Cabelo de Milho

Mais informações abaixo

Nome Popular: Cabelo de Milho

Outros nomes: barba-de-milho, estigmas-de-milho, milho-grosso, milho-maês, maíz (espanhol), maïs (francês), corn (inglês), granoturco (italiano).

Nome científico: Zea mays L.

Nomes botânicos: Mays americana Baumg., Mays zea Gaertn., Mayzea cerealis Raf., Zea canina S. Watson, Zea erythrolepis Bonaf., Zea hirta Bonaf., Zea saccharata Sturtev., Zea segetalis Salisb., Zea vulgaris Mill.

Nome farmacêutico: Stylus zeae

Partes usadas: estigmas.

Sabor: doce e neutro.

Constituintes químicos: Zeina, albumina, ácidos málico, tatárico e maizênico, alentoina, hordenina, peroxidade, oxigenase, maltose, proteinas, sais minerais e vitaminas A, B1, B2, e C, ácido acetil-salicílico, vitamina K.

Propriedades medicinais: diurético; depurativo; litagogo; colagogo; hipoglicemiante; anti-hipertensivo; hepático; antiinflamatório; hipotensor; calmante; anti-hemorrágico; analgésico; emoliente; hipocolesterolêmico; cardiotônico; gastrosedativo; vulnerário; litolítico; uterocontractante; colinérgico; antiagregante; anticancerígeno; antidecubitico; antigenotóxico; antimutagênico; antilactagogo; antiviral; antiperoxidante; afrodisíaco; proliferante; emenagogo; hemostático; inseticida; estomáquico; uricosúrico; hepatoprotetor; uterotônico; sedativo;

Indicações (Uso interno): ácido úrico e fosfato; para febres; icterícia; diabetes; infecção urinária; edemas inflamatórios; potente antioxidante; cistites; cólicas nefríticas; afecções da pele; feridas; úlceras; litíase renal (dissolve areias e cálculos renais diminuindo dores); uretrite; estimulante do músculo cardíaco; sedativo do trato digestivo; diarréia; congestão hepática; calmante; desequilíbrios do aparelho reprodutor; desinfetante das vias urinárias; nefrite; albuminúria; desinflama infecções da vesícula, rins e bexiga; diminui o inchaço em grávidas; acelera o metabolismo; distúrbios cardíacos; libera a urina; diarréia; alivia congestão hepática; colesterol; gota; obesidade; proliferador celular; aterosclerose; enurese; gonorréia; prostatite; inchaços; retenção de líquidos; incontinência urinária; pus na urina; incontinência noturna; edemas das juntas dos joelhos e os pés; angina; ascites; asma; câncer de mama e cólon; catarro; colecocistite; convulsões; disenteria; dismenorréia; dispepsia; disúria; febre; gripe; fungos; gastrite; hiperazotemia; hiperuricemia; ictiose; impotência; infertilidade; leucorréia; mucosidades; sarampo; osteomielite; periodontite; psoríase; malária; ciática; pulmonose; garganta dolorida; mal da altitude; dor de estômago; síndrome X (Martin & Bell); vaginite; uretrite; uterite; edemas suboculares;

Indicações (Uso externo): afecções da pele; abscessos; alopecia; escoriações; caspa; dermatose; eczema; psoríase; machucados; verrugas; abandono de vícios.

Indicações pediátricas: mesmas indicações que para adultos.

Utilizações na MTC: umidade-fleuma da Bexiga; umidade-fleuma-calor na Vesícula Biliar; estagnação do Qi do Rim.

Atuação nos canais: F, R, VB e B.

Elemento predominante na MTC: Terra.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 5 – Ervas para reduzir umidade do corpo.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Pitta e Kapha e aumenta Vata. Nome ayurvédico: Mahaa-Kaaya.

Rasa: doce.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: pode causar irritação em pessoas com inflamação na bexiga; pessoas com dificuldade para urinar devido inflamação da próstata (hipertrofia). Desaconselhado uso durante a gestação e lactação.

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Doses: de 15 a 60g, em decocção ou infusão/dia ferver e deixar descansando por 10 a 15 minutos; de 2 a 4g em pó/dia; de 10 a 20 ml de tintura de 2 a 3 doses diárias.

Formulações: EDEMAS e EXCESSO DE LÍQUIDOS – infusão de uma parte de cabelo de milho (zea mays), uma parte de dente-de-leão (taraxacum officinalis), uma parte de urtiga (urtica dióica) e uma parte de uva-ursi (arctostaphylos uva-ursi). INFECÇÃO URINÁRIA – infusão de cabelo de milho (zea mays), uma parte de dente-de-leão (taraxacum officinalis), uma parte de buchu (barosma betulina) e uma parte de uva-ursi (arctostaphylus uva-ursi).

Formulações populares: COMPRESSAS – de infuso sobre as afecções da pele ou como máscara facial.  INFUSÃO DE ESTIGMA SECO – tomar 2 a 3 xícaras de chá ao dia. Use um punhado para dois copos de água. Adicione água sobre os fios de milho e deixe em infusão por dez minutos num recipiente fechado. Coe e beba três xícaras de chá por dia. A mistura é muito rica em nitrato de potássio, sem contra indicações. Secar ao sol e guardar dentro de um pote de vidro, bem tapado.

Planeta regente: Vênus e Saturno. Utilizada em tratamentos de patologias associadas ao signo de Libra.

Uso Veterinário: uso apenas alimentício em algumas espécies.

Indicações energéticas ou mágicas: os índios da América consideravam o milho um dom do deus Hiawatha. Planta sagrada para as divindades Centeotl, Ceres, Chicomecohuatl, Cinteotl, Kornjunfer, Krumine, Mother Corn, Onatha, Osiris, Robigo, Robigus, Selu, Xilonen, Xochipili.

Habitat: originário da América Tropical passou a ser cultivado em todo o mundo a partir do Séc. XV.

Informações clínicas e/ou científicas: glicoproteínas separadas do cabelo de milho inibiram a formação de anticorpos IgE e incrementaram a formação de IgG e IgM. Estes demonstraram ação antiviral e antitumoral.

Descrição botânica: planta de caule grosso, com um a três metros de altura, folhas largas, planas e pontiagudas. O milho é chamado de monóico, porque possui as flores dos dois sexos na mesma planta, os estigmas das espigas femininas são muito compridos, parecendo fios de cabelos. Os grãos ficam um do lado do outro, assim cobrindo a espiga.

Toxicidade: não apresenta toxicidade nos doses recomendadas. Muitas amostras de milho são contaminadas com Bacillus cereus. Outras ainda são encontradas contaminadas com Fusarium spp, Penicillium spp, Aspergilus flavus e A. Níger. Também o nível de contaminação por Cryptococcus lauremtii foi maior que 10(4) cfu/g.

Observações: pessoas que ingerem alimentos ricos em carotenóides como o milho têm mais resistência à infecção respiratória. Auxilia na eliminação do sódio. O milho é rico em amidos e proteínas, mas não é indicado para substituir as proteínas, pois ele necessita de dois aminoácidos essenciais que é a lisina e o triptofano.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.ednatureza.com.br/milho.htm • Fórmulas Mágicas – Dr. Alex Botsaris – Ed. Nova Era • IFT – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Apostila de Fitoterapia Chinesa – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • Segredos e virtudes das plantas medicinais – Seleções do Readers Digest • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke – CRC Press • Indian Medicinal Plants – C.P Khare – Springer • Practical Handbook of Plant Alchemy – Manfred M. Junius • A taste of heritage – crow indian recipes and herbal medicine – Alma Hogan Snell – Lincoln and London • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hacehtte • As plantas e os planetas – Ana Bandeira de Carvalho – Ed. Nova Era • Dandelion Medicine – Brigitte Mars – Storey Books • Vademecum de Fitoterapia – Pedro del Rio Pérez • Yoga of Herbs – Dr. David Frawlwy and Dr. Vasant Lad – Lótus Press • Fórmulas Mágicas – Dr. Alex Botsaris – Ed. Nova Era •  100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF •