Cardo Mariano

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Cardo Mariano é uma das mais antigas plantas conhecidas. Seu principal constituinte, a silimarina (que é de fato uma combinação de três componentes chamados flavonolignanas), ajuda a reestruturar as células do fígado e evita que toxinas penetrem neste órgão. Ela também é uma das planta medicinal que estimula a produção de novas células, promovendo aumento da capacidade regenerativa do fígado. Mais informações abaixo.

Cardo Marinao, planta medicinal para problemas hepáticos.

Nome científico

Silybum marianum L.

Nome conhecido

Cardo-de-santa-maria, Cardo-branco, Cardo-de-nossa-senhora, Cardo-leiteiro, Cardo-mariano, Cardo-santo, Serralha-de-folhas-pintadas (Português), Milk Thistle (inglês), Cardo-mariano (espanhol), Chardon-marie (francês).

Nomes botânicos

Carduus mariae Crantz, Carduus marianus L., Carthamus maculatum (Scop.) Lam., Cirsium maculatum Scop., Mariana lactea Hill, Mariana mariana (L.) Hill, Silybum maculatum (Scop.) Moench, Silybum mariae (Crantz) Gray.

Nomes farmacêuticos

Semen carduus marianus.

Família

Asteraceae.

Partes usadas

Raízes, folhas e sementes.

Sabor

Amargo.

Composição química

Açúcares, silimarina (silibina, silicristina, silidianina), flavonóides (taxifolina, quercetina, kaempferol, apigenina, naringina), histamina, óleo essencial, óleos fixos (ácido linoléico, ácido oléico, ácido palmítico, esteróis), mucilagem, proteínas, saponinas.

Propriedades medicinais gerais

Anti-inflamatório, antioxidante, antifibrótico, anticancerígeno, colagogo, diurético, hipertensor, galactagogo, febrífugo, hemostático, colerético, laxante, adrenergético, alterativo, antiagregante, antialérgico, antiangiogênico, antibilioso, anticarcinogênico, antidepressivo, antidiabético, antídoto para intoxicação por cogumelos, antiedêmico, antifibrótico, anti-histamínico, antileucotrino, antimetastático, antiproliferante, antiprostaglandino, antitelomerase, antitóxico, antitumoral, antiulcerativo, antiviral, apoptótico, tônico amargo, inibidor cAMP-Fosfodiestarase, ativador de caspase, quimiopreventivo, colerético, inibidor de COX-2, citoprotetor, citotóxico, demulcente, depurativo, dermoprotetor, diaforético, digestivo, diurético, emenagogo, expectorante, glutationigênico, HDL-gênico, hepatoregenerador, hipocolesterolêmico, inibidor de IKKbeta, imuno-estimulante, inibidor de i-NOS, lactagogo, lipolítico, nefro protetor, neuroprotetor, indutor de p450, inibidor de p450, pancreaprotetor, peristáltico, inibidor de p-Glicoproteína, fagocitótico, fotoprotetor, inibidor de PKC, purgativo, radioprotetor, SOD-gênico, simpaticolítico, ativador das células T, inibidor de TNF-alpha, inibidor de xantina-oxydase, tônico, antipirético.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Folhas – aperitivo, sudorífico.

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: trata problemas digestivos, náusea, dispepsias, anorexia, cólicas, colite, congestão, constipação, enterite, dispepsia, gastrite, peritonite, vermes,

Sistema Urinário e Genital: menorragia, TPM, metrorragia, amenorreia, disúria, hematúria, leucorreia, menopausa,

Sistema Hepático: previne e repara danos do Fígado, protege o Fígado contra toxinas, tônico do fígado e da vesícula, tratamento de cirrose hepática, icterícia, cefaleia de origem hepática, hepatite aguda e crônica, esteatose do fígado, para casos de envenenamento pelo cogumelo amanita phalloides (comum na Europa), colecocistite, colelitíase, pedras da vesícula, necroses hepáticas (como as provocadas pelo tetracloreto de carbono, por exemplo), age sobre a membrana das células do fígado e, provavelmente, outras células do corpo estabilizando e fortalecendo sua estrutura,

Sistema Respiratório: asma, catarro, tosse, pleurasia, bronquite, tuberculose,

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: colesterol, epistaxe, aterose, sangramentos, cardiopatias, flebite, úlcera varicosa, varizes,

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: estimulante da imunidade, esclerose múltipla, mialgia, resfriados,

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: artrose, síndrome do túnel carpo,

Sistema Renal: infecções renais,

Outros distúrbios: depressão que se manifesta ao cair da noite, inibe a peroxidação dos lipídios e estimulação da biossíntese das proteínas, danos provocados por medicação e exposição a substâncias tóxicas (envenenamento), alcoolismo, furúnculos, letargia, para casos de envenenamento pelo cogumelo amanita phalloides (comum na Europa), aumenta a glicogênese e o ácido nucléico do organismo, acne, malária, alergias, anthrax, cálculos, câncer de bexiga, câncer de mama, câncer de cervix, câncer de cólon, câncer de pulmão, câncer de nariz, câncer de ovário, câncer de próstata, câncer de pele, câncer de  língua, dermatose, neuropatia diabética, erisipela, síndrome de alcoolismo fetal, fibrose, alergias alimentares, metástase, enxaqueca, esclerose múltipla, mialgia, pancreatite, praga, picada de cobra, síndrome X, urticária, tônico para o Baço, febres intermitentes, se ingerida oito dias antes, tem ação preventiva contra enjoos de viagem.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Sementes – extrato alcoólico das sementes é usado em tratamento de hemorroidas e é um substituto geral para o hormônio adrenalina.

Folhas – diabetes (usar folhas jovens, com inflorescências).

Indicações para uso externo

Pele e unhas: úlceras nas pernas.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Sementes – extrato alcoólico das sementes é usado em tratamento de hemorroidas e é um substituto geral para o hormônio adrenalina.

Folhas – diabetes (usar folhas jovens, com inflorescências).

Para crianças

Evitar uso infantil.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

Recomenda-se não usar nos 3 primeiros meses de gravidez, na lactação e nem em pessoas com problemas renais, úlcera, gastrite e em hipertensos. Evitar uso em crianças. As sementes podem ser tóxicas e não devem ser ingeridas em grandes quantidades, pois podem elevar a pressão arterial. Seus efeitos colaterais são: náuseas, problemas estomacais e diarreias leves em aproximadamente 1% dos usuários. Evitar uso em casos de oclusão das vias biliares.

Interações medicamentosas

Interage com estrógenos, drogas com glucuronidase e drogas metabolizadas por cytochrome P450 2C9 (CYP2C9) e P450 3A4 (CYP3A4).

Toxicidade

Planta segura nas doses recomendadas. As sementes podem ser tóxicas.

Uso culinário e nutritivo

As folhas sem casca podem ser comidas como vegetais. O pó das sementes torradas pode substituir o café. As raízes podem ser comidas como rabanetes.

Aromaterapia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Medicina Chinesa (MTC)

Erva indicada para tratar deficiência do Qi da Vesícula Biliar, na deficiência do sangue do Fígado, equilibra o yang do Fígado, elimina calor e umidade no Fígado e remove estagnação do sangue do Fígado. Atua nos canais do Fígado, Vesícula Biliar, Baço/Pâncreas.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 2 – Ervas para calor excessivo dentro do corpo • Categoria 9 – Ervas para promover a digestão • Categoria 12 – ervas para regular o sangue (xue) • Categoria 16 – ervas para corrigir deficiências (sangue) • Categoria 19 – ervas para úlceras e tumores •

Ayurveda

O Cardo Mariano é uma planta medicinal que reduz Pitta e Kapha e, em excesso, pode agravar Vata. Elimina Ama do organismo. Sua rasa é amarga, sua virya é fria e sua vipaka é picante.

Uso homeopático

Conhecido como Carduus mariannus é uma planta medicinal utilizada na homeopatia em casos de congestão hepática, estado varicoso, tendências hemorrágicas, dor de cabeça biliosa, dor do hipocôndrio direito agravada pela pressão, fígado doloroso, em fezes negras, duras, aos pedaços e de expulsão difícil, na prisão de ventre, em hemorroidas com queimaduras e pruridos, dor na base do pulmão direito, com tosse e estado congestivo crônico em relação com a afecção do fígado, manchas amarelas hepáticas em relação ao estado hepático, cirrose, cólica hepática. Utilizado na dose 30ª.

Pets e outros animais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Informações em outros sistemas de saúde

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

O que diz a ciência

Erva utilizada na formulação do medicamento Legalon.

Astrologia

O Cardo Mariano é uma planta medicinal associada ao signo de Escorpião. Seu regente é Marte.

Indicações energéticas ou mágicas

O Cardo Mariano é uma planta medicinal associada ao elemento fogo.

Habitat

O Cardo Mariano é uma planta medicinal nativa da região mediterrânica. Está também presente nas Ilhas Canárias, na Madeira e nas regiões quentes e secas da Europa Central, da América do Norte e do Sul, da Ásia Central e Oriental e do Sul da Austrália.

Descrição da planta

Planta anual ou bienal, que cresce entre 1,5 e 3 m de altura e tem folhas grandes e espinhosas. Quando quebradas, as folhas e os caules exudam uma seiva leitosa. As flores vermelhas-purpura possuem bordas com espinhas afiadas. As frutas são brilhantes, pintadas, pretas ou cinzentas que são frequentemente referidas como sementes. Estas frutas compõem a parte do cardo-mariano, que junto com seus pelos prateados, caem prontamente.

Vamos plantar?

O cardo necessita de luz solar direta pelo menos por algumas horas diariamente. Cultive em solo bem drenado, profundo, fértil e rico em matéria orgânica. O cardo cresce bem na maioria dos tipos de solo e é bastante tolerante quanto ao pH do solo. Irrigue de forma a manter o solo úmido nas estações do ano em que há crescimento da planta, mas sem que este permaneça encharcado. A planta é, no entanto, resistente à seca quando já se encontra bem desenvolvida. O cardo pode ser propagado por sementes ou por divisão de plantas com rebentos. As sementes do cardo são semeadas geralmente na primavera, assim que a temperatura do solo esteja em pelo menos 10°C. As sementes são semeadas no local definitivo ou em sacos plásticos para mudas, vasos e outros recipientes, a cerca de 2,5 cm de profundidade. As mudas são transplantadas quando atingem aproximadamente 25 cm de altura. O espaçamento entre as fileiras pode ser de 1,2 m, e a distância entre as plantas pode ser de 38 cm. Uma vez que se tem plantas bem desenvolvidas e com boas características, o método de propagação mais adequado é a retirada de rebentos que surgem ao redor das plantas, e que devem ser retirados cavando com cuidado ao redor da planta e separando os rebentos da planta matriz com uma faca ou pá. Os rebentos devem estar bem desenvolvidos e devem ser retirados com raízes. A colheita é geralmente feita no fim do outono ou começo do inverno, cortando toda a planta. Os talos devem ter as folhas e espinhos removidos antes de serem utilizados.

Artigos relacionados

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.br/ http://www.cardo-mariano.com/http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/cardo-mariano.htmlhttps://hortas.info/como-plantar-cardohttp://www.pharmacotecnica.com.br/?:=materia_prima&tt=atd&i=S&c=378 • Vademecum de Fitoterapia – Pedro del Rio Pérez • Pharmacodynamic basis of herbal medicine- Manuchair Ebadi -Taylor and Francis • Chinese and related North American Herbs – phytopharmacology and therapeutics values – Thomas S. C. Li – CRC Press • Dukes Handbook of Medicinal Plants of the Bible – James A. Duke with Peggy-Ann K. Duke and Judith L. duCellier – CRC Press • Enciclopedia de plantas medicinales • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke – CRC Press • Herbal medicines in pregnancy and lactation – an evidence-based approach – Edward Mills, Jean-Jacques Dugoua, Dan Perri, Gideon Koren – Taylor and Francis • Herbal Tonic Therapies Daniel B. Mowrey Ph.D -NTC Contemporary • Herbal Magick – a witchs guide to herbal folklore and enchantments – Gerina Dunwick – New Page Books • Indian Medicinal Plants – C.P Khare – Springer • Master your metabolism – the all natural (all herbal) way to lose weight – Lewis Harrison – Sourcebooks INC • Medicinal Plants in Folk Tradition – an ethobothany of Britain and Ireland- David E. Allen and Gabrielle Hatfield – Timber Press • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hachette • Segredos e virtudes das plantas medicinais – Seleções do Readers Digest • Tylers Herbs of Choice – the terapheutic use of phytomedicinals – Dennis V. C. Awang – CRC Press • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • A vida cura a vida – Pe. Paulo Wendling – Paulinas • 100 receitas de saúde – Ervas medicinais – Anne McIntyre – Publifolha • Higiene e Tratamento Homeopático das Doenças Domésticas – Dr. Alberto Seabra – Associação Brasileira de Homeopatia • Apostila Fito Chinesa II – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • Perfeccionamiento en acupuntura, oligoelementos y fitoterapia – Yves Requena • Herbal Magick – a witchs guide to herbal folklore and enchantments – Gerina Dunwick – New Page Books • A astrologia da Mãe-Terra – Márcia Starck – Pensamento •
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email