Nome Popular: Aveia

Outros nomes: aveia-cultivada; aveia hafer (alemão); avena (espanhol, italiano); avena, avoine (francês); avoine, common oat (inglês); oats (italiano).

Nome científico: Avena sativa L.

Nomes botânicos: Avena anglica Hort. ex Roemer & Schultes, Avena byzantina var. thellungiana (Malzev) Mor., Avena chinensis Fisch. ex Roem. & Schult., Avena chinensis Link, Avena cinerea hort. ex Roem. & Schult., Avena distans Schur, Avena fatua fo. glaberrima Thell., Avena fatua subsp. cultiformis Malzev, Avena fatua subsp. macrantha (Hack.) Malzev, Avena fatua subsp. praegravis (Krause) Malzev, Avena fatua subsp. sativa (L.) Thell., Avena fatua subvar. contracta (Neilr.) Malzev, Avena fatua var. sativa (L.) Hausskn., Avena fatua var. glaberrima (Thell.) Malzev, Avena flava Hort. ex Roem. & Schult., Avena fusca Schur, Avena fuscoflora Schur, Avena georgiana Roem. & Schult., Avena georgica Zuccagni, Avena grandis Nevski, Avena heteromalla Haller, Avena hungarica Lucé, Avena macrantha (Hack.) Malzev, Avena macrantha (Hack.) Nevski, Avena nigra Wallr., Avena nodipilosa (Malzev) Malzev, Avena orientalis Schreb., Avena pendula Gilib., Avena persarum Nevski, Avena podolica Pascal. ex Zuccagni, Avena ponderosa L. ex B.D. Jacks., Avena pseudosativa (Thell.) Herter, Avena pseudosativa Thell. ex Malzev, Avena racemosa Thuill., Avena rubra Zuccagni, Avena sterilis fo. pseudosativa Thell., Avena sterilis var. thellungiana Malzev, Avena tartarica Ard., Avena thellungii Nevski, Avena triseta Thunb., Avena unilateralis Brouss, ex Roem. & Schult., Avena verna Heuze, Avena volgensis (Vavilov) Nevski.

Nome farmacêutico: Herba et fructus Avenae.

Família: Poaceae.

Partes usadas: parte aérea, sementes.

Sabor: doce e quente.

Constituintes químicos: ácidos avênicos A e B, ácido pantotênico, ácido salicílico, albuminas, amido, apigenina, avenacosídeos A e B, carboidratos, carotenos, enzimas, fibras, glicídios, gluconinas, isoorientina, lipídios, maltose, niacina, óleos fixos (fonte de vitamina E), proteínas, sais minerais (sódio, fósforo, cálcio, ferro), vitamina B1 e B2, vitexina.

Propriedades medicinais: ansiolítica; antidepressiva; anti-hemorroidal; anti-reumática; antidiabética; aperiente; calmante; cicatrizante; digestiva; diurética; emoliente; expectorante; hepatoprotetora; hipotensora; laxante; nutritiva; refrescante; remineralizante; tônico reconstituinte nervoso; vitaminizante; hipoglicemiante; hipnótico; remineralizante; sedante; nervino;

Indicações (Uso interno): acalmar dores reumáticas; aumentar a lactação; ciática; cólica; convalescentes de doenças graves; de operações e de diarréias violentas; desinflamar as mucosas; diarréia; dores de garganta e do tórax; diabete; esclerose; estimular o apetite; estimular a energia física e psíquica e a capacidade de concentração; evitar o cansaço e reduzir a necessidade de sono; facilitar a digestão; regular os intestinos; fadiga nervosa; gota; gripe; hipertensão; insônia; nervosismo; perturbações hepáticas; prevenir a cárie dentária; reduzir a atividade tireoidiana; reduzir colesterol; rouquidão; tosse; insônia; bronquite, catarro; afecções pulmonares; hemoptise; oligúria; litíase renal; edemas; depressão; hipertensão; baixa concentração; exaustão física; debilidade geral; baixa libido; impotência masculina; excesso de atividade sexual; infertilidade; deficiências hormonais; anorexia; ejaculação precoce; síndrome pré-menstrual; ciática; dores de cabeça; resfriado;

Indicações (Uso externo): dar brilho aos cabelos; eczema; frieiras; impigens; queda de cabelo; furúnculos; acne; alterações das unhas e cabelos; dermatose; irritações cutâneas; prurido; ressecamento das mãos; hidratação pós-depilação; pós-sol;

Indicações pediátricas: desenvolvimento mental lento e as demais indicações para adultos.

Utilizações na MTC: nome chinês – Ye Yen Me. Tonifica o Qi do Baço. Para deficiência do Qi, do sangue (Xue) e Jing. Tonifica o yang do Rim. Move estagnação do Qi e do Qi do Útero. Elimina vento-frio externo. Elimina umidade-fleuma-frio. Movimenta os intestinos. Tonifica o Yin e o sangue (Xue).

Elemento predominante na MTC: Terra.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 11 – Ervas para regular o Qi • Categoria 14 – Ervas para reduzir ansiedade • Categoria 16 – Ervas para corrigir deficiências • Categoria 20 – Ervas para aplicações externas

Atuação nos canais: BP, P, R e VC e VG.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Vata e Pitta e aumenta Kapha.

Rasa: doce.

Virya: fria.

Vipaka: doce.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: FLORAIS DE SAINT GERMAIN – Aveia Selvagem (Asper mamosus) – Sétimo Raio Violeta, Segundo Raio Dourado, Décimo Segundo Raio Opalino . Nível da personalidade: essência floral que vem trabalhar nas pessoas o poder sobre as próprias decisões. Estado constante de indecisão. Esta essência floral trabalha as pessoas que já fizeram contato com o Eu Superior, mas que ainda, não conseguiram receber as informações que lhes são enviadas do alto. Aveia Selvagem promove o contato interno com as energias superiores, e remove a interferência, obstáculo/prisão, de cunho espiritual que impede o acesso ás orientações do alto. Floral que vem libertar para que possam ter a visão interna. Floral útil para as pessoas com falta de discernimento, para os que precisam ver o que têm que fazer, como também, onde exatamente colocar sua atenção. Esta essência floral Aveia Selvagem deve ser usada somente após ter sido feito um trabalho de pré-limpeza de traumas e de purificação, pois promove o início da ascensão na jornada espiritual. Floral útil também, nos casos de pedofilia; aos que abusam sexualmente; aos que cometem atos de aberração sexual com pessoas ou animais; etc.; aos que participaram de rituais de magia negra com ou sem sexo. Aveia Selvagem vem trabalhar o início da saída da consciência das sombras, em direção à Luz. Nesta essência floral foi usada a mesma planta do floral Wild Oat de Dr. Edward Bach. Essência floral extraída em Portugal em 2003. Nível da Alma: floral de grande poder de manifestação da ascensão. Com a presença dos Raios Violeta, Dourado e Opalino, transforma o ser para que a Divindade interior possa se libertar e reconhecer em todas as coisas criadas, a beleza do Eu Superior (a Presença Eu Sou em nós), e ver com a Visão do Eu Superior, para que cada um trilhe o seu caminho da Luz. FLORAIS DE BACH – Wild Oat – para aqueles que não definiram um caminho na vida. Não tem uma meta a seguir. Ajuda a reconhecer o próprio potencial e a desenvolvê-lo.

Homeopatia: utilizada para tratamento de depressão nervosa e de esgotamento nervoso. Também usada para pessoas com dificuldade para pensar, trabalhar e fixar a atenção. Para insônia, tendência a melancolia; cefaléia com sensação de queimadura no vértice da cabeça, estendendo-se à nuca e ao longo da coluna, com irritabilidade, prostração nervosa e insônia. Para perdas seminais e impotência. Tem efeito de cortar a coriza na dose de 15 gotas de T.M. ANOREXIA – por fadiga ou convalescença – Avena sativa D1 – 5 gotas antes das refeições. CONVALESCENÇA – 20 gotas de Avena sativa D1 antes das refeições. APETITE – para ausência de fome por diversos motivos – Avena sativa D1 9 gotas antes das refeições.

Contra-indicações: uso prolongado desta planta pode levar ao vazio de yin. O aumento da evacuação causado pela alimentação rica em aveia pode levar a irritação perineal em alguns casos, produzir gases e provocação distensão abdominal.

Interações medicamentosas: em pacientes com hipercolesterolememia a ingestão concomitante de 50 a 100g de farelo de aveia com 80mg de lovastatina conduziu a um aumento do colesterol LDL em comparação com o uso da lovastatina sozinha.

