Amora Branca

Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Recomendável administrar esta erva com mel, em casos de tosse. Esta é a planta utilizada na criação do bicho da seda. Mais informações abaixo.

Amra Branca, uma das plantas medicinais mais versáteis.

Nomenclatura

Nome Popular

Amora Branca

Nome Científico

Morus alba L.

Nomes farmacêuticos

Mori folium, Mori radix, Mori fructus, Mori ramulus.

Nome conhecido

Amora, Amoreira-Branca (Português), White Mulberry (Inglês), Morera (Espanhol), Sang Ye, Sang Zhi,  Sang Gen Bai Pi (Chinês).

Nomes botânicos

Morus alba var. tatarica (L.) Ser., Morus intermedia Perr., Morus tatarica L., . M. constantinopolitana Poir., M. indica L.

Família

Moraceae.

Composição

Composição química

Vitaminas A, B¹, B², C e P, manganês, morin, dihydromorin, maclurin, dihidrokaempterol, mullberrin, 2, 4, 4´, t-tetrahidroxybenzophenone, mulberrochromene, cyclomulberrochromene, anthocianinas, artocapin, flavonoides como rutina, taninos, mucilagens, peptona, ácidos orgânicos: málico e cítrico, óleos essenciais e gomas.

Partes usadas

Folhas, frutos, raiz, ramos e casca.

Sabor

Amargo, doce, neutro e refrescante.

Propriedades Medicinais

Propriedades medicinais gerais

Antirreumático, anti-hipertensivo, rejuvenescedor, antileucêmico, antioxidante, antipirético, antiradicular, hemostático, antiespasmódico, antitumoral, adstringente, fungicida, inibidor da glucosidase, hipotensor, imunomodulador, lactagogo, linfocitogênico, nematicida, sedativo, tranquilizante, vermífugo, peitoral, antitussígeno, aperiente e hipoglicemiante.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Raízes – laxante,

Casca – laxante, expectorante, diurético,

Ramos – analgésico, antipruriginoso.

Frutos – refrescante, levemente laxante,

Folhas – laxante, expectorante, diurético, anti-inflamatório, emoliente, diaforético,

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: remove obstruções do trato intestinal, aftas, enterite, fermentações, gastrite, esofagite, diarreia e na prisão de ventre (constipação).

Sistema Urinário e Genital: favorece a reabsorção de edemas, candidíase, cólicas, proteinúria, poliúria, oliguria, menorragia e na retenção de líquidos.

Sistema Hepático: na hepatite.

Sistema Respiratório: elimina muco dos pulmões (catarro), afecções pulmonares, para inflamações das mucosas do sistema respiratório, asma, bronquite, hidropisia, dispneia, hemoptise, dispersa o calor pulmonar e em casos de secreção espessa amarelada.

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: para hematêmese, pressão alta, hiperemia, doença de Takaiassu, anemia megaloblástica, palpitação, hiperglicemia, melhora a circulação sanguínea e em hemorragias.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para resfriados e gripes, convulsões, isquemias periféricas, nervosismo, neurastenia, epilepsia, debilidade, depressão, febre, infecções e inflamações, insônia, escrófula e em casos de senilidade.

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: na artrose coxo-femoral, sacroileíte, distensão muscular, cãibras nas panturrilhas, pan-arterite nodosa e no reumatismo.

Sistema Renal: em glomerulonefrite e na anasarca.

Outros distúrbios: para diabete, inflamação da garganta (amigdalites), febres, cefaleia, perda de peso, polidipsia, polifagia, salivação, coqueluche, fungos, elefantíase, surdez, caquexia, olhos vermelhos, oftalmia, vômito com sangue, tontura, tinido, dor ocular, leucemia, câncer do estômago, câncer do esôfago e na visão turva.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Raízes – diarreia forte, disenteria e em problemas intestinais.

Casca – apresenta fator inibidor do HIV.

Frutos – diarreia leve.

Indicações para uso externo

Pele e unhas: em dermatoses, eczemas, machucaduras, micose e nas erupções cutâneas.

Cavidade bucal: para problemas nos dentes e boca, alopecia, cabelo grisalho, estomatite e dor de dente.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Raízes – para picada de cobra (raízes descascadas direto na ferida).

Folhas – escurece os cabelos, dor de garganta (gargarejos).

Uso pediátrico

Indicada nas afecções da boca, aftas, dentes, garganta e pulmão. Também como anti-inflamatório das mucosas do sistema respiratório, na tosse e em erupções cutâneas.

Uso Veterinário

Experimentos em coelhos e carneiros observaram aceleração do crescimento dos pelos nestes animais. Ratos e coelhos tiveram diminuição da pressão arterial em experimentos.

Cuidados ao Usar

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

Deve ser evitada em casos de diarreia crônica. Não deve ser usada quando os pulmões estão fracos.

Interações medicamentosas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade

Erva sem toxicidade nas dosagens recomendadas. Porém, pode ser tóxica em doses elevadas.

Nutrição e Energia

Uso culinário e nutritivo

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso homeopático

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Magia e Espiritualidade

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aspectos Astrológicos

Erva associada ao signo de Virgem. Erva indicada para distúrbios relacionados ao trânsito da Lua em Libra, Júpiter em Sagitário, Júpiter em Capricórnio, Saturno em Gêmeos, Saturno em Sagitário, Urano em Sagitário, Netuno em Libra e Plutão em Libra.

MTC e Ayurveda

Medicina Chinesa (MTC)

Seu nome chinês é Sang Ye, Sang Zhi ou Sang Gen Bai Pi. A erva elimina calor e calor tóxico, dispersa secura, clareia e hidrata os pulmões. Indicada para síndromes de invasão de secura e calor que agride o Qi dos pulmões que provoca secura na garganta e sede, tosse seca sem fleuma (ou pouca fleuma) e catarro ao levantar pela manhã. Nas síndromes Bi causadas por invasão de vento umidade que obstrui os canais e colaterais. A erva desbloqueia o Qi do fígado (melhor ação associada a Bupléurum chinense). Com mel a erva ajuda a nutrir o pulmão.

RAMOS: Eliminam calor e umidade no Aquecedor Inferior. Empregados em padrões de umidade-calor obstruindo o Qi do rim, com febre, dor lombar, urina turva e pouca diurese. Controlam o fogo e o vento do fígado. Dispersa o vento externo. Também recomendados para padrões de ascensão do fogo do fígado com olhos avermelhados, irritação, cefaleia pulsátil, epistaxe ou agitação do vento com vertigens e espasmos na parte superior do corpo. São imuno-estimulante e indicados para reduzir edemas, principalmente nos membros superiores.

FRUTOS: tonificam o sangue e acalmam a mente. Indicados para casos de insônia, palpitações, memória fraca, tonturas, língua pálida, oligomenorreia ou amenorreia. Tonificam o Yin e nutrem a essência. Umedecem as fezes e são empregados em casos deficiência da essência do Rim, com insônia, emagrecimento, tonturas, zumbidos, lombalgia crônica e fraqueza nos membros inferiores. Também são recomendados em casos de constipação por deficiência de fluidos ou sangue, com fezes ressecadas e desconforto nos flancos que melhora com pressão.

CASCA: drenam o calor do pulmão e aliviam a tosse. Para casos de tosse por calor do pulmão, com febre ou calor no tórax, dispneia, tosse com expectoração amarela e saburra amarela na língua. Clareiam o calor do fígado. Recomendado uso em casos de hiperatividade do Yang do fígado com nervosismo, insônia, olhos e face avermelhados, cefaleia e gosto amargo na boca. Também em casos de hipertensão com sinais de calor. Drenam a umidade e abrem as passagens de água. Para edemas na parte superior do corpo por bloqueio dos Aquecedores e para padrões de ataque de umidade-calor ao exterior, como nas síndromes dos 3 Aquecedores.

FOLHAS: dispersam vento e calor do pulmão, clareiam o fígado e os olhos, resfriam o sangue e cessam hemorragias. Tem efeito hiperglicêmico. Indicadas para casos de deficiência do Yin do Fígado e ataques de vento-calor, em vômitos de sangue devido ao calor no sangue e na secura do pulmão e da boca. Associar com Cálcio de Ostra (Ostrea gigas) para casos de tonturas e vertigens devido a ascensão do Yang do fígado. Associar com Gergelim (Sesamun indicum) para casos de tontura e vertigem devida a deficiência do Yin do Fígado e do Rim. Atua nos canais dos Pulmões, Fígado, Rim, Coração e Baço. Evitar uso na deficiência e frio do pulmão e na deficiência do Qi. Erva tóxica em doses elevadas.

Uso no Ayurveda

Esta é uma erva tridosha com rasa amarga, virya fria e vipaka picante.

Outros Sistemas Tradicionais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Método 40-20 PRO

Categorias Medicinais

CASCA: categoria 2 – ervas para calor excessivo dentro do corpo, subcategoria 1, 2 e 3. RAMOS – categoria 3 – ervas para agir contra o reumatismo • categoria 5 – ervas para reduzir a umidade do corpo, subcategoria 1 • categoria 10 – ervas para suprimir a tosse e reduzir catarro, subcategoria 1 e 2 e Categoria 11 – ervas para regular o Qi. FRUTO – categoria 16 – ervas para corrigir deficiências, subcategoria 1, 3 e 4. FOLHAS – categoria 15 – ervas para cessar movimentos involuntários.

Macro Sistemas

2º Macro Sistema.

Origem e Plantio

Habitat

Originária da China, onde é cultivada como alimento do Bicho-da-Seda. Planta de grande rusticidade adaptada ao Brasil.

Descrição da planta

É uma planta arbórea, de porte mediano, em que a sua altura pode variar desde os cinco até aos dez metros de altura, de ciclo perene, o seu caule é lenhoso e muito ramificado, com casca escura e rugosa. A sua copa é ampla, caducifólia, com folhas simples, pecioladas, alternas, normalmente de forma ovalada, de cor verde clara, com uma leve pilosidade que as torna ásperas. As suas flores pequenas, de sexos separados (as masculinas são pedunculadas), ambas de cor branco amarelada, que se aglutinam para dar origem à sua fruta, a Amora.

Como plantar

A planta precisa de clima ameno a quente, boa disponibilidade de água e se adapta bem em qualquer tipo de solo, mas são recomendados solos profundos, férteis e ricos em matéria orgânica para melhor desenvolvimento das plantas. No período mais frio do ano, as folhas mais velhas ficam amareladas e caem. A propagação é feita através de estacas, obtidas de ramos das plantas, no período mais quente e chuvoso do ano.

Ciência e Bibliografia

O que diz a ciência

A longo prazo, o uso de 250 vezes a dose normal para humanos, produziu danos no fígado e no rim (BENSKY, 1986).

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.br/ • https://nplantas.com/amoreira-descricao-botanica/ • https://www.safarigarden.com.br/muda-de-amora-branca-morus-alba • A astrologia da Mãe-Terra – Márcia Starck – Pensamento • Anastásia Benvinda – plantas populares – Biblioteca Virtual • Chinese and related North American Herbs – phytopharmacology and therapeutics values – Thomas S. C. Li – CRC Press • Chinese Herbal Formulas – treatment principles and composition  strategies – Yifan Yang – Churchill Livingstone • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Fitoterapia Chinesa e Plantas Brasileiras – Alex Botsaris – Editora Ícone • Manual de Fitoterapia Chinesa e Plantas Brasileiras – Mary Lannes Salles Leite – Icone Editora • Vademecum Soria Natural –  Anônimo – • Taiwanese Native Medicinal Plants – Phytopharmacology and Therapeutics Values – Thomas S.C. Li, Ph.D. – CRC Press • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke – CRC Press • Apostila de Fitoterapia – Fitoterapia Chinesa II – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • Veterinary Herbal Medicine – edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère – Mosby/Elsevier • Herbologia Chinesa – Anônimo – PDF • Indian Medicinal Plants – C.P Khare – Springer • As plantas e os planetas – Ana Bandeira de Carvalho – Ed. Nova Era •

Artigos relacionados

Índice - Amora Branca

Deixe um

comentário

Para ficar por dentro de tudo o que acontece no universo das ervas medicinais e sabedoria natural, cadastre-se para receber a News Ervanarium.