Boldo do Chile.

Mais informações abaixo

Nome Popular: Boldo do Chile.

Outros nomes: boldo-verdadeiro, boldo (espanhol, inglês, italiano).

Nome científico: Peumus boldus Molina

Nomes botânicos: Boldu boldus Lyons, Boldea fragrans Gay, Ruizia fragrans.

Nome farmacêutico: Boldo folium

Partes usadas: folhas e óleo essencial.

Sabor: amargo, picante e refrescante.

Constituintes químicos: alcalóides derivados da aporfina (boldina, reticulina, isocoridina, esparteína), mirtenal, 1,8-cineol, p-cimeno, eucaliptol, ascaridol, flavonóides (pneumosídeo e boldosídeo), 1-metil-4-isopropenil-benzeno, 2-decanona, 2-heptaona, 2-nonanona, 2-octanona, alfa-3-careno, alfa-fenchol, alfa-hexilcinamaldeído, alfa-methilionona, alfa-pineno, alfa-terpineol, benzaldeído, benzil-benzoato, beta-pineno, boldoglucina, bornil-acetato, canfeno, cânfora, colina, cumarina, cuminaldeído, eugenol, farnesol, fenchona, gama-terpineno, isoboldina, isocoridina, óxido-n-isocoridina, isorhamnetina-3-glucosídeo-7-rhamnosídeo, kaempferol-3-glucosídeo-7-rhamnosídeo, laurolitsina, laurotetanino, limoneno, linalol, metil-eugenol, norisocoridina, p-cimol, rhamnetina-3-arabinosídeo-3′-rhamnosídeo, sabineno, terpinen-4-ol, terpinolino, 2-tridecanono, 2-undecanono, eta-isometilionono, n-metillaurotetanino, paquicarpina, resina, reticulina, taninos, sitosterol, sais minerais, ácidos orgânicos, glicídeos e lipídeos.

Propriedades medicinais: colagogo; anestésico; anódino; anti-helmíntico; anti-séptico; antibacteriano; antifúngico; antiinflamatório; antimicrobiano; antioxidante; carminativo; colerético; demulcente; depurativo; desintoxicante; digestivo; diurético; estimulante biliar; estomáquico; hipnótico; hepatoprotetor; hepatônico; anti-espasmódico; citoprotetor; laxante; sedativo; analgésico; antipirético; abortifaciente; antiagregante; anticolinérgico; antidiabético; anti-histamínico; antimutagênico; antiperoxidante; antiprostagladíno; anti-radicular; antiulcerativo; aperitivo; bloqueador do canal de cálcio; candidícida; carcinogênico; cardiodepressor; coloprotetor; convulsante; decongestante; fungicida; gastroestimulante; glutatiogênico; hepatotônico; hepatotóxico; hipouricêmico; miorelaxante; narcótico; nervino; NO-inibidor; orexigênico; paralítico; parasiticida; tóxico; secretagogo; sialagogo; uterorelaxante; vasoconstritor; vasorelaxante; xantina-oxidase inibidor.

Indicações (Uso interno): intolerância à gordura; síndrome pós-hepatite; hepatite crônica; digestão lenta; inapetência; diarréia por má absorção dos alimentos; evita formação de cálculos biliares; recuperação de doenças crônicas e prolongadas; cistite; pedra nos rins; afecções do fígado e da vesícula; cólicas; dispepsias; febre; fraqueza; gota; insônia; flatulência com odor fétido; icterícia; prisão de ventre; reumatismo; ácido úrico; estimula secreções gástricas e biliares; inibidor da síntese das prostaglandinas; suavemente laxativo; meteorismo; cefaléia; transtornos digestivos; demulcente urinário brando; colecistite com dores; auxilia na drenagem do organismo; esteatose hepática; disquenesia biliar; envelhecimento; anorexia; artrose; aterosclerose; candidíase; resfriados; colite; cistose; debilidade; diabete; disquenesia; dispnéia; dor de ouvido; edema; enterose; queimação; malária; enxaqueca; micoses; letargia; nefrose; obesidade; oligúria; dores; dor de estômago; uterose; urogenitose; vertigens; retenção de líquido; vermes; fermentações.

Indicações (Uso externo): contusões; micoses.

Indicações pediátricas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Utilizações na MTC: estagnação do Qi do Fígado e do Estômago; umidade-fleuma-calor. Elimina calor.

Atuação nos canais: F, BP, R e E.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 9 – Ervas que promovem a digestão.

Ayurveda (Ação nos doshas): equilibra Pitta, Vata e Kapha.

Rasa: amargo.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: o óleo essencial tem ação sobre o SNC e tem potencial alucinógeno. Combate a diarréia e favorece o fígado. Não deve ser utilizado internamente. Externamente deve ser utilizado diluído.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: evitar na gravidez; evitar em hepatites agudas. Em doses excessivas pode ser tóxico e causar vertigens, náuseas, agitação, alucinações e convulsões. Pode causar hemorragias internas com uso prolongado e em altas doses além de hepatoxicidade, hiperemia da mucosa gastrointestinal levando a inflamações, distúrbios de coordenação e alterações do sistema nervoso. Pode ser abortivo. Evitar em pessoas com pedras nos rins; obstrução das vias biliares; pessoas com febres intermitentes. Não fazer uso em pessoas com asma ou pneumonia. Deve-se evitar ingerir a planta in natura.

Interações medicamentosas: pode potencializar o efeito de depressores do SNC, com risco de depressão respiratória. Não devem ser usados concomitantemente; pode causar reação dissulfiram-semelhante se o produto contiver álcool. Potencializa o efeito de diuréticos; Uma mulher com 67 anos, usando 2mg de varfarina; teve aumento nos parâmetros anticoagulantes ao usar boldo após as refeições e feno-grego antes. Uma semana após o término do uso do boldo e do feno-grego, os parâmetros voltaram à escala terapêutica. Como a paciente recuperou-se parou de tomar os produtos, foi diminuída a dose da varfarina em 15% para manter os parâmetros dentro da escala terapêutica.

Doses: máximo de 200ml em infusão ou decocção/dia a 5%; máximo de 5ml em extrato fluido/dia; máximo de 25ml em tintura/dia.

Formulações: mesmas abaixo.

Formulações populares: CATAPLASMA – preparado com as folhas do boldo chileno, abacate e arruda é utilizado em hemorróidas e helmintoses.

Planeta regente: questões associadas ao trânsito de Vênus em sagitário, Júpiter em virgem, Júpiter em Capricórnio, Saturno em virgem; Saturno em Libra; Saturno em Sagitário, Urano em Escorpião, Urano em Capricórnio. Regente: Júpiter.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas: acalma os nervos e traz claridade em situações que nos sentimos angustiados e estressados. Ajuda a digerir traumas.

Habitat: planta originária dos Andes Chilenos e Peruanos.

Informações clínicas e/ou científicas: o Conselho Europeu colocou o boldo como sendo um suplemento alimentar (o que ocorre com quase todas as plantas medicinais comercializadas na Europa).

Descrição botânica: Boldo-do-Chile é uma árvore arbustiva, de crescimento lento, pode atingir mais de 10 metros de altura, possui folhas grossas de sabor amargo que resistem a verões secos e invernos frios e chuvoso. O Boldo-do-Chile também pode ser encontrado como vegetação nativa no Marrocos e é atualmente cultivado em vários países como Itália, Brasil e norte da África. Produz pequenos frutos redondos e esverdeados, comestíveis e sabor agradável.

Toxicidade: Superdosagem: acima de 100mg de extrato seco. Com 15g de erva seca mostra-se fatal em cães. É considerado abortivo e pode causar hemorragia interna. Suas folhas contém 40% de ascaridole, um componente tóxico e por isso não é recomendado seu uso prolongado.

Observações: pode intensificar os efeitos de depressores do SNC com risco de depressão respiratória. Pode causar reação se utilizada em conjunto com álcool (evitar tintura). Potencializa o efeito de diuréticos. Pode causar mudança das taxas sangüíneas de alguns elementos. Tem odor muito próximo ao da Erva de Santa Maria devida a presença de uma mesma substância. O Boldo-do-Chile é geralmente encontrado no Brasil em farmácias especializadas, na forma de elixir, tinturas e drágeas, ou no comércio de chás. As suas folhas foram estudadas pela primeira vez na Europa em 1896 pelo médico francês Dujardin Baumez. No entanto, seu uso é muito antigo: algumas de suas propriedades medicinais são conhecidas há séculos por grupos indígenas e povos da região andina.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.fitoterapicos.info/boldo-do-chile.php • http://www2.mtc.med.br/mtc/home/default.asp?titulo=Estudo%20das%20Plantas%20Medicinais528&staticpage=yes&sub=528 • http://oleosessenciais.org/category/aromaterapia/ • http://www.oficinadeervas.com.br/detalhe.php?id_produto=18&p=boldo-do-chile • http://alemdoaroma.com/Aroma.html •Apostila de Fitoterapia Chinesa – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • IFT – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Vademecum Soria Natural • Vademecum de Homeopatia – www.salutes.com.ar • El libro verde de botanica magica – fórmulas y secretos del Maestro Sri Deva Fenix • Pharmacodynamic basis of herbal medicine- Manuchair Ebadi -Taylor and Francis • Cultivo de plantas medicinais – conhecendo corretamente as plantas medicinais – Furlan • A cura pela natureza – enciclopédia familiar dos remédios naturais – Jean Aikenbaum e Piotr Daszkiewicz – Editora Estampa • As plantas e os planetas – Ana Bandeira de Carvalho – Ed. Nova Era • Vademecum de Fitoterapia – Pedro del Rio Pérez • Dukes Handbook of Medicinal Plants of  Latin America – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Andrea R. Ottesen – CRC Press • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke – CRC Press • Los Remedios de la Abuela – Jean Michel Pedrazzani • Plantas medicinais na Amazônia e Mata Atlântica – Luiz Claudio Di Stasi e Clélia Akiko Hiruma-Lima – Editora Unesp • Segredos e virtudes  das plantas medicinais – Seleções do Readers Digest • Tylers Herbs of Choice – the terapheutic use of phytomedicinals – Dennis V. C. Awang – CRC Press • Yoga of Herbs – Dr. David Frawlwy and Dr. Vasant Lad – Lótus Press • Plantas que curam – Enio Emmmanuel Sanguinetti- Editora Rigel • Fórmulas Mágicas – Dr. Alex Botsaris – Ed. Nova Era • A vida cura a vida – Pe. Paulo Wendling – Paulinas • 100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF •