Cidrão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O Cidrão, também conhecido por vários nomes como Erva Cidreira Falsa e Limonete, é uma planta medicinal, frequentemente confundida com a Melissa (considerada por muitos como a “Erva-Cidreira verdadeira”). No entanto, o Cidrão é um arbusto, enquanto a Melissa é uma erva de pequeno porte. Planta excelente para tomar com chimarrão.

Cidrão Planta Medicinal

Nome científico

Lippia citriodora (Lam.) Kunth

Nome conhecido

Limonete, Cedrina, Cidrilha, Cidrilho, Cidró, Erva-Luísa, Falsa-Erva-Cidreira, Lúcia-Lima, Salva-Limão, Bela Luiza, Belle Louise, Capim Cidró, Cidrilha, Cidró Pesseguiero, Cidrozinho, Doce Lima (Português), Lemon Verbena, Herb Louisa, Lemongrass Verbena, Lemon-Scented Verbena, Lemon  Verbena, Real Vervain, Sweet-Scented Verbena, Verbena, Vervain (Inglês), Hierba Luisa, Cedrón, Cedrón de Paraguay, Cedrón en Rama, Cedrón Hembra,  Cidrinha, Cidron, Demon Verbena, Herba Cidreira, Herba Luisa, Hierba de la Princesa, Hierba Luisa, Maria Luisa, Té Maria Luisa, Verbena Aromatica, Verbena de las Indias, Verbena de Olor, Yerba Luisa  (Espanhol), Verveine Citronnelle, Lippie, Verveine, Verveine Citronelle, Verveine Odorante (Francês), Vervena, Erba Cedrina, Cedrina, Cetrina, Erba Luigia  (Italiano), Aloysie, Citronenkraut, Echtes Verbenenkrau, Echte Verbene, Verbenekraut, Zitronenstrauch, Zitronenverbena (Alemão), Echt Verbenkruid (Holandês), Lipia (Turco), Lwiza (Árabe).

Nomes botânicos

Aloysia citriodora Ortega ex Pers., Aloysia sleumeri Moldenke, Aloysia triphylla (L’Hér.) Britton, Lippia citriodora (Lam.) Kunth, Lippia triphylla (L’Hér.) Kuntze, Verbena citriodora Cav., Verbena triphylla L’Hér., Zapania citriodora Lam.

Nomes farmacêuticos

Aloysiae folium.

Família

Verbenaceae.

Partes usadas

Partes aéreas (folhas e flores) e óleo essencial.

Sabor

Ácido, picante e adstringente.

Composição química

Borneol, cariofileno, l-carvona, p-cimol, cineol, citral, d-citronelol, etil-eugenol, felandreno, flavonóides, geraniol, glicosídeos iridóides, isosafrol, d-limoneno, l-limoneno, linalol, meheptenona, metilheptona, mucilagem, a-pineno, b-pineno, taninos, terpenol, verbenona.

Propriedades medicinais gerais

Antibacteriano, anticatártico, antiemético, antiespasmódico, antimalárico, anti-histérico, aromático, carminativo, cardíaco, depressor do sistema nervoso central, descongestionante, digestivo, emenagogo, estimulante, estomáquico, excitante, febrífugo, prolongador do sono, sedativo, tônico, acaricida, analgésico, anticolinérgico, antídoto, antigenotóxico, antimutagênico, antioxidante, antiradicular, antisséptico, antiulcerativo, ansiolítico, cardiotônico, diurético, expectorante, fungicida, nervino, peitoral, purgativo, sedativo, estimulante, estomáquico, sudorífico e tranquilizante.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Folhas – bactericida (extrato alcoólico).

Óleo essencial – antiespasmódico, antipirético, afrodisíaco, antidepressivo, tônico, regenerador, digestivo, lactagogo.

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: diarreia, digestão, dor de estômago, flatulência, infecção intestinal, náusea, vômito, cólicas, constipação, dispepsia, hemorroidas, gases, dores intestinais, espasmos, dor de estômago, úlceras, digestão lenta, meteorismo e arrotos.

Sistema Urinário e Genital: amenorreia, dores ovarianas, cólicas menstruais e outras irregularidades menstruais.

Sistema Hepático: dor no fígado, malária e icterícia.

Sistema Respiratório: asma, bronquite, congestão nasal, gripe, asma, dispneia e tuberculose.

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: afecções do coração, taquicardia, cardiopatias, varizes, má circulação sanguínea.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: doenças nervosas, dor de cabeça, melancolia, nevralgia, vertigem, insônia, agitação, ansiedade, resfriado, histeria, nervosismo, neurotonia e fadiga.

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: espasmos.

Outros distúrbios: enxaqueca, febre, hipocondria, inchaço e inflamação dos olhos, zumbido no ouvido, calafrios, infecção por Escherichia coli, Salmonela, Micrococus, Helycobacter e Estafilococus, contaminação com Mico bactérias, dor de garganta e dores de cabeça.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Folhas – dores e inflamações dos olhos (compressas), dores de fígado, estômago, intestino e ovários (compressas).

Óleo essencial – move a estagnação do fígado, normaliza a pressão, regenera tecidos, alivia tontura e dor de cabeça e estimula a lactação.

Indicações para uso externo

Pele e unhas: picadas, dermatite, micose e fungos.

Cabeça e face: cáries.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Folhas – dores e inflamações dos olhos (compressas), dores de fígado, estômago, intestino e ovários (compressas).

Óleo essencial – move a estagnação do fígado, normaliza a pressão, regenera tecidos, alivia tontura e dor de cabeça e estimula a lactação.

Para crianças

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

É uma planta medicinal fotossensibilizante. Evite a exposição ao sol após utilizar compressas. Não ultrapassar a dosagem indicada, pois é uma erva depressora do Sistema Nervoso Central. Seu uso prolongado pode irritar o aparelho digestivo. Tem propriedade de aumentar o sono. Seus óleos voláteis, rico em terpenos, são geralmente considerados irritantes e podem causar irritação nos rins durante a excreção, portanto, pacientes com problemas renais devem evitar seu uso. O óleo e a infusão podem causar manchas de pele se houver exposição ao sol.

Interações medicamentosas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade

Não são conhecidos riscos para a saúde ou efeitos colaterais em conjunto com o administração adequada de dosagens terapêuticas designadas.

Uso culinário e nutritivo

Seu óleo essencial é utilizado para flavorizar licores. Planta medicinal utilizada como aromatizante culinário para peixes, aves, saldas, refogados e bebidas.

Aromaterapia

Seu óleo essencial é acaricida e bactericida. É utilizado em perfumaria, em especial, na produção de colônias. Tem fragrância cítrica que lembra o limão. Tem cor amarelo claro e é obtido a partir das inflorescências superiores. Tem funções como antiespasmódico, antipirético, afrodisíaco, antidepressivo, tônico, regenerador, digestivo e move a estagnação do fígado, normaliza a pressão, regenera tecidos, alivia tontura e dor de cabeça e estimula a lactação.

Sistemas Florais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Medicina Chinesa (MTC)

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 1 – Ervas para induzir a transpiração • Categoria 2 – Ervas para calor excessivo dentro do corpo • Categoria 5 – ervas para reduzir a umidade do corpo • Categoria 9 – ervas para promover a digestão • Categoria 10 – ervas para suprimir a tosse e reduzir catarro • Categoria 14 – ervas para reduzir a ansiedade • Categoria 15 – ervas para cessar movimentos involuntários •

Ayurveda

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso homeopático

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Informações em outros sistemas de saúde

Povo argentino toma o chá como antídoto para picadas de animais e também como digestivo, além de usar as folhas em tintura para combater febres e malária. Bolivianos tomam o chá para picadas, opressão cardíaca, histeria, nervosismo e problemas causados por sustos. Brasileiros tomam o chá para resfriados, diarreia, náusea e dor de estômago. Dominicanos utilizam o chá desta planta medicinal para resfriados, asma, cólicas, diarreia e dor de estômago. Povos da América Central utilizam o chá das folhas como antiasmático, antiespasmódico, carminativo, peitoral, sedativo e sudorífico. Latino Americanos tomam o chá para asma, resfriados, cólicas, diarreia, dispepsia e febre. Norte africanos tomam o chá para resfriado, febre e espasmos. Paraguaios usam o chá como cardiotônico e estimulante. Yemenitas usam compressas da erva com lavanda para dispneia.

O que diz a ciência

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia

Seu planeta regente é o Sol.

Indicações energéticas ou mágicas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat

Nativa da América do Sul, este arbusto é cultivado na Europa Meridional desde os fins do século XVIII.

Descrição da planta

É um arbusto de folhas perenes, com até 3 m de altura, muitos ramos e tortuosos. Folhas simples, com 8 a 12 cm de comprimento, alongadas e estreitas com margens levemente serrilhadas. As flores são pequenas, de coloração predominantemente branca, com sombra lilás, reunidas em panículas na porção terminal dos ramos.

Vamos plantar?

Esta planta cresce bem em potes. Seu cultivo deve ser realizado em condição de sol pleno, em solo fértil, profundo e bem drenado. As regas devem ser frequentes, pois, a planta é bastante sensível à falta de água. A espécie prefere climas temperados e a alta luminosidade é condição importante para o acúmulo de óleo essencial nas folhas (acúmulo de aroma). A propagação é feita por estaquia de ramos, uma vez que nas condições climáticas do Brasil a produção de sementes viáveis é baixa. A estaquia deve ser feita entre a primavera e o verão, depois disso a planta entra em dormência.

Artigos relacionados

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.br/http://www.aplantadavez.com.br/2015/01/cidreiras.html • Dukes Handbook of Medicinal Plants of Latin America – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Andrea R. Ottesen – CRC Press • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hachette • Segredos e virtudes  das plantas medicinais – Seleções do Readers Digest • Herbal Remedies – Andrew Chevalier – DK • Plantas que curam – Enio Emmanuel Sanguinetti – Editora Rigel •
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email