Bom mesmo é o remédio amargo! – diziam os antigos.

Mas porque?

Bem, para entender isso melhor, precisamos primeiramente saber que o sabor das ervas tem sim influência sobre a sua ação sobre determinados órgãos internos.

Por exemplo, as ervas de sabor doce, atuam sobre o baço e o estômago. Já as de sabor picante, agem sobre o pulmão, e assim por diante.

Mas e as ervas de sabor amargo?

Estas agem sobre o fígado, que é um dos principais órgãos do nosso corpo. Tão importante que, inclusive, é um dos únicos órgãos que consegue se regenerar, mesmo quando somos adultos (quando cuidamos bem dele, claro!).

O fígado atua em diversas áreas do organismo como na digestão, excreção, regula algumas funções menstruais, acumula e processa algumas substâncias do sangue, além de ser o senhor do metabolismo e da visão.

Em inglês, o nome para o fígado é Liver, que pode ser traduzido como “vivente” ou “o que vive”.

As ervas amargas tem especial atuação sobre o fígado e por isso que o remédio amargo, muitas vezes, é o bom, por que recupera e regulariza as funções do fígado – o vivente que nos faz viver bem e felizes.

Algumas ervas amargas excelentes para você conhecer mais:

FEL DA TERRA (clique aqui para mais informações)

CARQUEJA (clique aqui)

PICÃO PRETO (clique aqui)

FEDEGOSO (clique aqui)

CARDO MARIANO (clique aqui) 

Se você gostou destas informações, fique a vontade para compartilhar ou adicionar este link a sua página.

Só lembre de creditar a fonte, ok? 😉

Rodrigo Silveira

Rodrigo Silveira

Professor, escritor e criador do Ervanarium