Artemísia

A Artemísia floresce no verão espontaneamente nas sebes e ribanceiras.
Pode-se aplicar cataplasmas e compressas da infusão de Artemísia para aliviar dores reumáticas e artralgias. Pode-se adicionar pequenas doses ao chimarrão. Atentar sempre, as contraindicações. Bastões de Artemísia seca compõe a Moxa, que é utilizada em um tradicional tratamento de fumigação sobre pontos de acupuntura, na Medicina Tradicional Chinesa.

 

Nome Científico:

Artemisia vulgaris L.

Nomes botânicos:

Artemisia verlotorum Lamotte.

Nomes Farmacêuticos:

Folium Artemisiae argyi

Partes usadas:

Rizoma e partes aéreas desidratadas.

Composição Química:

Ácido antêmico, ácido fórmico, ácido isobutírico, ácido isovalérico, ácido málico, ácido succínico, ácido tânico, adenina, aldeído cumínico, aromadendrino, artemisina, artemose, borneol, cadineno, canfeno, cânfora, cimeno, cineol, colina, cumarina, estigmosterol, estragole, fechona, felandreno, fenol, fernerol, inositol, lamirina, limoneno, linalol, pineno, princípios amargos, quebrachitol, rutina, sabineno, sacarídeos, santonina, saponinas, sitosterol, taninos, tauremisina, terpineno, terpinoleno, terpineol, tujonabutiraldeído, tuiona.

Indicações para uso interno:

Sistema Gastrointestinal: tônico estomacal, diarreia, inflamações intestinais, verminoses, lombrigas e oxiúros, flatulência, gastrite, cólicas abdominais, estimulante digestivo, úlcera, enterite.

Sistema Urinário e Genital: reguladora das funções menstruais, fertilizante, cólicas menstruais, nos sangramentos uterinos, aquece o útero e pára sangramentos, pacifica o feto, vaginites, estimulante da musculatura lisa uterina, transtornos menstruais causados por sustos, queimação e ardor ao urinar.

Sistema Hepático: icterícia.

Sistema Respiratório: tem ação broncodilatadora na asma, tosse, tosse convulsiva.

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: tônica das funções circulatórias, anemia

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: epilepsia, nervosismo, insônia, coreia, nevralgia, tônico do sistema nervoso, astenia.

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: dores reumáticas.

Sistema Renal: enfermidades renais, cólica renal, areia nos rins.

Outros distúrbios: malária, hidropsia.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta::

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso externo:

Pele e unhas: escaras.

Cabeça e face: em parasitas do couro cabeludo, fortificante capilar.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia:

Seu óleo essencial de viscosidade média. Considerada uma nota baixa (de saída) com intensidade aromática média. Suas aplicações são como antiespasmódico, analgésico, colagogo, aperitivo, tônico, emenagogo, regulador do ciclo menstrual e de problemas menstruais em geral, convulsões, epilepsia, vômitos nervosos, distúrbios hepatobiliares, ascaríase e oxiurose. Tem atuação sobre as emoções, sobre a mente e sonhos.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais:

Categoria 3 – Ervas para agir contra o reumatismo ● Categoria 4 – ervas para reduzir sensações de frio dentro do corpo • Categoria 10 – ervas para suprimir a tosse e reduzir catarro • Categoria 11 – ervas para regular a energia vital (qi) • Categoria 12 – Ervas que regulam o sangue • Categoria 18 – ervas para expelir ou destruir parasitas •

Uso homeopático:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais:

É uma planta tóxica para o gado.

Informações em outros sistemas de saúde:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas:

Os antigos diziam que esta planta tem o poder de proteger contra o mal e, se for carregada junto à pessoa, é uma salvaguarda contra diversas forças negativas. Recomenda-se beber o chá de Artemísia antes de começar a realizar divinações ou perseguir sonhos proféticos. Talvez seu melhor dom seja a ajuda que dá para realizar projeções astrais. Para tanto, se sugere que se tome uma xícara de chá próximo a hora de dormir e colocar um pouco da erva debaixo do travesseiro e ainda, esfregar uma folha próximo a região do nariz. É tida como uma planta incomum que abre os portões para outros mundos.

Nome Conhecido:

Absinto, Artemísia-comum, Artemísia-verdadeira, Artemija, Artemige, Artemígio, Erva-de-São-João, Flor-de-são-joão, Isopo-santo, Losna, Losna-brava, Artemije, Artemijem, Artemísia-do-campo, Artemísia-selvagem, Aurora-dos-campos, Cibalena (Português) Gewöhnlicher Beifuss (Alemão), Hierba de San Juan (Espanhol), Armoise (Francês), Mugwort (Inglês), Assenzio selvatico (Italiano), Ai Ye (Chinês).

Família:

Asteraceae (Compositae).

Sabor:

Amargo, picante, amornante.

