As ervas medicinais, de maneira geral, são divididas em 4 grupos: ervas seguras, ervas levemente tóxicas, ervas tóxicas e ervas mortalmente tóxicas.

Acredito que, por desconhecimento, algumas pessoas ainda utilizam ervas que, apesar de já estarem em uso há muito tempo, não deveriam mais serem utilizadas “in natura”, para consumo interno.

Esse tipo de plantas faz parte da categoria de ervas tóxicas que, com poucas doses pode causar danos que nem sempre serão percebidos no curto prazo, mas que podem comprometer sua saúde no futuro.

Ervas tóxicas não devem ser usadas internamente, mesmo que a vovó já as use a vida toda, pois algumas pessoas têm uma resistência maior a toxinas do que outros indivíduos.

Assim, não é porque alguém está utilizando uma erva perigosa sem que ainda tenha manifestado seus efeitos adversos, que você tenha que arriscar também.
Existem diversas ervas tóxicas em uso, ainda nos dias de hoje, por isso é importante se informar.

Algumas destas ervas tem valor medicinal para uso externo ou mesmo, se forem adequadamente manipuladas e seus princípios ativos tóxicos forem isolados e extraídos.

Mas o risco está em fazer o uso interno sem manipulação competente.

Agora que você já está atento a essas informações, vamos relacionar 5 ervas medicinais, muito conhecidas e populares que devem ser usadas com cuidado.

LOSNA

Esta erva é muito popular e amplamente utilizada ainda nos dias de hoje.
Mas a Losna pode causar sérios danos ao Fígado em razão de seus alcaloides tóxicos.
Algumas pessoas, todos os anos, defendem nas redes sociais que a Losna, em uso interno, pode curar o câncer.
Recomendamos que você não entre nessa, pois a erva sem manipulação só vai agravar a condição. Losna é boa para plantar no jardim porque afasta insetos. E é só isso.

BABOSA

Esta planta, além de ser muito bonita, é um maravilhoso cicatrizante e anti-inflamatório natural para uso externo.

Mas apesar do que muitos apregoam, seu uso interno está longe de ser um consenso, principalmente se a planta for utilizada de forma natural.

Para uso interno é possível utilizar supositórios, feitos em farmácias de manipulação, para agir como laxante ou mesmo na forma de homeopatia. Mas qualquer outro uso interno da babosa é desaconselhado, pois causa lesões no fígado.

EUCALIPTO

Esta grande árvore produz folhas com alto poder expectorante e antisséptico. Mas seu óleo essencial é muito perigoso e apenas uma gota, em alguns casos, pode ser fatal.

Dessa forma, o uso interno da tintura caseira ou do chá de eucalipto pode ser perigoso.

Ainda que se precise uma grande quantidade de folhas para se extrair uma gota de óleo essencial, não convém acumular toxinas no já exigido fígado e no sangue.

O eucalipto é ótimo no uso externo, em pomadas e unguentos par aliviar congestão e liberar a respiração. Mas evite o uso interno.

AVELOZ

Muito tem se falado em pesquisas desta planta para tratamento de câncer e isso é verdade. Mas até o momento, ainda não foi possível isolar seus princípios ativos para produzir algum tipo de medicamento que possa ser utilizado.

Não obstante, algumas pessoas tomam a iniciativa de fazer uso da planta por conta própria, na busca por uma cura desta difícil doença. Mas esta atitude pode agravar seriamente o problema.

A parte usada da planta é o seu látex, que é incrivelmente corrosivo. Se este for utilizado internamente, poderá causar serias lesões internas.

Se for utilizado externamente, sobre tumores, pode causar uma grave irritação e prejudicar ainda mais a pessoa que já se encontra em uma situação delicada.

Evite uso interno e externo do aveloz, sem a devida manipulação ou enquanto ainda não se conseguiu criar algum tipo de fito-medicamento seguro.

CONFREI

Esta é uma erva de uso muito antigo que tem sim suas propriedades medicinais válidas. Porém o uso seguro desta planta deve ser feito apenas externamente.

Seu uso interno é extremamente desaconselhado ainda que se saiba de pessoas que a utilizam para tratamento de asma juvenil.

De fato, este tratamento pode até dar resultado a curto prazo, mas a pessoa tratada tem uma grande probabilidade de desenvolver cirrose medicamentosa na idade adulta.

Um problema bem mais sério do que a asma (que tem outros meios de tratamento) e que pode custar a vida da pessoa.

Dessa forma, esta planta, a exemplo da maioria das ervas citadas neste artigo, deve ser restrita para o uso externo, onde ela tem muito a contribuir para sua saúde.

É importante que nós usemos a riqueza das ervas medicinais com atenção, buscando informação e respeitando os limites que o mundo natural nos impõe.

Quando houver dúvida, busque mais informações e sempre procure consultar um fitoterapeuta qualificado para escolher as melhores ervas para seu tratamento ou da pessoa que você deseja ajudar.

Somente assim poderemos recuperar a saúde e realmente ajudar outras pessoas.

Tenha sempre cuidado com o que você lê, vê ou ouve, quando se trata da sua saúde.

Rodrigo Silveira

Rodrigo Silveira

Professor, escritor e criador do Ervanarium