Uso Veterinário: um dos principais alimentos para cavalos.

Doses: Extrato fluido – 15 a 30 gotas 3X ao dia. Tintura – 20 a 60 gotas 3X ao dia. Creme e Gel – extrato coloidal a 10%.

Formulações: COLESTEROL – consumir o germe de aveia nas refeições. DORES REUMATISMAIS; CIÁTICA; PERTURBAÇÕES HEPÁTICAS; ECZEMA; FRIEIRAS; IMPIGENS – decocção – palha de aveia adicionada à água de banho. DIURESE E HIDROPISIA – decocção – três punhados de aveia em um litro e meio de água; ferver até que se reduza a um litro. Beber durante o dia. TOSSE; GRIPES; ROUQUIDÃO; CÓLICAS; QUEDA E BRILHO DOS CABELOS; FADIGA NERVOSA; DEPRESSÃO; ANSIEDADE; INSÔNIA E CONVALESCÊNCIA; AUXILIAR NO TRATAMENTO DA DIABETES E PREVENTIVO DE ARTERIOSCLEROSE E HIPERTENSÃO; REUMATISMO; DORES CIÁTICAS; PERTURBAÇÕES HEPÁTICAS; REDUZIR NÍVEIS DE COLESTEROL; FACILITAR A DIGESTÃO; REGULAR O INTESTINO; AUXILIAR EM CASOS DE PRISÃO DE VENTRE E HEMORRÓIDAS; ESTIMULAR O APETITE; ATENUAR DORES NO TÓRAX E NA GARGANTA; PREVENIR A CÁRIE DENTÁRIA – infusão das folhas. ÁCIDO ÚRICO – infusão – um punhado de palha de aveia triturada em um litro de água. ferver;  por 20 minutos. Beber durante o dia. ESTIMULANTE DO APETITE E ATENUAR AS DORES DE GARGANTA E DO TÓRAX; FADIGA NERVOSA; NERVOSISMO; INSÔNIA; REDUZIR A ATIVIDADE TIROIDIANA; COADJUVANTE NA DIABETE; ESCLEROSE; HIPERTENSÃO – infusão – duas a três colheres de café de flocos de aveia por chávena de água; tomar três vezes por dia. DEPRESSÃO NERVOSA, INSÔNIA e DESINTOXICAÇÃO – infusão das folhas. TABAGISMO – decocção – chá das sementes. HIDROPSIA – DECOCÇÃO – pó de 25g de sementes em 250 ml de água. Ferver por 15 minutos. Esfriar e coar. Tomar 4 chávenas diárias. DEPRESSÃO 2 – infusão – uma parte de erva-de-são-joão, uma parte de palha de  aveia, uma parte de melissa. REMINERALIZAÇÃO – infusão – uma parte de dente-de-leão, uma parte de urtiga, uma parte de cavalinha e uma parte de palha de aveia.

Formulações populares: DIARRÉIA – decocção – 50 g de aveia (depois de lavada em água corrente) em um litro de água; Ferver até o líquido reduzir à metade; filtrá-lo e adoçá-lo com mel. Beber em xícaras durante o dia. LUMBAGO E TOSSE CARARRAL – compressas – ferver dois punhados de farinha de aveia em pouco vinagre. Colocar a papa sobre uma gaze; aplicando-a sobre o local afetado. PICADAS DE INSETOS; TRATAMENTO PARA A PELE – adicionar à farinha de aveia; pequena quantidade de água (suficiente apenas para formar uma pasta). Aplicar sobre a pele. CATARROS BRONQUIAIS – cataplasma – ferver 1 colher de sopa de aveia em água até ter consistência de mingau. Aplicar no peito. ALCOOLISMO, ARTERIOESCLEROSE, ANGINA DO PEITO, ENFARTE DO MIOCÁRDIO, ESPASMOFILIA, HIDROPSIA, HIPOCONDRIA, SONO AGITADO, TABAGISMO, TIQUES, TUMORES, ÚLCERAS – alimentação com papa de aveia para desintoxicar, remineralizar e regenerar o organismo. LIMPEZA E HIDRATAÇÃO DA PELE – colocar três colheres de

sopa de mel e uma colher e meia de aveia em flocos. Misture até formar uma pasta homogênea e passe no rosto, fazendo uma suave fricção por três minutos. Lave com sabonete neutro. Repetir uma vez por semana. REUMATISMO – cataplasma – preparar com vinho e administrar quente no local. CHAGAS PÚTRIDAS – cataplasma quente – composto de 5 gramas de levedura de cerveja e 100 gramas de farinha de aveia. ÁCIDO ÚRICO – triture um punhado de palha de aveia e ferva por 20 minutos em 1 litro de água. Beba durante o dia. COLESTEROL – ingerir 50 gramas diárias de aveia ajuda a manter o colesterol sob controle. LUMBAGO – compressas – ferver 50 gramas de palha seca de aveia em 1 litro de água por 25 minutos.

Planeta regente: Regentes – Sol e Lua.

Indicações energéticas ou mágicas: utilizada em encantamentos para atrair dinheiro e prosperidade e em rituais para as colheitas.

Habitat: a aveia é nativa do norte da Europa, mas atualmente é cultivada em todo o mundo.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: a planta da aveia cresce até cerca de 1,5 m de altura, mas há variedades de porte baixo (sessenta centímetros). Cada planta produz três a cinco colmos ocos, cujo diâmetro tem cerca de meio centímetro. As folhas são estreitas, com cerca de 1,5 cm de largura e 25 cm de comprimento. As flores desenvolvem-se em panículas terminais de dez a cinqüenta centímetros e se reproduzem em espiguetas providas de um pedúnculo curto. Em cada panícula podem existir de 20 a 120 espiguetas.

Toxicidade: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Observações: os grãos são usados para preparar diversos uísques e; em alguns países; na fabricação de cerveja. Utilizada na fabricação de cremes e máscaras emolientes; tônicos para a pele e xampus. A palha da aveia é rica em cálcio. É uma excelente fonte de fibras para a nutrição. Antigamente a palha de aveia era utilizada para encher colchões, o que era propício para quem sofria de reumatismo. Pessoas que tenham sensibilidade ao glúten devem evitar usar a decocção e a tintura sem que esta tenha assentado. Convém decantar o líquido para a sua utilização. A aveia aumenta o volume de bolo fecal e a freqüência de evacuação. Recomendada uma hidratação adequada para dispersão da grande quantidade de fibras no trato intestinal. A aveia pode também ser industrializada: a partir da destilação da palha, obtêm-se o aldeído líquido chamado furfural. A demanda desse solvente na fabricação do nylon cresceu muito nos últimos anos.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.florais.com.br/si/site/1111 • http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?cod=1467 • Perfeccionamiento en acupuntura, oligoelementos y fitoterapia – Yves Requena • A cura pela natureza – enciclopédia familiar dos remédios naturais – Jean Aikenbaum e Piotr Daszkiewicz – Editora Estampa • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hachette • Anastásia Benvinda – plantas populares – Biblioteca Virtual • Plantas Medicinais – Manipulação artesanal, uso e costume popular – Angelo L. Robertina – PDF • Botânica Oculta – Paracelso • The Big Herbal Encyclopedia – Anônimo – PDF • Chinese and related North American Herbs  – phytopharmacology and therapeutics values – Thomas S. C. Li – CRC Press • Dandelion Medicine – Brigitte Mars – Storey Books • Vademecum de Fitoterapia – Pedro del Rio Pérez • Enciclopedia de plantas medicinales – Anônimo – PDF • Encyclopedia of Homeopathy – the definitive home guide to homeopathic remedies and treatments  for commons ailments – Dr. Andrew Lockie, MRCGP, FFHom – DK Delhi • Ervas do Sítio – Rosy L. Bornhausen – Bel Comunicação • A cura pelos remédios caseiros – Guia de ervas e medicina natural – Raunei Iamoni – Ediouro • Apostila de Fitoterapia Chinesa – Prof. Antonio de Bortolli – Delta Educação • Herbal Manual – the medicinal, toilet, culinary and other uses of 130 of the commonly used herbs – Harold Ward – L.N. Fowler and Co. Ltda • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Higiene e Tratamento Homeopático das Doenças Domésticas – Dr. Alberto Seabra – Associação Brasileira de Homeopatia • The Yoga of Herbs – Dr. David Frawlwy and Dr. Vasant Lad – Lótus Press • Plantas Medicinais – François Balmé – Ed. Hemus • Enciclopédia de Medicina Natural – Marcílio Franco da Costa Pereira – Madras •