Nome Popular: Sene

Outros nomes: sena, cássia, cene, fedegoso-do-rio-de-janeiro, lava-pratos, mamangá; senna (alemão), senna, sen, senet, pitusgarri  (espanhol), séné ou cassier (francês), senna leaves (inglês), senna (italiano).

Nome científico: Cassia angustifolia Vahl.

Nomes botânicos: Cassia senna L., Senna alexandrina Mill., Cassia acutifolia Delile, Cassia alexandrina (Garsault) Thell., Senna acutifolia (Delile) Batka, Senna alexandrina Garsault, Senna angustifolia (Vahl) Batka).

Nome farmacêutico: Folium Sennae.

Família: Fabaceae.

Partes usadas: folhas.

Sabor: amarga e quente.

Constituintes químicos: acetato, ácido crisofânico, ácido catártico, ácido catartogênico, açúcares redutores, aloe-emodina, antranol, antraquinona, cálcio, emodina, flavonóides como o campferol; glicosídeos naftalênicos; magnésio, mucilagens, oxalato de cálcio, pinitol; reina, reina-8-glicosídeos, reina diglicosídeo, reina antrona-8-glicosídeo; resina amarga, senosídeo A e B.

Propriedades medicinais: laxante; purgativa; catártica; carminativa; antiácido; depurativa; vermífuga.

Indicações (Uso interno): prisão de ventre; fissuras anais, em pós-cirúrgicos de ano-retal; hemorróidas; constipação crônica causada por opiáceos; herpes simples; fecalomas; infecções causadas por Escherichia coli e Candida albicans; alterativa; congestão encefálica; cólicas biliares; excessos de bolo fecal; febre; flatulência; elimina manchas brancas pelo corpo; inflamação e catarro intestinal;

Indicações (Uso externo): não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações pediátricas: só é indicada para crianças acima de 12 anos.

Utilizações na MTC: estagnação do Qi dos intestinos; estagnação do Qi do Útero; descendo o Qi túrbido; elimina calor; previne calor do verão.

Elemento predominante na MTC: Madeira e Fogo.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 8 – Ervas que lubrificam sintomas secos.

Atuação nos canais: I.D, I.G, B e E.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Pitta e Kapha e aumenta Vata.

Rasa: amargo.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: ACETONEMIA – tomar 10 gotas de Senna D3 antes das refeições.

Contra-indicações: em pessoas com obstrução intestinal; diarréia; dor abdominal de origem desconhecida; desequilíbrio hídrico ou eletrolítico; doenças inflamatórias intestinais agudas; doença de Crohn e síndrome do cólon irritável. Abuso da erva pode causar perda excessiva de potássio. Pode causar cólica e desconforto abdominal leve. Seu uso prolongado pode causar o desenvolvimento da “síndrome da dependência de laxante” caracterizada pela má mobilidade gástrica na ausência da dose do laxante. Evitar usar mais de 3 dias de uma só vez. A folha de sene quando é usado por um período prolongado aquece em demasia os intestinos, podendo criar inflamação intestinal. Uso prolongado pode ainda causar osteomalacia e artropatia. Sintomas de asma e alergia já foram relatados em casos de pessoas que manipulam a erva. Evitar uso em pessoas idosas ou debilitadas. Evitar na gestação, na lactação e durante menstruação. Evitar uso com pacientes com problemas renais.

Interações medicamentosas: a erva faz interação medicamentosa com antiarrítmicos. Antiinflamatórios não-esteróides diminuem o efeito da erva. O Sene diminui a absorção dos medicamentos orais, pois diminui o tempo de trânsito no organismo. Evitar uso com Algodoeiro, Cavalinha e Alcaçuz. Interage com medicamentos com glicosídeos cardíacos, incluindo digoxina. Diminui o nível de estrogênio. Evitar uso concomitante.

Uso Veterinário: em cães – colocar 10g de folhas de sene em ½ litro de água fervente e adicionar após 4g de ipecacuanha. Deixar amornar e administrá-lo 2X/dia com intervalo de 5 horas.

Doses: de 2 a 6g de folhas secas em decocção leve ou maceradas em água fria por uma noite.

Formulações: CALOR DO VERÃO – de 1 a 2g em decocção leve.

Formulações populares: ver acima.

Planeta regente: Regente – Saturno (Practical Handbook of Alchemy Plants). Outra fonte (A astrologia da Mãe-Terra) dá como regente Plutão e associa a planta ao signo de escorpião.

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat: originária do norte da África, hoje é encontrada na Núbia e no alto Egito, de onde é levada para o mercado europeu. No Brasil, desenvolve-se bem na região dos planaltos de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: planta arbustiva, perene, com 1,2 a 1,5m de altura, ereta e glabra.  Folhas pinadas, compostas de dois pares de folíolos ovado-oblíquos, obtuso-acuminados, coriáceos, com cerca de 6 a 8 cm de comprimento, glabros e vernicosos na face superior e amarelado pubescente na inferior, com uma glândula pequena entre cada par de folíolos.  Flores amarelo-claro, em racimos curtos, dispostas em panículas terminais. Fruto tipo folículo, elípticos, reniformes, contendo 7 a 9 sementes.

Toxicidade: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Observações: a fim de prevenir espasmos, é bom combinar o sene com um carminativo, como a erva-doce, o anis, o coentro ou o gengibre.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • Practical Handbook of Plant Alchemy – Manfred M. Junius • A astrologia da Mãe-Terra – Márcia Starck – Pensamento • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 – Anônimo • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Plantas Medicinais – François Balmé – Ed. Hemus • Enciclopédia de Medicina Natural – Marcílio Franco da Costa Pereira – Madras •