo essencial, é grande a influência que este exerce sobre nosso sistema nervoso e sobre todas funções comandadas pelo cérebro.

Quando dormimos, dois sentidos permanecem ativos: o olfato e a audição.

Para melhorar ainda mais nossa experiência de sono, podemos empregar os benefícios dos óleos essenciais.

Algumas essenciais são relaxantes e seus íons negativos (que são bons para nós!) ajudam a deixar o ambiente do quarto de dormir mais purificado e promovem liberação do estresse e facilitam a circulação do sangue durante o sono.

Aqui vão 3 óleos essenciais que podem lhe ajudar a ter uma noite de sono mais repousante:

LAVANDA

A Lavanda é uma dos óleos essenciais mais amados em todo mundo e um dos mais seguros também.

É um dos poucos óleos essenciais que podem ser utilizados diretamente sobre a pele de forma segura.

Por seu efeito sedativo, é um dos óleos mais recomendados para serem utilizados antes de dormir.

Duas ou três gotas no canto da fronha do travesseiro podem ser a diferença entre um sono mais tranquilo esta noite.

Se for para uso com crianças, apenas uma gota é suficiente e pode ser colocada no canto do colchão, próximo ao travesseiro, mas um pouco mais afastado.

Não se preocupe, pois este óleo não mancha as roupas de cama.

LARANJA AMARGA

Se a pessoa estiver muito esgotada ou exausta, o óleo de laranja amarga pode ser uma boa opção.

Sabe aqueles dias em que estamos tão cansados que nem conseguimos dormir logo? Pois então, é nesse dia que devemos usar este óleo.

Mas nesse caso, devemos ter um pouco de atenção, pois este óleo pode manchar suas roupas de cama. Melhor é colocar uma ou duas gotas em um algodão e deixar próximo ao travesseiro na hora de dormir.

Não use este óleo com crianças.

ERVA DOCE

Este óleo é ótimo se você estiver gripado ou com dores.

Ao utilizar este óleo, as vias áreas ficam progressivamente mais livres e seu efeito analgésico geral ajuda a aliviar dores, o que pode proporcionar uma melhor noite de sono.

Pode ser utilizado direto na roupa de cama, pois não mancha.

Não é proibido para crianças, mas nesse caso, prefira sempre o óleo de Lavanda.

Gestantes não devem fazer uso deste óleo.

Para saber mais sobre os óleos deste artigo, clique no nome dos óleos citados acima para ser direcionado para mais informações.

Saiba mais sobre óleos essenciais nesta palestra do ERVANARIUM:

AROMATERAPIA FREQUENCIAL – CLIQUE AQUI

Envie uma mensagem para nós e eu lhe enviarei, especialmente para seu e-mail, uma dica de como fazer um spray com óleos essenciais para relaxar, purificar e favorecer uma boa noite de sono! Clique aqui para enviar a mensagem.