Hibisco

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

O hibisco é uma planta medicinal e ornamental, amplamente utilizada no Brasil como arbusto para cercas vivas e como arvoreta. Das flores, é extraída uma tinta escarlate utilizada na culinária e como cosmético para pintura das sobrancelhas. O Hibisco dá origem a uma graxa vegetal utilizada para lustrar sapatos e couro. A tinta proveniente das flores confere uma coloração avermelhada aos cabelos quando utilizada como enxague. Quando misturado ao suco de Vernonia (Vernonia cinérea), estimula a expulsão dos resíduos após o aborto. Mais informações no texto abaixo.

O hibisco é uma planta medicinal refrescante.

Nome científico

Hibiscus rosa-sinensis L.

Nome conhecido

Amor-de-homens, Amor-dos-homens, Aurora, Brincos, Brincos-de-vênus, Firmeza-dos-homens, Graxa-de-estudante, Graxa-de-soldado, Pampoela, Pampulha, Papoula, Rosa-da-China (Português), Cotton-Rose, Rose Mallow, Rose of China, Confederate Rose (Inglês), Sthala-Padam, SthalKamal (Ayurveda), Irratai-vellaichembarattam, Sembarattai (Siddha/Tamil), Zu Jin, Chuan Jin Pi (Chinês).

Nomes botânicos

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Nomes farmacêuticos

Hibisci flos.

Família

Malvaceae.

Partes usadas

Flores secas.

Sabor

Doce e adstringente.

Composição química

Proteína, tiamina, riboflavina, niacina, cyandidin-3-sophoroside, quercetin, kaempferol, betulinic, ácido, hexyl stearate, tetratriacontanol, nonacosane, stigmasta-3, 7-dione, beta-sitosterol, anthocyanin, cyanidin glucoside, gossypetin.

Propriedades medicinais gerais

Laxante, antioxidante, anafrodisíaco, adstringente, oftálmico, analgésico, antiestrogênico, anti-inflamatório, depressor do SNC, contraceptiva, diaforético, embriotóxico, emoliente, hipotensivo, antiespasmódico, alterativo, emenagogo, refrigerante, hemostático, demulcente.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Flores – todas as aplicações.

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: náusea, dor de estômago, cólicas intestinais.

Sistema Urinário e Genital: sangramento menstrual excessivo, dismenorreia, metrorragia, aborto espontâneo, menorreia, dor para urinar, cistite, doenças venéreas.

Sistema Respiratório: asma, tosse, catarro,

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: pressão alta, toxinas no sangue.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: resfriado, sedativo do sistema nervoso, febre, gripe, inchaço,

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: hérnia.

Sistema Renal: cólicas renais.

Outros distúrbios: insônia, inflamações da garganta e dos olhos, câncer, conjuntivite, dor de cabeça, rouquidão, inflamação, caxumba, tumor.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Flores – todas as aplicações.

Indicações para uso externo

Pele e unhas: dermatose, melhora a aparência da pele, feridas.

Cabeça e face: faz o cabelo crescer, oftalmias.

Outros distúrbios: usado como cataplasma sobre tumores de células cancerosas e na caxumba.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Flores – todas as aplicações.

Para crianças

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

Evitar o uso na gravidez e em pessoas com Pitta agravado ou com fortes calafrios. Em algumas pessoas, a planta pode causar dermatite de contato.

Interações medicamentosas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso culinário e nutritivo

O corante extraído a partir de suas flores secas é utilizado para conferir cor em pratos na culinária.

Aromaterapia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais

Sistema Florais Da Califórnia: a essência Hibiscus, elimina a apatia, estimula a sexualidade e a criatividade na relação íntima e conecta com a disposição para o prazer. Florais de Minas: Hibiscus – promove a integração e elimina o desprazer. Florais da França: Hibiscus – promove a integração e o estímulo e elimina o desprazer. Sistema AUM Himalaya: Red Hibiscus – promove a integração e o estímulo e elimina o desprazer.

Medicina Chinesa (MTC)

Seus nomes chineses são Zu Jin, Chuan Jin Pi. O hibisco é uma planta medicinal utilizada para regular o sangue (xue) e tonificar o yin do fígado. Atua nos canais do pulmão, fígado e bexiga.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 2 – ervas para reduzir calor do corpo • Categoria 12 – ervas para regular o sangue •

Ayurveda

A erva reduz Vata e Kapha e agrava Pitta (se em excesso). Seu nome em sânscrito é Japa. Atua nos tecidos sanguíneo, plasmático, muscular, medular, nervoso e reprodutivo. Tem atuação nos sistemas circulatório, reprodutivo feminino e nervoso. Erva eficiente para desordens do primeiro e segundo chakra, para desordens urinárias ou dos rins, para aquecer o sistema reprodutivo, em congestões e contrações. Seu uso moderado é indicado como uma excelente bebida de verão para refrescar e baixar calor interno. Sua rasa é doce e adstringente. Sua virya é fria e sua vipaka é doce.

Uso homeopático

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais

Suas folhas são muito apreciadas por coelhos.

Informações em outros sistemas de saúde

Estudos na Índia indicaram a ação contraceptiva do Hibisco.

O que diz a ciência

Os estudos em camundongos revelaram que a erva possui propriedades contraceptivas, porém não abortivas.

Astrologia

O hibisco é uma planta medicinal regida pelo planeta Vênus.

Indicações energéticas ou mágicas

As flores de Hibisco são sagradas para o Senhor Ganesh e são utilizadas para remover obstruções do primeiro chakra (raiz ou básico). Esta erva ajuda a que os mantras frutifiquem, concede siddhis (poderes ocultos) e aumenta a concentração na meditação. É parte importante nos pujas (cerimônias) e tem importância similar à flor de lótus e as rosas, nas cerimônias sagradas. Ajuda a purificar o coração, física e espiritualmente. Considerada uma das ervas do amor. O Hibisco é uma planta medicinal do elemento água.

Habitat

Planta originária da China, bem adaptada ao Brasil.

Descrição da planta

Arbusto ou arvoreta, ramificada, de caule redondo, folhas ova ladas, crenadas, ápice acuminado e base obtusa, flores vermelhas grandes.

Vamos plantar?

Mesmo sendo de origem de clima temperado, adapta-se bem a clima tropical a subtropical. A planta exige solo fértil e bem drenado não tolera solos ácidos. Pode ser plantada como arbusto de destaque ou em cercas vivas, à beira de regatos. Fazer o plantio com um espaçamento de três mudas a cada 2 metros. Pode ser propagada por estacas e ramos, enraizadas em areia ou vermiculita. A época do plantio deve ser na primavera. A colheita inicia 14 a 15 meses após o plantio.

Artigos relacionados

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.itodas.com.br/bem-estar/florais-para-mulher • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 – Anônimo • Chinese and related North American Herbs – phytopharmacology and therapeutics values – Thomas S. C. Li – CRC Press • Dandelion Medicine – Brigitte Mars – Storey Books • Dukes Handbook of Medicinal Plants of Latin America – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Andrea R. Ottesen – CRC Press • Herbs for Healthy Skin, Hair and Nails – Brigitte Mars – Keats Publishing Inc • Indian Medicinal Plants – C.P Khare – Springer • Medicinal Plants – utilisation and conservation – 2ª revised and enlarged edition – P. C Trivedi – Aavishkar Publishers, Distributors • Plantas que curam – Enio Emmanuel Sanguinetti – Editora Rigel • Plantas medicinais na Amazônia e Mata Atlântica – Luiz Claudio Di Stasi e Clélia Akiko Hiruma-Lima – Editora Unesp • The Yoga of Herbs – Dr. David Frawley and Dr. Vasant Lad – Lótus Press • Florais do Mundo – Nei Naiff – Nova Era • Plants for life – Medicinal plants conservation and botanic gardens – Belinda Hawkins – BGCI • Medical Toxicology of Natural Substances – Foods, Fungi, Medicinal Herbs, Plants and Venomus Animals – Donald G. Barceloux MD, FAACT, FACMT, FACEP – Wiley – a Jonh Wiley & Sons, INC., Publication • Herbal medicines in pregnancy and lactation – an evidence-based approach – Edward Mills, Jean-Jacques Dugoua; Dan Perri; Gideon Koren – Taylor and Francis • Herbal Magick – a witchs guide to herbal folklore and enchantments – Gerina Dunwick – New Page Books • Taiwanese Native Medicinal Plants – Phytopharmacology and Therapeutics Values – Thomas S.C. Li, Ph.D. – CRC Press •
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email