Manjericão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O manjericão é uma planta medicinal que tem a propriedade de purificar o ar, produzindo ozônio. O extrato da planta tem ação fungitóxica sobre alguns fungos fito patogênicos. É uma planta melífera, condimentar e insetífuga. Foi relatado que suas sementes controlam as larvas de Culex e Aedes aegypti. Conservação: A planta: deve ser guardada em local fresco e seco e dentro de um frasco escuro. Tinturas e óleos essenciais: dentro de um frasco escuro. Em grego, a erva é chamada de Basilicon, que significa unguento ou remédio da beleza. A variedade conhecida como alfavaca, não deve ser fervida. Plante uma grande quantidade de mudas nos cantos de sua residência para afastar cobras e mosquitos, inclusive o temido Aedes aegypti. Mais informações no texto abaixo.

O manjericão é uma planta medicinal e culinária.

Nome científico

Ocimum basilicum Linn.

Nome conhecido

Manjerico-de-folha-grande, Basílico, Alfádega, Alfavaca, Alfavaca-Cheirosa, Alfavaca-Doce, Manjericão-Branco, Manjericão-dos Cozinheiros (Português), Basil, Sweet Basil, Basil Herb, French basil (inglês), Basilicon (Grego), Tulsi (India), Faranjmishk e Raihan (unami), Tiruneetruppachhilai (Siddha/Tamil), Bana-Tulasi e Sabzaa (Maharashtra), Basilic (Francês), Albahaca (Espanhol), Basilico (Italiano).

Nomes botânicos

Ocimum basilicum var. anisatum L.; Ocimum basilicum L. var. latifolium; Sinonimia — O. basilicum var. glabratum Benth., Oncimum basilicum var. Majus Benth, O. caryophyllatumRoxb.; O. minimum Linn.; O. pilosumWilld., O. albumL., O. americanum L., O. berrelleri Roth., O. ciliatum Homem., O. citrodorum Blanco., O. cochleatum Desf., O. dentatum Moench., O. hispidum Lam., O. integrrrimum Wild., O. lanceolatum Schumach& Thonn., O. médium Mill., O, menthfolium Benth., O. minimum Molina., O. thyrsflorum L., Plectranthus barrelieri (Roth) Spreng.

Nomes farmacêuticos

Herba Ocimi.

Família

Labiatae, Lamiaceae.

Partes usadas

Toda planta (folhas, caule, inflorescência e raízes). Da variedade latifolium, utilizam-se as folhas e raízes. Na variedade americanum, utilizam-se as folhas e flores. Na variedade anisatum, utiliza-se o sumo ou xarope. Esta variedade não deve ser fervida

Sabor

Picante, doce, amargo e quente.

Composição química

Constituído de 1-8-cineole, linalol, β-cariofilen, metilchavicol, eugenol, metil-eugenol, canfeno, mirceno, alfa e gama-terpineno, cimeno, fenchona, cânfora, alfa-terpineol, borneol, citral, citronelol, geraniol, metil-cinamato, taninos, estragol, saponina, timol, limoneno, cineol, cinamato de metila, alfa e beta-pineno, ácido cafeico e derivados, flavonoides, metil-chavicol, taninos, pineno, ácido linoleico, cimoleno, xantomicrol, aesculetin, p-coumaric, eriodictiol, 7-glucoside, vicenin-2, estragole, monoterpenos. Constituintes encontrados nas raízes: encontrados na raiz: Ocimene, α-pinene, 1,8-cineole, eucalyptole, linalool, geraniol, limonene, ∆3, -carene, methyl chavicol, eugenole, eugenol methyl ether, anethole, methyl cinnamate, 3-hexen-l-ol, 3-octanone, furfural, planteose, methyl eugenol. As folhas são ricas em vitamina A e C, além de conterem vitamina B, são também uma fonte de cálcio, fósforo e ferro, betacaroteno.

Propriedades medicinais gerais

Antibacteriano, antisséptico (uso tópico), antiespasmódico, diaforético, nervino, alterativo, antipirético, carminativo, galactagogo, relaxante muscular, antimicótico, tonificante, emenagogo, contra indigestão, antiemético, tônico, béquico, estomáquica, estomática, excitante, cicatrizante, analgésica, antidisentérico, diaforético, lactógeno, antirreumático, antiplaca, repelente, antimicrobiano, antioxidante, estimulante, cefálico, estupefaciente (em doses elevadas).

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Sementes – antiblenorrágico, antidiarreico.

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: para espasmos estomacais, para eliminar gases digestivos, em cólicas intestinais, estomatites, infecção intestinal, problemas digestivos (inclusive de origem nervosa), afecções digestivas e gastrointestinais, estomatite, gengivite, afta, cólica abdominal, catarro Intestinal, dispepsia nervosa, halitose, parasitoses intestinais, meteorismo, dispepsias hipo e hipersecretatoras,

Sistema Urinário e Genital: oliguria, disúria, alivia sintomas de tensão pré-menstrual, utilizado no tratamento de hematúria,

Sistema Hepático: por ser rico em cobre tem ação que beneficia o fígado,

Sistema Respiratório: afecções respiratórias, bronquites, asma, congestão nasal, infecções peitorais, sinusite, tosses, faringite, dispneia, tosse irritativa,

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: por ser rico em ferro tem ação que beneficia o sangue, melhora o colesterol e previne doenças cardiovasculares, melhora a formação da hemoglobina, hipotensão arterial, para plenitude pós-prandial,

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: dispepsias nervosas, estafa mental, intelectual ou nervosa, tonifica o sistema nervoso central e o córtex da suprarrenal (cortisol), para agitação, em gripes, vertigens, desmaios, debilidade nervosa, aumenta a disposição física e estimula o sistema imunológico, por ser rico em vitamina B6 melhora o funcionamento do sistema nervoso, combate a depressão nervosa, previne o Mal de Alzheimer, esgotamento nervoso, histeria, epilepsia e paralisia,

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para induzir ao sono dificultado por tensão muscular, para tratar dores reumáticas, por ser rico em cálcio fortalece os ossos, previne osteoporose, melhora quadros de artrite, dores musculares, inflamações osteoarticulares,

Sistema Renal: afecções renais, inflamação e congestão renal,

Outros distúrbios: enxaquecas, clareia a mente, alivia dores de cabeça (cefaleias), para fortalecer a concentração, confere força e clareza a mente, como repelente para insetos, age como rejuvenescedor e promove brilho da epiderme, amigdalite, câncer de cólon, por ser rico em zinco equilibra os oligoelementos do corpo, melhora o paladar, a visão e o olfato, por ser rico em vitamina A melhora a visão diurna e noturna, previne doenças de pele e envelhecimento precoce, por ser rico em vitamina B3 melhora a absorção dos nutrientes, protege o corpo contra radicais livres, por ser rico em vitamina E  tem ação antioxidante e cicatrizante, reduz infecções, é um antídoto para mordeduras de animais e é repelente de insetos, indicada em tratamentos de alcoolismo, câncer de fígado, câncer de baço, protege membranas mucosas, excelente no tratamento a coqueluche, fadiga, insônia,

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Folhas – afecções de garganta (mascar as folhas).

Indicações para uso externo

Pele e unhas: feridas purulentas, combate micoses por Aspergilus e Tricodermus, combate a bactéria Staphilococcus, em compressa é utilizado para acalmar os bicos dos seios das lactantes, pode ser usado em feridas ulcerosas, acnes, picada de insetos.

Cabeça e face: otites.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Folhas – afecções de garganta (mascar as folhas).

Para crianças

O manjericão é uma planta medicinal que tem as mesmas indicações para uso infantil, do que para uso adulto, porém o óleo essencial é contraindicado.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

O óleo essencial deve ser empregado em alta diluição e pode ser irritante para a pele sensível e é contraindicado na gravidez e na lactação e também para pessoas com emoções raivosas. O óleo essencial também não deve ser usado internamente. Em excesso, pode causar superestimulação, efeito narcótico ou torpor. Evitar uso na gravidez, em pessoas alérgicas, para crianças menores que seis anos ou pacientes com gastrite, úlceras gastroduodenais, síndrome do cólon irritável, colite ulcerosa, doença de Crohn, hepatopatias, epilepsia, doença de Parkinson e outras doenças neurológicas.

Interações medicamentosas

O manjericão é uma planta medicinal que pode intensificar a ação de anti-hipertensivos. Pode reduzir a taxa de glicose em pacientes em uso de insulina e antidiabéticos. Necessário monitorar a glicemia.

Toxicidade

Em doses elevadas, o óleo essencial, no uso interno, pode provocar efeitos narcóticos, palpitações, sudorese intensa, hipoglicemia severa, confusão, tontura, cefaleia. O óleo essencial também é irritante para as mucosas. Caso ocorram estes sintomas, será necessário tratamento clínico. Desaconselhado uso prolongado da erva para crianças.

Uso culinário e nutritivo

Amplamente utilizado na culinária, em pizzas, recitas de forno, no creme de abacate, aves, coelho, peru, fígado, peixes, vinagres, omeletes e saladas, receitas com abobrinha, brócolis e tomate, receitas de lasanha e tofu com dente-de-leão. É um componente do Licor “Chartreuse” e suas sementes também são utilizadas em pães. É o ingrediente básico do molho pesto.

Aromaterapia

Este óleo essencial estimula o córtex adrenal, é utilizado para equilibrar os hormônios na menopausa. No banho é refrescante e causa sensação tanto de frio como de calor, e de alfinetadas. O óleo de manjericão (Ocimum basilicum L. var. latifolium) é usado como sedativo em crises nervosas e para combater a insônia. Também é utilizado na cosmética, culinária, perfumes, repelentes. As folhas frescas possuem cerca de 0,3% de óleo essencial, sendo que as sumidades floridas frescas, 0,45%. O óleo essencial de manjericão não deve ser ingerido. Sua propriedade antifúngica inibe a proliferação de Aspergillus flavus e A. parasiticus. O óleo essencial de manjericão é capaz de limpar a mente, beneficiar a memória, ajudar na concentração, ajustar os sentidos, promover o foco na meditação. Indicado para pessoas que tem medo de intimidade. A essência do manjericão atua em aspectos da espiritualidade e da sexualidade, nos relacionamentos. Utiliza-se este óleo essencial para ser friccionado contra o peito, para inalação direta ou em banhos de imersão, que também produzem um vapor que ajuda na desobstrução das vias respiratórias. Importante diluir em um óleo carreador para uso em contato direto com a pele. Uso interno do óleo essencial pode causar hepato-carcinoma. O manjericão é uma planta medicinal que produz um óleo essencial de coloração clara, de fina viscosidade, destilado a partir de suas folhas e flores. Estudos indicaram que a quantidade de óleo essencial é maior nas folhas antes da floração. Sua nota olfativa é alta, com persistência média. Descrito como um óleo canforado, doce, herbal, que lembra o alcaçuz. Sua fragrância também já foi descrita como semelhante ao anis, com um aroma de hortelã. Faz boa sinergia com os óleos essenciais de bergamota e gerânio.

Sistemas Florais

Florais da Califórnia (FES): Basil – promove integração e livra a opressividade. Eleva o nível de compreensão. Florais da França: promove integração e livra a opressividade. Eleva o nível de compreensão. Florais de Minas: Basilicum – indicado para personalidades fortes que eventualmente tem dúvidas sobre suas capacidades e apresentam sentimento temporário de inadequação diante das responsabilidades e, por consequência, pode apresentar insônia, dores corporais, nervosismo, fadiga mental e dificuldades sexuais. Indicado também para impotência sexual de origem psicológica, frigidez feminina, histeria e para psicopatologias neuróticas e psicóticas em geral. Útil em conflitos relacionados às tarefas profissionais, aos deveres domésticos ou às relações conjugais.

Medicina Chinesa (MTC)

A função do manjericão como planta medicinal é atuar como expectorante e eliminar a umidade e as mucosidades. Deve ser empregado para deficiência do yang do rim, estagnação do Qi dos intestinos, em casos de frio no útero e na deficiência do yang.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 3 – ervas para agir contra o reumatismo • Categoria 4 – ervas para reduzir sensações de frio dentro do corpo • Categoria 5 – ervas para reduzir a umidade do corpo • Categoria 9 – ervas para promover a digestão • Categoria 10 – ervas para suprimir a tosse e reduzir catarro • Categoria 11 – ervas para regular a energia vital (qi) • Categoria 16 – ervas para corrigir deficiências •

Ayurveda

Seus nomes ayurvédicos são Tulassi ou Surasa, Barbari, Tuvari, Tungi, Kharpushpa, Ajgandhikaa, Baabui, Tulasi e Tulsi. Apesar de seu uso no ocidente, ser principalmente condimentar, no ayurveda o manjericão é uma planta medicinal e deve ser preferencialmente utilizado como medicamento natural. Reduz Vata e Kapha e agrava Pitta (se utilizado em excesso). É uma erva harmonizadora e sátvica que promove a abertura do coração e da mente. Estimula o amor, a devoção, a fé, a compaixão e a clareza mental. Limpa a aura e promove Proteção Divina. Eleva o prana. Representa a personificação de Krishna e Vishnu. Atua nos tecidos (dhatus) plasmático, sanguíneo, nervoso, na medula óssea e no tecido reprodutivo. Tem maior intensidade nos tecidos respiratório, digestivo e nervoso. Na medicina védica, o suco das folhas é utilizado para tratar resfriados e gripes, produz transpiração, reduz a febre e é expectorante. Sua rasa é picante e amarga. Sua virya é quente e sua vipaka é picante.

Uso homeopático

O manjericão é uma planta medicinal cuja denominação homeopática é Basilicum.

Pets e outros animais

Foi relatado seu uso associado a outras ervas no tratamento de giardíase (Sodhi, 2003).

Informações em outros sistemas de saúde

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

O que diz a ciência

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia

O manjericão é uma planta medicinal útil para as pessoas com aspectos maléficos entre Vênus-Marte e Vênus-Plutão e para os que têm trânsitos de Plutão sobre sua Lua, Vênus ou Marte. O óleo essencial de manjericão é utilizado para fortalecer a falta de energia em Marte.

Indicações energéticas ou mágicas

Na Índia, a erva era venerada como planta com essência Divina, consagrada a Krishna e a Vishnu. Os indianos faziam juramentos sobre ela, é colocada sobre o peito dos mortos para garantir um caminho seguro ao paraíso. Há uma lenda que diz que foi encontrado manjericão ao redor do Cristo após sua ressurreição. Algumas igrejas usam para preparar água benta e sobre os altares. Na Itália, o manjericão é uma planta medicinal utilizada como prova de amor e fidelidade sendo presenteada a pessoa amada. No México é utilizada para atrair paixão. Em Minas Gerais era utilizada para perfumar os velórios. Para proteger contra magia negra e negatividade. Utilizada em templos e cemitérios no oriente, pois está ligada a divindades que protegem contra o mal. Nome pagão a “erva das bruxas”. Sagrado para Erzulie, Vishnu. Utilizada em rituais de prosperidade. Usado no bolso para atrair dinheiro. Acreditava-se que a mulher acabaria com a infidelidade do marido salpicando folhas de manjericão sobre ele, conhecida como a erva do amor. Nicholas Culpeper atribuiu-o a Marte e a Escorpião, e comentou que o manjericão extraía o veneno de ferrões de vespas ou vespões. Possui também associações positivas com o mundo espiritual, no Oriente, como erva protetora. Desse modo, o manjericão aparenta representar os extremos, sendo associado à transformação da morte e do nascimento, tanto um veneno doloroso como uma erva curadora.

Habitat

Originário da Índia e da Indonésia, o manjericão é uma planta medicinal que cresce espontaneamente nestas localidades, embora se encontre aclimatado na Europa, desde há muitos séculos. Cultivado amplamente no Brasil.

Descrição da planta

É uma planta de tipo herbáceo, de ciclo perene e que pode chegar a alcançar até 50 centímetros de altura. O seu caule é quadrangular, ereto e pubescente. As suas folhas são inteiras, opostas, pecioladas e de forma oval. As suas flores são hermafroditas, de cor lilás e agrupadas em inflorescências do tipo espiga. O fruto é do tipo aquênio e as suas sementes têm uma cor de tonalidade preta azulada.

Vamos plantar?

A erva é cultivada em solos leves e ricos em matéria orgânica, levemente ácido, rico em nitrogênio, ensolarados e drenado, irrigados quando seco. Propaga-se por semeadura ou estaquia de galhos. A época de plantio é o outono e a primavera. Adubar com fertilizante orgânico a casa 3 meses. Colheita das folhas do verão até o outono. A cultura é mantida até o terceiro ano e então deverá ser renovada. A variedade americanum., é sensível a baixas temperaturas e por ser frágil, requer resguardo de ventos fortes. Utilizar quebra-ventos para proteger as mudas. A secagem da planta pode ser feita à sombra ou em estufa a 40ºC.

Artigos relacionados

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.brhttp://nplantas.com/manjericao-descricao-botanica/http://ervaseinsumos.blogspot.com.br/2009/03/manjericao.htmlhttp://www.drashirleydecampos.com.br/noticias.php?noticiaid=4287&assunto=Medicina%20Alternativa/Fitoterapia/Acupuntura • Ayurveda – A ciência da longa vida – Dr. Edson D´Angelo e Janner Rangel Côrtes – Madras • Fórmulas Mágicas – Dr. Alex Botsaris – Ed. Nova Era • 100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF • A astrologia da Mãe-Terra – Márcia Starck – Pensamento • A cura pela natureza – enciclopédia familiar dos remédios naturais – Jean Aikenbaum e Piotr Daszkiewicz – Editora Estampa • Anastásia Benvinda – plantas populares – Biblioteca Virtual • A taste of heritage – crow indian recipes and herbal medicine – Alma Hogan Snell – Lincoln and London • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 – Anônimo • Coleção de plantas medicinais aromáticas e condimentares – Mery Elizabeth Oliveira Couto – Embrapa • Dandelion Medicine – Brigitte Mars – Storey Books • Ervas do Sítio – Rosy L. Bornhausen – Bel Comunicação • Fitoterapia Chinesa – Prof. Dr. Antonio de Bortoli, N.M.D. • Herbal Antibiotics – natural alternatives for treatings drug-resistants bacteria – Stephen Harrod Buhner – Storey Books • Herbal Magick – a witchs guide to herbal folklore and enchantments – Gerina Dunwick – New Page Books • Herbal Remedies – Andrew Chevalier – DK • Herbs for Healthy Skin, Hair and Nails – Brigitte Mars – Keats Publishing Inc • Herbs for the Heart – C.J Puotinen – NTC Contemporary • Indian Medicinal Plants – C.P Khare – Springer • Master your metabolism – the all natural (all herbal) way to lose weight – Lewis Harrison – Sourcebooks INC • Medicinal Plants – utilisation and conservation – 2ª revised and enlarged edition – P. C Trivedi – Aavishkar Publishers, Distributors • Natural Remedies – their origins and uses – Finn Sandberg & Desmond Corrigan – Taylor and Francis • Pharmacodynamic basis of herbal medicine – Manuchair Ebadi -Taylor and Francis • Plantas Medicinais- Coletâneas de Saberes – Schirlei da Silva Alves Jorge • Plantas que curam – Enio Emmanuel Sanguinetti – Editora Rigel • Practical Handbook of Plant Alchemy – Manfred M. Junius • Propriedades mágicas das ervas – Anônimo – PDF • The Western Herbal Tradition – Graeme Tobyn, Alison Denham, MArgaret Whitelegg – Churchill Livingstone • Veterinary Herbal Medicine – edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère – Mosby/Elsevier • Wicca – A Feitiçaria Moderna – o livro das ervas, magias e sonhos – Gerina Dunwich • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Tratado de Medicina Floral – Maria Cristina Nogueira Godinho dos Santos – Madras • Plantas Medicinais – Usos populares tradicionais – P. Clemente J. Steffen, S.J. – Instituto Anchietano de Pesquisas/Unisinos/2010 • Aromacologia – uma ciência de muitos cheiros – Sonia Corazza – Senac Editora • Aromaterapia – a cura pelos óleos essenciais – Marcel Lavabre – Ed. Nova Era • Guia completo de Aromaterapia – Joanna Hoare – Pensamento • The Way of Herbs – Michael Tierra C.A, N.D – Pocket Books • Florais do Mundo – Nei Naiff – Nova Era •
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email