Propriedades medicinais gerais:

Fertilizante, hemostático, digestivo, aperiente, antiviral, antianêmico, analgésico, antidiarreico, antiepilético, antiespasmódico, anti-hidrópico, anti-inflamatório, antimalárico, antimicrobiano, antinevrálgico, antirreumático, antisséptico, calmante, carminativo, cicatrizante, depurativo, digestivo, emenagogo, estimulante, estomáquico, eupeptico, febrífugo, hepático, inseticida, repelente, sedativo, tônico, vermífugo, abortivo, aromático, emoliente, broncodilatador.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Para crianças:

Erva não recomendada.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações:

Deve ser evitada quando há calor no sangue, na deficiência do Yin (erva amornante). Também deve ser evitada na gestação, na lactação e durante a menstruação.
É uma planta tóxica para o gado.
Não devem nunca ser utilizadas as folhas frescas.
Pode provocar dermatite de contato em pessoas sensíveis, ainda que a incidência seja rara.
Evitar uso infantil e em pessoas com epilepsia.

Interações medicamentosas:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade:

É planta tóxica para o gado. Em seres humanos é considerada abortiva e suprime a lactação em gestantes.

Uso culinário e nutritivo:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais:

Sistema Florais de Minas – para aquelas personalidades que necessitam emergencialmente de uma limpeza profunda em seus corpos mais densos; para a purificação do corpo e da mente em situações traumáticas, quando há necessidade de eliminação rápida de toxinas psíquicas e físicas, principalmente em situações anormais em que há grandes exigências sobre a pessoa; para os estados fortemente obsessivos, para os parasitismos, as debilidades no sistema imunológico de defesa do organismo. Esse remédio constitui uma espécie de antibiótico floral de largo espectro, podendo se especular bastante sobre as inúmeras situações em que poderá ser de grande valor. Faz parte da fórmula emergencial Buquê de 9 Flores e é energeticamente próximo ao Malus, porém atinge com maior rapidez os corpos mais densos de manifestação. Sistema Florais das Gerais – pessoas que precisam se libertar de estados obsessivos, purificando a mente e o corpo e também em casos de infecções bacterianas.

Medicina Chinesa (MTC):

A erva dispersa o frio e alivia dores. Elimina fleuma-frio, tonifica o Qi do BP, na ameaça de abortamento por frio, na obstrução do Jiao inferior por frio e na infertilidade sem causa aparente, devido síndrome do útero frio. Dispersa fleuma-frio no Pulmão, estimula o Yang, aquece os órgãos internos e os meridianos.
Utilizada em casos onde a língua está frequentemente azulada e com saburra branca, indicando excesso de frio interno.
Aquece o Qi e o Xue no Jiao inferior, de forma mais gentil do que a planta de uso similar (Cinnamomum zeylanicum – Canela).
Na comparação com Zingiber officinalis (Gengibre), ambas as ervas aquecem o Xue e o Qi e param sangramentos, mas a Artemísia penetra também nos meridianos do Fígado e do Rim e é utilizada em casos de sangramento durante a gravidez.
Apesar de que, em comparação com Foeniculum vulgare (Funcho), perde em penetração no canal do Fígado (Gan). Seu nome chinês (pinyin) é Ai Ye. Atua nos canais do fígado, baço/pâncreas, Rins e Pulmão. Seu elemento predominante é a madeira.

Ayurveda:

A erva reduz Vata e Kapha e aumenta Pitta. Sua rasa é picante e amarga. Sua virya é quente a vipaka é picante.

O que diz a ciência:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia:

Seu planeta regente é Vênus.

Habitat:

Europa, Norte da África e Ásia Central. Na Amazônia ocorre me terrenos argilosos e várzeas.

Descrição da planta:

É uma planta cuja altura varia entre 60 e 120 cm, de folhas verde-claras, penadas e de flores amarelados que brotam do caule, de cor avermelhada.
Herbácea pubescente, anual, de até 1,20 m de altura. Folhas alternas, de cor verde na parte de cima e prateada em baixo, profundamente divididas. Flores em capítulos pequenos amarelados, todas tubulosas e glanulosas.

Vamos plantar?:

O plantio deve ser feito no verão, no início do período chuvoso até o outono.
Não é muito exigente quanto ao solo, mas desenvolve-se melhor em terrenos adubados, arejados e com irrigação farta.
As folhas devem ser colhidas no período da floração e as raízes o ano todo.

Fontes de pesquisa utilizadas:

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.astral.oxigenio.com/jardim_aromatico/jardim_artemisia.htm • http://www.magnifica.com.br/florais/artemisia.asp • http://www.plantasquecuram.com.br/ervas/artemisia.html • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hachette • Chinese Herbal Medicine – Comparisons and characteristics – Yifan Yang – Churchil Livingstone • Vademecum de Fitoterapia – Pedro Del Rio Pérez – Quintanda de Rueda (Léon – España) Diciembre 2005 • Herbal Magick – a witch guide to herbal enchantments, folklore and divinations – Gerina Dunwich – New Page Books • Practical Handbook of Plant Alchemy – Manfred M. Junius • Aromacologia – uma ciência de muitos cheiros – Sonia Corazza – Editora SENAC • Florais das Gerais – Catálogo • Fitoterapia Amazônica- Fernando Castro da Cruz – Ed. Palpite •