Alcachofra

Esta planta pode ser tomada por períodos prolongados. Em decocção, o chá deve ser consumido logo após o cozimento, pois se altera rapidamente e produz toxinas.

 

Nome Científico:

Cynara scolymus L.

Nomes botânicos:

Cynara cardunculus var. scolymus (L.) FioriL.

Nomes Farmacêuticos:

Folium et herba cynarae.

Partes usadas:

Folhas, brácteas e raiz.

Composição Química:

Cinarina (ácidos 1,5-dicafeilquínico de 0,02 a 0,03%), sais minerais (fósforo, ferro, potássio, cloro, cálcio, enxofre, sódio, magnésio e silício- 12-15%), ácido clorogênico, ácido caféico, mucilagem, pectina, tanino, ácidos orgânicos: málico, glicérico e glicólico, glicosídeo A e glicosídeo B, componentes flavônicos glicosilados (cinarosídeo, scolimosídeo, cosmosídeo), cinaropicrina (amargo), enzimas (cinarase, oxidase, ascorbinase, catalase, peroxidase), vitaminas (pró-vitamina A, B1, B2, C).

Indicações para uso interno:

Sistema Gastrointestinal: diarreia, dispepsia, emagrecimento, escorbuto, hemorroidas, má-digestão, obesidade, regulariza o aparelho digestivo e os movimentos peristálticos, sensação de plenitude, perda de apetite, dor abdominal.

Sistema Urinário e Genital: anúria, diurese, hidropsia, sífilis, uremia, uretrite, proteinúria, esterilidade.

Sistema Hepático: afecções hepatobiliares, icterícia, tratamento das vias biliares, hepáticas, intolerância a gorduras, síndrome pós-hepatite, inflamação da vesícula biliar,

Sistema Respiratório: pneumonia, tosse, asma,

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: anemia, clorose, doenças cardíacas, gota, hemofilia, hipertensão, má formação do sangue, infarto, angina do peito, ácido úrico.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: escrofulose,

Sistema Renal: cálculos renais, tratamento das vias renais.

Outros distúrbios: diabete, bócio exoftálmico, convalescença, diabete melito, hipertireoidismo, inflamações internas, malária, raquitismo, toxemia, náusea, doenças de pele, celulite, psoríase, congestão cerebral, eczema.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta::

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso externo:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais:

Categoria 6 – ervas para lubrificar os sintomas secos • Categoria 9 – Ervas para promover a digestão ● Categoria 12 – Ervas que regulam o sangue ● Categoria 16 – Ervas que corrigem deficiências.

Uso homeopático:

Não há relatos na literatura consultada.

Pets e outros animais:

Não há relatos na literatura consultada.

Informações em outros sistemas de saúde:

Não há relatos na literatura consultada.

Indicações energéticas ou mágicas:

Acredita-se que a alcachofra atrai o amor, a beleza, a limpeza e resgata a alegria. É utilizada em banhos.

Nome Conhecido:

Cachofra, Alcachofra-hortense, Alcachofra comum, Alcachofra cultivada, Alcachofra de comer, Alcachofra rosa (português), Artischocke (alemão), Alcachofa (espanhol), Artichaut (francês), Artichoke (inglês), Carciofo (italiano).

Família:

Asteraceae.

Sabor:

Amargo, picante, amornante.

Propriedades medicinais gerais:

Antiesclerótico, antitóxico, colagogo, depurativo, digestivo, diurético, hepático, hipotensor, laxante, colerético, febrífugo, antirreumático, hipoglicemiante, antiuréico, anticolesterogênico, antidiarreico, antialcoólico, antiesclerótico, antibiótico, carminativo.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Para crianças:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações:

Evitar o uso na lactação, pois coagula o leite. Evitar também em casos de fermentação intestinal. Não deve ser usada por pessoas com cálculos biliares. Evitar durante a gestação.

Interações medicamentosas:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade:

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso culinário e nutritivo:

Planta rica em ferro e cálcio que ajuda a repor minerais no organismo. O miolo da alcachofra serve como ingrediente de tortas e pizzas.

Sistemas Florais:

Florais de Saint Germain – efetua grandes transformações na consciência. Um dos aspectos que trabalha, diz respeito ao sentimento de vergonha de um modo geral. Floral útil aos que desenvolvem ou têm que desenvolver um trabalho espiritual elevado e tem vergonha de expor sua própria luz e conhecimento a grupos ou às pessoas em geral. Outro aspecto que este floral vem trabalhar está ligado a certo tipo de medo que surge nas situações em que a pessoa só pode contar consigo própria, sente-se insegura, apreensiva e medrosa. A energia deste floral pela expansão da consciência resulta no distensionamento do corpo físico e traz leveza aos chakras superiores; atua em partes desenergizadas na região do cérebro e do terceiro olho. Floral que nos doa força para percebemos as posturas arraigadas que nos prendem ao passado. Abre-nos para o novo e para o novo tempo que surge. Alcachofra é um floral muito útil às pessoas que querem se atualizar ou precisam se atualizar traz abertura e receptividade. Este floral vem remover toxinas e resíduos muito antigos em todos os chakras, é regenerador dos corpos sutis. No físico se apresenta como muco. Refaz ligações energéticas em nossos corpos. É um grande regenerador de todos os corpos, trabalha o envelhecimento precoce devido vampirismo.
Florais das Plêiades – depurativo contra o pânico causado por medos de vidas passadas; pesadelos e cenas recorrentes; sustos e apreensões de causas inexplicáveis; sudorese.

Medicina Chinesa (MTC):

Erva indicada para deficiência do Xue e estagnação da energia do Fígado. Tonifica o Yang do Baço e auxilia a eliminar umidade. Tem atuação nos canais do Fígado, Vesícula Biliar e Baço/Pâncreas. Predominância do elemento madeira.

Ayurveda:

A erva reduz pitta e kapha e agrava vata. Sua rasa é picante e amarga. Sua virya é quente e a vipaka é picante.

O que diz a ciência:

Estudos clínicos demonstraram a eficácia e segurança do uso de extratos de alcachofra no tratamento de disfunções hepatobiliares e em problemas digestivos, tais como a sensação de plenitude, perda de apetite, náusea e dor abdominal.

Astrologia:

Planta regida pelo planeta Marte.

Habitat:

Planta natural da região do Mediterrâneo.

Descrição da planta:

É uma planta vivaz, com folhas compostas penatífidas e espinhosas, sendo as superiores bem menores que as da base. Flores púrpuras reunidas em um grande capítulo envolvido por grandes brácteas que são a parte comestível da inflorescência. Provavelmente originária do mediterrâneo, considerada durante muito tempo como uma hortaliça rara, é hoje abundantemente cultivada nas regiões Atlânticas com invernos suaves. É uma planta com até um metro de altura, da família das compostas, de caules estriados, folhas penatífidas e grandes capítulos florais.

Vamos plantar?:

A alcachofra necessita de luz solar direta pelo menos por algumas horas diariamente.
Deve ser cultivada em solo bem drenado, profundo, fértil e rico em matéria orgânica. A alcachofra não cresce bem em solos muito ácidos, sendo que o ideal é a faixa de pH indo 6 a 8.
Deve ser irrigada de forma a manter o solo úmido, sem que permaneça encharcado. Esta planta é resistente à seca, mas não produz bem quando falta água.

O método mais recomendado de plantio da alcachofra é por divisão de plantas adultas. Os rebentos surgem depois da época da colheita, e devem ser retirados com cuidado, cavando ao redor da planta e separando estes da planta matriz com uma faca ou pá. Os rebentos devem estar bem desenvolvidos e devem ser retirados com raízes. As folhas desenvolvidas são cortadas e estas mudas podem então ser plantadas com o espaçamento indicado para a cultivar.

As sementes podem ser semeadas no local definitivo ou em pequenos vasos, saquinhos de plástico próprios para mudas ou copinhos feitos de papel jornal com 5 cm de diâmetro e 10 cm de altura, e então transplantadas três ou quatro semanas após a germinação.

O problema com o plantio através de sementes é que as plantas originadas por sementes geralmente não são parecidas com a planta mãe, apresentando uma grande variação de tamanho, forma da planta e das flores, quantidade de espinhos, e outras características, ou seja, uma grande variação fenotípica. Este método de propagação é usado principalmente por quem quer obter novas cultivares, e por quem não tem como obter mudas para iniciar sua plantação de alcachofras. Neste caso, plante as sementes e após dois ou três anos selecione as melhores plantas e passe a multiplicá-las pelo método da divisão.

Retire plantas invasoras que estejam concorrendo por nutrientes e recursos, especialmente nos primeiros meses de cultivo.

Se os rebentos não são necessários para a obtenção de mudas, elimine-os assim que surgem, para manter a planta vigorosa e mais produtiva.

A colheita dos capítulos florais da alcachofra é realizada quando as brácteas ainda estão fechadas. Quando as brácteas se abrem, a alcachofra perde sua qualidade, podendo já estar fibrosa.

As plantas podem produzir poucas flores (ou nenhuma flor) no primeiro ano. A alcachofra é uma planta perene e pode produzir por seis anos ou mais, mas os horticultores geralmente substituem as plantas a cada três anos, pois a produção tende a diminuir em número e qualidade a partir do terceiro ano.

Fontes de pesquisa utilizadas:

http://www.plantamed.com.br/ • https://hortas.info/como-plantar-alcachofra • http://www.florais.com.br/si/site/1111?idioma=portugues • http://samantha-tarologa.blogspot.com/2009/04/ervas-aromaticas.html • http://fitomedicinapopular.blogspot.com/search/label/Alcachofra%20-%20Cynara%20scolymus%20L. • http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20080617060645AA9t53j • http://www.anniesremedy.com/herb_detail361.php • Apostila de Fitoterapia Chinesa 2 – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • Fórmulas Mágicas – Dr. Alex Botsaris – Ed. Nova Era • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – Ed. EPUB • Ervas, plantas & chás – prevenção e cura de doenças – Ed. Escala • A vida cura a vida – Pe. Paulo Wendling – Paulinas • Guia Prático para Auto-cura – Tonusterapia. A cura pelas plantas – Munir Sabá – Editora Traço • Plantas que curam – Enio Emanuel Sanguinetti – Ed. Rigel • 100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF •