O cérebro e a aromaterapia

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Existe uma prova científica de que o cérebro responde a aromaterapia, antes mesmo de se empregar qualquer óleo essencial.

Pesquisadores espanhóis descobriram em 2006 que, se você ler um nome como “canela“, imediatamente será acionada a região do córtex olfativo primário do cérebro, responsável pela percepção dos aromas e das cenas mentais.

Isso só acontece quando lemos palavras que tenham relação com aromas, como os óleos essenciais, por exemplo.

A Canela é uma das plantas medicinais empregada na aromaterapia

Canela

Se você ler uma palavra como colher, sofá ou microfone, esse acionamento não acontece.

Esse artigo foi publicado na revista “NeuroImage”, com o título de ” Reading cinnamon activates olfactory brain regions” (Ler canela ativa regiões olfativas do cérebro).

Artigos que também possam te interessar!

3 Óleos para dormir bem

Dessa forma, foi descoberto que, antes mesmo de inspirarmos um aroma de um óleo ou qualquer coisa que seja impregnada com um cheiro característico, nosso cérebro já começa a realizar ações de ativação.

Isso pode começar a explicar os mecanismos de ação e a abrangência terapêutica da aromaterapia, sejam tão amplos.

Afinal de contas, os óleos essenciais são tão eficientes em suas propriedades curativas que nosso cérebro, só de reconhecer o nome da planta medicinal já começa a reagir positivamente.

O que este cientistas provaram é que o cérebro e aromaterapia, são verdadeiramente bons amigos! 😉

Veja o que estas pessoas acharam da formação de fitoterapia da Escola das Plantas. 🙂

Formação em fitoterapia

Curso de fitoterapia e plantas medicinais

Rodrigo Silveira

Rodrigo Silveira

Herborista, Professor e Criador do Ervanarium

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe seu comentário: