Hortelã-pimenta

Mais informações abaixo

Nome Popular: Hortelã-pimenta

Outros nomes: mentha-piperita, mentha-arvensis, mentha-rotundifolia, mentha-spicata, vick-vaporrube, hortelã-pimenta, erva-boa, hortelã-cheirosa, hortelã-chinesa, hortelã-comum, hortelã-cultivada, hortelã-da-horta, hortelã-de-cavalo, hortelã-de-folha, hortelã-de-folha-miúda, hortelã-de-panela, hortelã-rasteira, mentrasto, poejo; hortelã-hortense, hortelã-das-cozinhas, levante, menta, ortelã (português), pipermint (inglês).

Nome científico: Mentha sp.

Nomes botânicos: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Nome farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Família: Lamiaceae.

Partes usadas: partes aéreas e óleo essencial.

Sabor: picante, aromático, amargo e refrescante.

Constituintes químicos: Piperitone, Alfa – mentona (8 – 10%), Mento – furano (1 – 2%), Metilacelato, Pulegona, Cineol (6 – 8%), Limoneno, Jasmone, Princípio amargo, Vitaminas C e D, Nicotinamida – traços, Cetonas, Taninos, sesquirterpenos: cariofileno, bisabolol, flavonóides: mentosie isoroifilina, leiteolina, óleo essencial 0,7 a 3% que contém mentol (40 – 60%), Ácidos: p-cumarínico, ferrúlico, caféico, clorogênico, rosmarínico e outros constituintes incluindo carotenóides, colina, betaína e minerais.

Propriedades medicinais: sudorífico; antigripal; depurativo; antiinflamatório; carminativo; eupéptico; colagogo; antiespasmódico; vermífugo; peitoral; expectorante; febrífugo; vasoconstritor; afrodisíaco; analgésico; anti-séptico; cardiotônico; galactagogo; sedativo; ansiolítico; amebicida; giardicida; tricomonicida; digestivo; estimulante; tônico; anti-reumático; antiulcerogênico; bactericida; diurético; estomáquico; antiemético; nervino; broncodilatador; antifúngico; anestésico; anti-séptico; saporífero; colerético; odontálgico; antiviral (na presença do vírus da Hepatite A);

Indicações (Uso interno): na esfera emocional é indicado para pessoas tímidas e sensíveis; neuralgias; cólicas intestinais; intolerância à gordura e boca amarga; relaxante da musculatura lisa; resfriados; sarna; sinusite; tônico do sistema nervoso e dos centros vitais; tônico e estimulante do aparelho digestivo; usado em tosse com expectoração amarela; em síndrome do cólon irritável (O.E); vermicida para giardíase e amebíase; vertigens; asma; cólica biliar; depressão ao cair da noite; diarréias; descongestionante; distúrbios metabólicos; doenças enxantemáticas; dores de cabeça e enxaquecas; estados de choque; estafa e cansaço mental; exaustão; frigidez; impotência; inflamação dos olhos e da garganta; melhoria de problemas respiratórios (O.E); cólica uterina, tonsilite; mau hálito; hemorróidas; para enrijecimento da pele; clareador do cabelo (u.e.); elimina mucosidades; reumatismos; laxante suave; reduz a congestão hepática; doença de Crohn; herpes; sarampo; soluços; catapora; azia; dismenorréia; auxiliar para tratar obesidade; limpa e fortalece o corpo; promove sedação do estômago; fortalece os intestinos; diarréia sanguinolenta; tricomoníase urogenital; atonia digestiva; icterícia; palpitação; tremedeiras; vômitos inclusive de origem nervosa; odontalgias; combate excesso de pêlos em mulheres; intoxicações intestinais; agitação nervosa; neuralgia por frio; para dores no baixo ventre; atonia das vias digestivas; timpanite de origem nervosa; tremores; dispepsia nervosa; icterícia; amenorréia; gastrite; enterite; colecistite; mialgias; dor ciática; escarro sanguinolento;

Indicações (Uso externo): dores musculares e articulares; efeito anestésico local; repele insetos; cãibras; dor de dente; celulite; estimulação da circulação periférica; gorduras localizadas; excelente pós-barba; analgésico muscular; picadas de inseto;

Indicações pediátricas: gripes e resfriados e demais indicações para adultos.

Utilizações na MTC: promove sudação e dispersa vento-frio e vento-calor externo; para vento-frio no pulmão; fleuma-umidade no Pulmão e Baço; para rebelião do Qi do Estômago; estagnação do Qi do Fígado, dos Intestinos e do Útero; ascensão do yang do Fígado; vazio do Jing do Rim; regula o Qi; remove estagnação do Xue; clareia calor da cabeça.

Atuação nos canais: F, E, BP e P.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 15 – Ervas para cessar movimentos involuntários Categoria 18 – Ervas para expelir e destruir parasitas.

Ayurveda (Ação nos doshas): nome ayurvédico – Phudina. Equilibra Pitta e Kapha e, em excesso, aumenta Vata. Tem atuação no sistema digestivo, circulatório, nervoso e respiratório. Planta de natureza sátvica que auxilia no alívio das tensões e congestões mentais e emocionais. Pode ser administrada na forma de leite medicado e ghee medicado. Pessoas com desequilíbrio de Vata que apresentem calafrios ou neurastenia intensa devem utilizar a erva com atendimento qualificado.

Rasa: picante.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: o óleo de hortelã-pimenta, inalado pela boca e pelo nariz, desobstrui as narinas. É um dos óleos mais usados como aromático em confeitos comerciais e em dentifrícios.  É refrescante e relaxante, libera energias retidas por inibição, provoca alegria e desprendimento. Tem propriedade descongestionante e estimulante, sendo usado no tratamento de enxaqueca e diversos problemas digestivos, como indigestão e gases. 

Floral: FLORAIS DAS GERAIS – necessidade de assimilar impressões sensoriais; lentidão psíquica; falta concentração. FLORAIS DE MINAS – Piperita – lentidão e dificuldade de “assimilação” psíquica e sensorial; falta de concentração.

Homeopatia: habitualmente contra-indicada se estiver fazendo uso de qualquer medicamento homeopático.

Contra-indicações: evitar durante a lactação; no vazio do yin do Pulmão; na deficiência do Pulmão e do BP por ataque de frio; evitar se estiver tomando remédios homeopáticos; evitar uso em crianças pequenas; evitar uso se houver deficiência do Wei Qi com sudorese excessiva ou noturna; no excesso de fogo do Fígado com cefaléia, olhos vermelhos e agitação psicomotora. Uso prolongado, em doses elevadas ou ingestão antes de dormir pode resultar em insônia.

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Doses: de 3 a 6 g, em decocção ou infusão; de 300 a 1.500 mg em pó/dia; de 2 a 4 gotas de óleo essencial diluído em água ao dia; Tintura a 20%: de 2 a 10ml, ao dia.

Formulações: SAUNA FACIAL PARA NEVRALGIAS FACIAIS PROVOCADAS PELO FRIO – 25g de folhas em 0,5 litro de água fervente. Expor o rosto aos vapores, cobrindo a cabeça com uma toalha.

Formulações populares: ANTIPARASITÁRIO – com alho – amassar 3 a 4 folhas frescas de hortelã e 1 dente de alho, colocar numa xícara, acrescentar água fervente, tampar, deixar esfriar e coar. Servir às crianças 1 vez ao dia, 1/2 hora antes do café da manhã, durante 5 dias (combate giárdias, amebas e lombrigas). PRODUZIR SUCO GÁSTRICO – infusão de 5 a 6g de folhas ou sumidades floridas para cada xícara. LAXANTE SUAVE – infusão de folhas de menta, sene, rizoma de grama, frutos de anis, cominho e funcho.

Planeta regente: planta associada ao signo de Gêmeos. Regentes: Urano e Mercúrio.

Indicações energéticas ou mágicas: utilizada em encantamentos para curar doenças, bem como em incensos e aromatizadores em locais onde jazem enfermos. É queimada para limpar a casa e utilizada em travesseiros para ajudar a dormir. Colocada próximo ao travesseiro trará sonhos que darão um vislumbre do futuro. O óleo essencial é utilizado em encantamentos pra produzir uma virada positiva na vida. Tem aura verde, rosa e violeta. Libera as energias presas promovendo o desprendimento destas. Sua nota musical é Si. Associada ao culto à Afrodite. Utilizada também em encantamentos para atrair sucesso e obter promoção na carreira, para proteger contra magia negra e negatividade, proteção contra perigos. Na mitologia grega, Minthe era um amante de Plutão. A esposa de Plutão, com ciúmes, transformou Minthe na planta Hortelã.

Habitat: em terrenos frescos e sombrios de toda a Europa e América do Sul. Cultiva-se por sua essência, especialmente em Inglaterra.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: planta herbácea, rizomatosa, vivaz.  Caule arroxeado, ramificado.  Folhas opostas, oval-lanceoladas, serreadas, verde-escuras e crespas.  Flores lilases ou azuladas, dispostas em espigas terminais. Fruto tipo aquênio.

Toxicidade: sem toxicidade nas doses recomendadas.

Observações: existem outras espécies de Menta cujo valor terapêutico é similar. Recomendável o uso com ervas amargas para suavizar seu gosto. Considerada excelente planta auxiliar para plantio junto de outras ervas e plantas. Erva rica em vitamina A. Condimento indicado para acompanhar presuntos, frutas frescas ou em compotas e ervilhas.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/hortela/hortela-2.php • A astrologia da Mãe-Terra – Márcia Starck – Pensamento • The Big Herbal Encyclopedia – Anônimo – PDF • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 – Anônimo • Ervas do Sítio –  Rosy L. Bornhausen – Bel Comunicação • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Florais das Gerais – Catálogo • Florais de Minas – Catálogo • Ayurveda – A ciência da longa vida – Dr. Edson D´Angelo e Janner Rangel Côrtes – Madras • Fitogeografia Amazônica- Fernando Castro da Cruz – Ed. Palpite • 100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF •