Os Benefícios da Saboaria Natural

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Você já se perguntou como o seu sabonete é feito?

Então, quando alguém me questiona que pode comprar um sabonete na loja da esquina por menos de R$ 2,00, eu carinhosamente explico sobre o custo e benefício dos produtos naturais.

Você sabia que a pele é nosso maior órgão? E que nos acompanha por toda nossa vida? E que ela literalmente come o que passamos nela?

Assim como outros órgãos do nosso corpo, a pele sofre alterações com o passar dos anos e, desta forma, precisa de cuidados específicos conforme suas necessidades vão mudando.

O envelhecimento natural é inevitável, no entanto, sua precocidade é influenciada por diversos fatores e alguns deles podem ser evitados e prevenidos.

Na perspectiva de um consumo mais consciente, mesmo antes de abraçar minha missão com A Curandeira, eu sempre li tudo: rótulo de remédio, ketchup, sabão.

Sempre me intrigava com aqueles nomes difíceis e que mais parecia estar lendo uma formulação de veneno (e não é que era mesmo?)

Acredito que, assim como eu, você também deve ter chegado a se perguntar muitas vezes se está mesmo fazendo bem ou mal ao usar tal produto, né?

Na era da informação, onde estamos presenciando escândalos envolvendo a indústria da carne e denúncias ligadas à escravidão na moda, nada mais natural que queiramos saber como um item tão básico como o sabonete nosso de cada dia, é feito.

A grande maioria dos sabonetes industriais não contém em sua fórmula componentes que tratam a pele de forma adequada.

 Eles se concentram, na maioria das vezes, apenas na produção de espuma abundante. Os quatro componentes potencialmente nocivos ms comuns tanto em sabonetes líquidos quanto em sabonetes em barras são:

  1. Fragrância:fazem com que os sabonetes fiquem perfumados devido aos compostos orgânicos voláteis. Porém, os efeitos que tais componentes podem causar na saúde vão desde alergias de pele a câncer de rim.

 

  1. Benzoato de benzila:esta é uma substância de origem orgânica, porém não é considerada um Poluente Orgânico Persistente (POP). É utilizado em aromatizadores de ambiente, inseticidas, perfumes, medicamentos, plásticos, couro, tingimento de tecidos, produtos de limpeza, cosméticos e produtos de higiene pessoal, como os sabonetes. Estudos apontam que o benzoato de benzila pode provocar alergias na pele, dermatites de contato, ser possivelmente tóxico para o sistema imunológico humano e atuar na desregulação de hormônios.

 

  1. DMDM Hidantoína:possui a mesma função que o triclosan, atuando como antibacteriano em sabonetes bactericidas e outros cosméticos. Deste modo, também permite o desenvolvimento da resistência bacteriana. O DMDM hidantoína também pode provocar alergias e dermatites de contato. A questão de maior risco para saúde que envolve este componente está relacionada ao fato de que ele libera pequenas quantidades de formol (ou formaldeído), substância extremamente perigosa e considerada cancerígena.

 

  1. BHT: tambémpode ser chamado de Butil Hidroxi Tolueno. É utilizado como conservante em alimentos e produtos cosméticos. Apesar de vários estudos relacionarem o BHT ao surgimento de câncer, está listado como substância não classificável quanto à sua carcinogenicidade em humanos.

Bom eu imagino que agora, com essas informações, eu tenha chamado a sua atenção, mas gente, é para prestar atenção mesmo!

Como disse a psicanalista austríaca, Melanie Klein: – “Quem come do fruto do conhecimento, é sempre expulso de algum paraíso.” Mas o bom nisso tudo é que agora você sabe, e pode fazer uma escolha consciente. Você pode escolher por sabonetes e também por outros produtos naturais. 🙂

Neste momento, existe uma expansão nesse seguimento, porque assim como nós, muita gente não quer mais ser boi de piranha.

Sabonete natural de Açafrão da Terra da “A Curandeira”

O Sabonete Artesanal. A saboaria é uma arte ancestral.

Resgata a mágica de transformar óleos, manteigas vegetais e ervas em sabonetes, para tornar o seu banho um ritual. Me diga honestamente se você sabe diferenciar um sabão natural, totalmente vegetal, produzido manualmente através de técnicas ancestrais, de outro que é produzido industrialmente utilizando diversas substâncias químicas sintéticas?

Se sua resposta é não, é porque você ainda não teve o prazer de tomar um delicioso banho com um sabão genuinamente artesanal e vegetal, pois mesmo com a explicação que virá adiante, a grande diferença só pode ser sentida na pele. Te desafio a se permitir ter essa experiência. 😉

A alquimia da saboaria tem início na mistura de uma parte de substância gordurosa que contém cadeias de ácidos graxos (como as encontradas nos óleos e nas manteigas vegetais) e outra parte de uma solução básica (alcalina), que pode ser obtida ao se misturar água com hidróxido de sódio (soda cáustica), hidróxido de potássio ou outra base, ou ainda usando cinzas tal como nossos ancestrais faziam.

A partir dessa mistura é que acontece a reação química de nome saponificação, onde são formadas as moléculas de sabão e de glicerina que darão vida e estrutura ao verdadeiro sabão.

A saboaria artesanal é uma técnica dominada pela humanidade há milênios!

Historiadores apontam o ano de 2.800 a.C. como a data aproximada do mais antigo registro do uso de um produto que se assemelha ao nosso atual sabão – uma pasta feita com gordura animal e cinzas – ou seja, o mesmo princípio da união de ácidos graxos em solução álcali.

Um sabonete artesanal leva em sua composição: óleos vegetais puros, extratos naturais; argilas; óleos essenciais, que além de terapêuticos, perfumam suavemente o sabão, com o aroma natural das plantas.

 É normal que os sabonetes naturais durem menos que os industrializados. Os sabonetes naturais absorvem mais água e são mais emolientes, tendo assim um derretimento mais acelerado.

O sabonete industrializado normalmente é pobre em emolientes, não retém tanta água (tanto que chega a rachar – imagina isso na sua pele) e acaba tendo uma durabilidade maior.

Por não conter componentes artificiais, um sabonete ou um cosmético natural, além de ser menos danoso à saúde, também será menos prejudicial ao meio ambiente – tanto em termos de tratamento de resíduos e efluentes, quanto nos efeitos causados em lixões e aterros.

Para finalizar, te convido a realmente se permitir conhecer. Em se tratando de sabonetes só é possível entender quando você o colocar na pele.

Então faça o teste. Pegue um sabonete industrial – que pode até ser aquele que diz ter ¼ de hidratante – e um sabonete artesanal feito por saponificação. Use cada um por dois ou três dias e perceba a sensação da espuma de cada um, qual a sua sensação durante o banho e como sua pele estará após cada banho.

Tenha certeza que você correrá sérios riscos de sair desse teste como mais um apaixonado e fiel à saboaria artesanal.

Foi um imenso prazer falar com você.

 

Juliana Damasceno

Juliana Damasceno

Cosmetóloga natural, empresária da "A Curandeira"

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe seu comentário: