Fedegoso

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O fedegoso é uma das plantas medicinais mais comuns para constipação e de fácil aquisição no Brasil e na Índia. Também é muito apreciada pelos japoneses. Suas sementes, depois de tostadas são utilizadas como sucedâneas do quinino, tendo ação contra a malária. A planta também é ictiocida (elimina peixes), porém sem tornar o peixe tóxico. As suas folhas agem de forma semelhante a uma tintura de Iodo. Mais informações abaixo.

O fedegoso é uma das plantas medicinais ais indicadas para constipação.

Nome científico

Cassia occidentalis L.

Nome conhecido

Sena-do-campo, Sene-do-campo, Sena-do-mato, Folha-de-sene, Fedegoso-verdadeiro, Folha-de-pajé, Ibixuma, Lava-pratos, Maioba, Mangerioba, Manjerioba, Mamangá, Pajamarioba, Paramarioba, Tararucu, Bambáia, Balambala, Café-negro, Caieiriaba, Cajá-marioba, Crista-de-galo, Crista-de-galo-fedorenta, Crista-de-peru, Cássia-mansa, Cássia-menor, Cássia-miúda, Erva-fedorenta, Fedegoso-de-capoeira, Fedegoso-do-rio, Fedegoso-do-Pará, Fedegoso-legítimo, Feiticeira, Mata-pasto, Peterioba, Pau-mangerioba, Payerioba, Peieriaba, Sal-do-Brasil, Tarubu, Tarereque, Tarerique, Tareroque (português e línguas indígenas do Brasil), Sickle senna, Ringworm plant (inglês); Habu (japonês), Wang Jiang Nan e Jue Ming Zi (chinês), Chakramarda, Chakri, Prapunnaada, Dadrughna, Meshalochana, Padmaata, Edagaja (Índia).

Nomes botânicos

Cassia corymbosa Lam., Adipera corymbosa (Lam.) Britton & Rose, Cassia crassifolia Ortega, Cassia falcata Dum., Chamaefistula corymbosa (Lam.) G. Don., Cassia tora; Senna corymbosa (Lam.) H.S. Irwin & Barneby; Cassia torosa Lloydia.

Nomes farmacêuticos

Semen Cassiae Torae, Folium Cassiae Torae, Radix Cassia Torae, Flos Cassia Torae.

Família

Fabaceae e Caesalpinaceae.

Partes usadas

Raízes, flores, folhas e sementes (tóxicas).

Sabor

Amargo, doce, refrescante.

Composição química

Xantonas (Wader e Kudav), 1,8-di-hidroxi-antraqinona (Costa), ácidos cáprico, mirístico, palmítico, esteárico e oléico (Alencar ET al. apud 120), emodina, glicosídeos antraquinônicos, alcalóides e glicosídeos cianogênicos, rabarbarina, ácido crisofânico.

Propriedades medicinais gerais

Emoliente, laxante, antitérmico, hipotensor, anti-inflamatório, antiespasmódico, laxante, depurativo, anti-herpético, sudorífico, sarnicida, tônico, oftálmico, antiasmático, antirreumático, colagogo, ictiocida, abortivo, hipotensor, antioxidante, antimalárico, antibactericida, anti-herpético, catártico, estomáquico, anti-helmíntico, antifebril, sudorífico.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Raízes – diurético, febrífugo, vermicida, desobstruente, tônico.
Sementes – antianêmico, hepatoprotetor,
Folhas – emenagogo, purgativo, antifúngico (extrato das folhas).

Indicações para uso interno

Sistema Digestivo: gases, desinfecção do aparelho digestivo, controle da fermentação dos intestinos, prisão de ventre, aumenta o peristaltismo intestinal, dores gastrointestinais e também na dispepsia atônica.
Sistema Urinário e Genital: infecção urinária, inflamação uterina, doenças venéreas, doenças da bexiga, dismenorreia, herpes, biliose e na hematúria flatulenta.
Sistema Hepático: hepatite com icterícia, paludismo, icterícia, febre palustre, caquexia palustre, moléstias do fígado, opilação e ainda no amarelão.
Sistema Respiratório: resfriado, afecções da garganta e para asma nervosa.
Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: redutor do colesterol, purificação e desintoxicação do sangue e promove o controle da hipertensão arterial.
Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: resfriado, febre e na febre biliosa.
Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: na hidropisia.
Sistema Renal: controla hipertensão arterial e para doenças dos rins.
Outros distúrbios: melanoma, fraqueza, glaucoma, conjuntivite, antídoto de venenos, sarampo, olhos avermelhados e também nas febres intermitentes.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Raízes: convalescença,
Vagens: disenteria,
Sementes: desobstruente do fígado, anemia (sementes torradas), doenças hepáticas, paralisia, hemiplegia,
Folhas: tuberculose, inflamações dos olhos, reumatismo,

Indicações para uso externo

Pele e unhas: nas erupções cutâneas, queimaduras de qualquer grau, erisipela, coceiras, micoses, empingem e em outras doenças cutâneas.
Cabeça e face: para olhos avermelhados e nas inflamações nos olhos.
Cavidade bucal: para afecções da garganta.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Raízes: convalescença,
Vagens: disenteria,
Sementes: desobstruente do fígado, anemia (sementes torradas), doenças hepáticas, paralisia, hemiplegia,
Folhas: tuberculose, inflamações dos olhos, reumatismo,

Para crianças

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

O fedegoso é uma das plantas medicinais que devem ser evitadas durante a gravidez e em casos de diarreia.

Interações medicamentosas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade

Suas sementes apresentam toxicidade. Componentes tóxicos prováveis são N-metilmorfolina (alcaloide) e oximetilantraquinonas (albumina).

Uso culinário e nutritivo

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais

Sistema Florais das Gerais – Fedegoso – indicado para vergonha e autocondenação por atitudes públicas e sociais. Florais de MinasCassia – indicado para vergonha e autocondenação por atitudes públicas e sociais.

Medicina Chinesa (MTC)

O fedegoso é uma das plantas medicinais que movimentam o Qi do fígado, eliminam vento-calor e fogo do fígado. Tonifica o Yang dos rins e da bexiga e tonifica o sangue do fígado.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 8 – Ervas para induzir movimentos intestinais • Categoria 12 – Ervas que regulam o sangue.

Ayurveda

O fedegoso é uma das plantas medicinais que apresenta rasa amarga e doce, virya fria e beneficia os tipos constitucionais Pitta. Sua vipaka é doce. Atua no sistema circulatório e no tecido plasmático. As folhas e sementes são utilizadas para tratamento de doenças de pele. Misturadas ao suco de lima, aliviam coceiras e erupções cutâneas. A decocção das folhas é utilizada para alivio da febre causada pelo nascimento da dentição em crianças. Folhas fervidas com óleo de castor são aplicadas em úlceras e inflamações. As folhas, na forma de pó, são utilizadas em feridas supuradas. O cataplasma morno das folhas é utilizado para reduzir gota, dores ciáticas e dores nas juntas. As sementes são utilizadas para substituir o café e o chá preto, mas podem ser tóxicas.

Uso homeopático

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais

A planta é tóxica para o gado. Não é conhecida a quantidade de folhas que leva um bovino à morte, mas a intoxicação experimental pelas sementes está em torno de 10 g/kg de peso vivo.

Informações em outros sistemas de saúde

Os índios misquitos da Nicarágua usam a decocção da planta fresca para dores em geral, dores menstruais e uterinas, e para constipações em bebês (Gupta et al., 1979). A espécie C. oceidentalis tem uma longa história de uso pelos indígenas e indianas para febre, malária, problemas hepáticos, sarna e doenças de pele (Bardhan et al., 1985).

O que diz a ciência

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia

O fedegoso é uma das plantas medicinais utilizadas em distúrbios relacionados com o trânsito de Júpiter em Leão, Urano em Sagitário e Plutão em Leão.

Indicações energéticas ou mágicas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat

É uma planta de origem oriental, difundida no Brasil. Muito comum no Amazonas. Espécie autóctone que medra em pastagens; terrenos baldios; pomares e áreas rurais.

Descrição da planta

É um arbusto glabro de até 2m de altura, com caule lenhoso na base, ramos quase cilíndricos; folhas alternas, paripenadas com ráquis comprida, estipulada e com glândulas na base, composta de folíolos apicais (quatro a seis pares), curto-peciolados, verde-escuros em ambas as faces; flores grandes, amarelas, cor de lírio ou violeta dispostas; racemos axilares; androceu com seis estames e três estaminódios curtos; gineceu com ovário piloso; frutos do tipo vagem glabra, achatados; sementes cilíndricas achatadas. A espécie é anual e floresce na época de chuvas. No Brasil, é espontânea nas pastagens, beiras de estradas e próximo a culturas.

Vamos plantar?

A planta se dá por propagação natural, principalmente das sementes.

Artigos relacionados

Fontes de pesquisas utilizadas

www.plantamed.com.br • http://old.cnpgc.embrapa.br/publicacoes/livros/plantastoxicas/18fedegoso.html • As plantas e os planetas – Ana Bandeira de Carvalho – Ed. Nova Era • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 – Anônimo • Chinese and related North American Herbs – phytopharmacology and therapeutics values – Thomas S. C. Li – CRC Press • A cura pelos remédios caseiros – Guia de ervas e medicina natural – Raunei Iamoni – Ediouro • Florais das Gerais – Catálogo • Florais de Minas – Catálogo • Indian Medicinal Plants – C.P Khare – Springer • Medicinal Plants – utilisation and conservation – 2ª revised and enlarged edition – P. C Trivedi – Aavishkar Publishers, Distributors • Plantas medicinais na Amazônia e Mata Atlântica – Luiz Claudio Di Stasi e Clélia Akiko Hiruma-Lima – Editora Unesp • The Ayurveda Encyclopedia – Swami Sadashiva Tirtha • Taiwanese Native Medicinal Plants – Phytopharmacology and Therapeutics Values – Thomas S.C. Li, Ph.D. – CRC Press • The Divines Farmers Materia Medica – a translation of the Shen Nong Ben Cao Jing – Yang Shou-zhong – Blue Poppy Press, INC. • Traditional Medicinal Plants and Malaria – Edited by Merlin Willcox, Gerard Bodeker and Philippe Rasoanaivo – CRC Press • Veterinary Herbal Medicine – edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère – Mosby/Elsevier • Fitoterapia Amazônica- Fernando Castro da Cruz – Ed. Palpite •
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email