Quem não gosta de poder contar com vegetais e ervas medicinais fresquinhas ao alcance da mão, não é mesmo?

Mesmo com pouco espaço disponível, as hortas domésticas cada vez mais ganham força e diversas pessoas estão aproveitando o espaço disponível para ter um pouco de vida a sua volta.

Afinal, as plantas também podem servir para inspirar e ainda por cima, complementar a alimentação e a farmácia natural da sua casa.

Não é preciso muito espaço.

Se você puder ao menos dispor de um vaso, ou apenas alguns potes usados de iogurte ou de comida para gato (por exemplo), já dá para plantar alguma coisa e fazer a alegria da casa e da família.

Ervas condimentares em especial, como o orégano, tomilho, sálvia, alecrim, manjericão e hortelã, precisam de muito pouco espaço para que você cultive uma mudinha.

Mais feliz ainda é quem tem espaço de sobra e pode fazer grandes canteiros e ter uma maior variedade de plantas a sua disposição.

Cultive ervas que tem façam feliz.

A escolha das ervas e plantas é muito importante, mas as vezes nos prendemos a ideia de cultivar apenas plantas que sejam funcionais e que possam ser utilizadas para alguma finalidade medicinal ou culinária.

Isso é ótimo, mas o espirito precisa de tanto alimento quanto o corpo.

Assim, lembre-se também de, sempre que possível, incluir folhagens e flores para alegrar o ambiente e promover a renovação das energias.

As possibilidades são muito grandes!

Existe uma lista enorme de plantas que podem ser cultivadas dentro de ambientes fechados como a lavanda e o bambu, por exemplo. Mas existe uma oferta de opções ainda maior para plantas que podem ser cultivadas no espaço exterior.

Defina uma intenção.

Principalmente se você não tem muito espaço, dar uma intenção para sua horta pode ser muito importante, pois isso vai ajudar você a direcionar suas escolhas do que plantar.

Mas também respeito quem faz o tipo “caos organizado” e que planta o que der na veneta. O importante mesmo é cultivar vida nas proximidades, ainda que algumas ervas se deem melhor no ambiente externo, do que no interno. Seja por conta das condições de luz, espaço e clima, seja por conta de aspectos energéticos e prevenção de consumo por animais domésticos. Nem toda planta pode ser consumida pelos pets.

Algumas plantas devem ficar do lado de fora.

Determinadas plantas como a arruda, comigo ninguém pode e espada de são Jorge, devem ser cultivadas do lado de fora da residência ou em uma área aberta ou isolada do apartamento, pois podem representar perigo para os animais domésticos, se ingeridas.

Sempre é bom consultar quais são os espécimes seguros para se ter em casa, principalmente se temos bichinhos e crianças pequenas à volta.

Apesar de me dedicar a pesquisa de ervas medicinais (e de todo tipo de plantas) ao longo de 20 anos, acredite, eu não tenho o chamado “dedo verde” J e tive que aprender e desenvolver algumas habilidades para cultivar plantas.

Quando eu era um iniciante na prática do cultivo de vegetais, descobri que os maiores desafios iniciais nem sempre é o plantar em si, até por que tem muitas mudas que já vem na terra. Os maiores desafios de aprendizado (pelo menos para mim) foram:

  • Adubação correta
  • Rega correta
  • Controle de pragas

A força das plantas depende da força da terra.

Em geral, a terra preta que vem com as mudas ou que você compra no supermercado ou em lojas de jardinagem, não contém todos os nutrientes que sua plantinha precisa para viver.

Assim, será necessário adicionar vitaminas na forma de nutrientes, com alguma regularidade, se você quiser plantas fortes e duradouras. São os chamados “substratos para plantas.”

Os substratos são compostos orgânicos que servem para enriquecer o solo.

Alguns dos substratos mais comuns são fibra de coco, perlita, turfa, vermiculita e o húmus (o mais comum e fácil de fazer, até em casa!).

Vale pesquisar um pouco mais sobre cada tipo e avaliar qual é o mais indicado para você, de acordo com o seu tipo de horta, pois as condições e localização de sua plantação, vão determinar as melhores opções.

Não afogue as mágoas nas plantas!

A quantidade certa de água é um fator primordial para que estas se desenvolvam bem. Algumas plantas precisam de mais água do que outras. Então é importante se informar bem antes de decidir cultivar esta ou outra planta. Também as condições do local do plantio vão interferir na frequência das regas.

