Anis Estrelado

O nome de Illicium vem do radical latino illicere, que quer dizer “atrair e seduzir”, daí vem o termo em português aliciar. Este nome lhe foi dado devido ao seu aroma forte e agradável que seduz as pessoas. A árvore do anis-estrelado faz lembrar o loureiro, por conta de seu porte, e a magnólia, por suas flores decorativas. Toda a planta exala um agradável aroma semelhante ao anis-verde, ainda que mais intenso. A planta foi introduzida na Europa no final do século XVII, quando o uso das especiarias orientais se achava em seu auge. Suas sementes devem ser guardadas em lugar fresco e seco, dentro de um frasco escuro para melhor conservação.

 

Nome Científico:

Illicium verum Hook. f.

Nomes botânicos:

Illicium san-ki Perr.

Nomes Farmacêuticos:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Partes usadas:

Frutos e sementes.

Composição Química:

Óleo essencial: anetol, trans-anetol, monoterpenos (felandreno, limoneno, alfa-piuneno e linalol), aldeídos e cetonas anísicas, cineol, estragol e safrol, mucilagens, saponinas, açúcares, ácido orgânico siquímico e ácido orgânico protocatéquico.

Indicações para uso interno:

Sistema Gastrointestinal: favorece a digestão, elimina gases, náuseas, eructações, dores abdominais, diarreias com dor abdominal espástica, fermentação intestinal, cólica estomacal e intestinal, desconforto pós-prandial (após as refeições), azia, halitose, dispepsia, flatulência, congestão, prisão de ventre, disenteria, enterite, aflição estomacal,
Sistema Urinário e Genital: em doenças da bexiga, cólica uterina, regula a menstruação, retenção de líquidos,
Sistema Hepático: náusea, cólica biliar,
Sistema Respiratório: bronquite, tosse, resfriado, gripe, rico em anetol que combate H1N1, dores de garganta.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: estimulante circulatório, mãos frias, anemia,
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: insônia, anorexia, paralisia,
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: hérnia, lumbago, reumatismo, dores nas costas, artrose,
Sistema Renal: retenção de líquidos,
Outros distúrbios: cansaço, inflamação, previne desmaios, frigidez, enjoo matinal, dores,

Indicações para uso interno de partes específicas da planta::

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso externo:

Pele e unhas: abscessos, micoses, escabiose.
Cabeça e face: pediculose (piolhos).
Cavidade bucal: dor de dente,
Outros distúrbios: dores de garganta.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia:

É comum haver falsificação do óleo essencial que é substituído por de outras espécies que carregam alcaloides tóxicos e drogas cardiotóxicas.
É extraído por destilação a vapor das sementes e o óleo tem coloração clara, levemente amarelada e viscosidade fina.
É considerado uma nota olfativa baixa e um aroma de intensidade média que tem odor característico de alcaçuz, rico e doce. Sua aplicação como óleo é como antisséptico, anti-inflamatório, aromático, calmante, digestivo, diurético e estimulante.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais:

Categoria 4 – ervas para reduzir sensação de frio de dentro do corpo • Categoria 9 – ervas para promover a digestão • Categoria 10 – ervas para suprimir a tosse e reduzir catarro.

Uso homeopático:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Informações em outros sistemas de saúde:

Os japoneses queimavam anis estrelado para aromatizar os ambientes como incenso.

Indicações energéticas ou mágicas:

A erva deve ser utilizada em situações onde há necessidade de aprender a demonstrar o afeto. Esta condição também está associada a artralgias migratórias, edema do joelho e artrose dos joelhos.
É uma planta de aura azul-clara e rosa que ajuda na entrega dos sentimentos e no desprendimento das emoções.
Estimula a clarividência e a mente.
Usada em banho harmonizador juntamente com louro, erva-doce, cravo, canela e lavanda. Este banho deve ser tomado no dia seguinte a um banho de sal.

Nome Conhecido:

Anis-verdadeiro, Anis-da-sibéria, Badiana, Badiana-de-cheiro, Funcho-da-china, badiana-da-china (português), Anise star, Star anise (inglês), Badiane-anis, Étoilé (francês), Anís estrellado (espanhol), Ba jiao hui xiang (chinês).

Família:

Magnoliacea.

Sabor:

Quente e picante.

Propriedades medicinais gerais:

Carminativo, estomáquico, expectorante, antiespasmódico, calmante, vaso dilatador, antidiarreico, alergênico, analgésico, antibacterial, eupeptico, broncosecretolítico, estrogênico, fungicida, inseticida, pediculicida, mutagênico, galactagogo, aperiente.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta:

Óleo essencial: antisséptico, anti-inflamatório, aromático, calmante, digestivo, diurético e estimulante.

Para crianças:

A erva pode ser utilizada em quase todas as indicações para adultos. Esta erva deve ser usada com muito cuidado em crianças pequenas, sempre em baixas dosagens e por muito pouco tempo.
Não existem evidências científicas de efeitos adversos em crianças, porém foram observados casos que o uso da erva apresentou efeitos adversos no uso infantil

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações:

Em doses elevadas ou no uso prolongado, a erva pode ser tóxica.
Os óleos essenciais, em dose elevada, podem ser tóxicos, narcóticos, levar ao delírio, convulsão e ter efeito anestésico.
Evitar uso na gravidez, na lactação e no hiperestrogenismo.
Pode causar náuseas, vômitos, convulsões, dermatites de contato, delírio e anestesia. Desaconselhado o uso infantil que pode causar (se consumido em excesso) choro contínuo, irritabilidade, hipertonia, movimentos oculares atípicos, cianose, agitação e, em alguns casos, vômitos e recusa em se alimentar. Evitar o uso em casos de azia.

Interações medicamentosas:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade:

Seu uso é considerado seguro nas doses recomendadas, porém em doses elevadas, pode ter efeito tóxico.

Uso culinário e nutritivo:

O Anis Estrelado é famoso na composição de licores, porém bebidas alcoólicas preparadas com essência de Anis Estrelado podem provocar envenenamento. Seu uso é comum para condimentar pratos à base de carnes.

Sistemas Florais:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Medicina Chinesa (MTC):

A erva tem predominância do elemento terra. É utilizado para tratar frio no estômago, deficiência do Yang do Rim e estagnação do Qi do Fígado. É uma erva que aquece interiormente e elimina o frio. Deve ser evitada em tratamento de deficiência do yin ou calor no estômago. Seu uso prolongado provoca deficiência do yin. Atua nos canais do Baço/Pâncreas, Estomago e Rins.

Ayurveda:

O Anis Estrelado reduz kapha e vata e agrava pitta. Sua rasa é picante e sua virya é quente. A vipaka é picante.

O que diz a ciência:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia:

Erva utilizada em tratamentos para distúrbios provocados pelo trânsito de Vênus em Capricórnio.

Habitat:

Natural do sul da China, Coréia, Japão e norte do Vietnã. Cultiva-se também no sudeste dos Estados Unidos e em outras zonas quentes e úmidas do continente americano.

Descrição da planta:

O Anis Estrelado é um arbusto de 4 a 5 metros de altura com casca branca, folhas resistentes, alongadas, inteiras, lisas e brilhantes. Foi introduzido na Europa em cerca de 1694. Seu porte lembra o da magnólia, e as suas flores, grandes e solitárias, são muito decorativas. Os oito carpelos de cada ovário formam em conjunto um fruto, uma estrela cujas oito pontas se abrem para libertar cada uma a sua semente. Os frutos colhidos verdes, são secos ao sol, onde adquirem cor castanho-avermelhada. O invólucro contém uma essência rica em anetol que lhes confere um forte aroma de anis.

Vamos plantar?:

A planta gosta de exposição solar máxima e tem preferência por solos leves, com boa drenagem e de textura areno-argilosa. As suas necessidades de água são medianas. A propagação se faz por sementes e o espaçamento entre plantas dever ser de três a quatro metros com cerca de cinco metros entre as linhas.

Fontes de pesquisa utilizadas:

http://www.plantamed.com.br/ • http://ervaseinsumos.blogspot.com/2009/03/anis-estrelado.html • http://www.kampodeervas.com.br/detalhes-1064-anis-estrelado-30g • http://www.soniaparucker.com.br/content/tips_banhos • https://nplantas.com/anis-estrelado-como-plantar/ • Os planetas e as plantas – A utilização das plantas medicinais na astrologia médica – Ana Bandeira de Carvalho – Ed. Nova Era • Del Rio Pedro – Vademecum de Fitoterapia • Enciclopedia de Plantas Medicinales • Ervas do Sítio – Rosy L. Bornhausen – Bei Comunicação • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz and Judy duCellier and Peggy Ann K. Duke – CRC Press • Segredos e virtudes das plantas medicinais – Seleções Readers Digest • O Livro Completo das Ervas – Seleções Readers Digest • Indian Medicinal Plants – C. P. Khare – Springer • Aromacologia – uma ciência de muitos cheiros – Sonia Corazza – SENAC Editora • Plantas que curam – Enio Emmanuel Sanguinetti – Editora Rigel • Fórmulas Mágicas – Dr. Alex Botsaris – Ed. Nova Era • Anastácia Bem-Vinda – Plantas Medicinais • Apostila Fito Chinesa II – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • Chinese and related North American Herbs – phytopharmacology and therapeutics values – Thomas S. C. Li – CRC Press • Plantas que curam – Enciclopédia das Plantas Medicinais – Volume 1 – Dr. Jorge D. Pamplona Roger •