A lavanda que eu tenho em minha sacada pega sol o dia todo (afinal elas adoram J), mas por isso preciso aguar praticamente todo dia. Se isso for um problema pra você, eleja plantas que precisam de pouca água.

Em geral, uma regra que costuma dar certo, principalmente para plantas cultivadas internamente, é coloca a ponta do dedo dentro da terra.

Se o dedo sair praticamente seco e sem muita terra, provavelmente você deve fazer uma nova rega. Se o dedo sair mais coberto de terra é porque ainda tem umidade e ainda não é preciso adicionar mais água.

Mantenha os visitantes indesejados, longe da sua horta!

O último quesito de nossa lista, para muitos é também, o mais desafiador.

Confesso que perdi muitas plantas para pragas ao longo do tempo, até aprender alguns truques importantes que me ajudaram a manter longe esta turma que não foi convidada para meu jardim.

Uma boa forma de proteger suas plantinhas é cultivar outras plantas que irão defender a sua horta das pragas. Estas são as plantas companheiras. J

Existem dois tipos de plantas companheiras: aquelas que nascem espontaneamente e que muitas pessoas chamam de (pasmem!) ervas daninhas. E também aqueles espécimes que plantamos intencionalmente, próximas as ervas que queremos proteger, pois elas irão atrair ou afastar os “penetras da sua horta”. Algumas destas ervas são:

LOSNA

Esta erva é muito utilizada para problemas hepáticos, mas a sua melhor aplicação é como inseticida natural. Onde a losna é cultivada, muitos tipos de insetos são afugentados naturalmente. Então, pode ser uma boa ideia, plantar a losna junto de alguma planta que você deseja proteger. Só não dá para fazer isso se você tem animais domésticos em ambientes confinados como apartamentos (por exemplo). Ainda mais se forem gatos!

GERGELIM

Se o seu problema é infestação de formigas, talvez a sua melhor opção seja plantar o gergelim em sua horta, pois estes insetos não gostam nem um pouco desta erva.

MANJERICÃO

Uma boa touceira de manjericão afasta muitos tipos de insetos e, até mesmo, cobras. É uma planta ótima para se ter próximo a Lavanda (que atrai cobras), mas também, na forma de touceiras, nos cantos da casa e próximos a janelas, pois afasta diversos tipos de insetos, como mosquitos (mas também os ratos) da edificação.

CITRONELA

Se o seu principal problema são os mosquitos, então a citronela é a sua planta. Plante algumas touceiras em vasos ou nos mesmo locais que você plantaria o manjericão e durma com mais sossego à noite, sem os zumbidos de pernilongo e muriçocas! Xô dengue!

TAGETES

Conversando com minha amiga bióloga, Luciana Oliveira, dona da Flor de Oliveira, uma escola para paisagistas e outros tipos de pessoas que adoram colocar a mão na terra, ela me falou desta flor, a Tagetes, também conhecida como cravo de defunto.

Ela explica que se você plantar esta flor em volta do seu canteiro, vai afastar muitos tipos de pragas de sua área de cultivo. E apesar do nome da plantinha ser um pouco dramático, é uma flor muito bonita. Pode ser uma boa opção de se unir proteção à beleza.

PICÃO PRETO

A Lu Oliveira, também me chamou a atenção para um fato bem interessante. Em algumas hortas que ela cultivou, nasceu uma planta companheira espontaneamente, o Picão Preto. Pois nestas plantações, o Picão Preto atraiu para si vários tipos de insetos indesejáveis como pulgões, por exemplo, mas as demais plantas ficaram livres. Assim, podemos dizer que o Picão Preto é um ótimo “guarda costas” das suas plantas. Pense bem nisso na próxima vez que pensar em tirar um pezinho de picão de perto das suas plantinhas! 😉

Então caro leitor, plantar uma hortinha em casa é possível e menos complicado do que pode parecer. E ainda por cima, pode ser uma fonte de alegrias e liberação de tensões.

Vamos mexer um pouco com a terra e deixar a vida crescer em casa. Você pode se divertir no processo.

Boas energias para você!

Rodrigo Silveira

Rodrigo Silveira

Professor, escritor e criador do Ervanarium