Nome Popular: Uva-ursi

Outros nomes: uva-ursina, buxilo, búxulo, medronheiro, ursina, uva-de-urso, uva-ursi; bearberry e red bearberry (inglês); gayuba del pays (espanhol); raisin d’our (francês); uva ursina (italiano); bärentraube (alemão).

Nome científico: Arctostaphylos uva-ursi (L.) Spreng.

Nomes botânicos: Uvaursi procumbens, Arbutus buxifolia, Mairania uva-ursi, Arctostaphylus officinalis, Arbutus ursina, Arctostaphylos adenotricha (Fern. & J.F. Macbr.) A.& D. Löve & Kapoor, Arctostaphylos uva-ursi ssp. adenotricha (Fern. & J.F. Macbr.) Calder & Taylor, Arctostaphylos uva-ursi ssp. coactilis (Fern. & J.F. Macbr.) A.& D. Löve & Kapoor, Arctostaphylos uva-ursi ssp. longipilosa Packer & Denford, Arctostaphylos uva-ursi ssp. monoensis J.B. Roof, Arctostaphylos uva-ursi ssp. stipitata Packer & Denford, Arctostaphylos uva-ursi var. adenotricha Fern. & J.F. Macbr., Arctostaphylos uva-ursi var. coactilis Fern. & J.F. Macbr., Arctostaphylos uva-ursi var. leobreweri J.B. Roof, Arctostaphylos uva-ursi var. marinensis J.B. Roof, Arctostaphylos uva-ursi var. pacifica Hultén, Arctostaphylos uva-ursi var. stipitata (Packer & Denford) Dorn, Arctostaphylos uva-ursi var. suborbiculata W. Knight, Uva-Ursi uva-ursi (L.) Britt.

Nome farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Família: Ericaceae.

Partes usadas: folhas.

Sabor: amarga, adstringente e fria.

Constituintes químicos: ácido gálico, ácido elágico, ácido ursólico, amirina, arbutina, cálcio, fósforo, hipericina, iridóides (asperulosídeo, monotropeína), isoquercetina, metil-arbutina, mircetina, mircitrina, quercetina, quercitrina, taninos, uvaol.

Propriedades medicinais: diurética; antibacteriana; antiinflamatória; anti-séptica; anti-reumático.

Indicações (Uso interno): blenorragias; catarros vesicais; cistite; cálculo renal e urinário; inflamações da boca, garganta, intestinos, próstata, uretra e genitais; micção dolorosa; dermatite de contato e reações de hipersensibilidade alérgicas, artrites; imuno-inflamações; hipertrofia da próstata; leucorréia;

Indicações (Uso externo): não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações pediátricas: as mesmas indicações que no uso para adultos.

Utilizações na MTC: elimina umidade-calor no Jiao inferior; elimina umidade.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 2 – Ervas para reduzir calor excessivo do corpo • Categoria 5 – Ervas para reduzir umidade do corpo.

Atuação nos canais: F, B e R.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Kapha e Pitta e aumenta Vata.

Rasa: amargo e adstringente.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: utilizada na cistite crônica com dor, tenesmo, muco e sangue na urina especialmente devido a cálculos. Facilita a expulsão de cálculos, pielite, inércia uterina, hematúria renal, quiluria, gonorréia crônica e bronquite crônica. Doses: 1º a 3ª.

Contra-indicações: gestantes, lactantes; crianças de 12 anos; pessoas com sensibilidade estomacal ou duodenal; uso excessivo provoca náuseas, vômito; espasmos genitais; convulsão e colapso. A urina pode assumir coloração verde. Uso prolongado pode causar danos ao fígado e prisão de ventre. Tratamento não deve ultrapassar 10 dias consecutivos.

Interações medicamentosas: a arbutina pode potencializar a ação inibitória da prednisona e dexametasona tanto na dermatite de contato quanto na artrite.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Doses: 5 a 10 ml de tintura/dia (última dose às 17h); 4g de folhas frescas (1 colher de sopa para cada xícara de água fria) maceradas por uma noite por até 3X dia com intervalos menores que 12 horas; 1 à 6g de pó/dia; 2g de extrato seco/dia e 1,5 a 4g de extrato fluido 3x/dia.

Formulações: CISTITE – cozinhe 40 gramas de folhas de uva-ursi em 1 litro de água e deixe ferver por 6 minutos. Tome 3 xícaras ao dia, com mel.

Formulações populares: ver acima.

Planeta regente: Regentes – Marte e Plutão. Associada ao signo de escorpião.

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat: nas latitudes mais setentrionais da Europa e elevadas montanhas, na Ásia e na América.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: pequeno arbusto de caules rasteiros cresce em densos maciços ou em vastas manchas. Apenas os ramos floríferos se erguem ligeiramente. Da planície à montanha pode invadir, em povoamento exclusivo, grandes extensões de matas e rochedos. Prefere os locais pedregosos, secos e sombrios.

Toxicidade: a hidroquinona é tóxica em grandes doses. A DL50 oral em ratos é 320mg/kg o que equivale a 19g para um adulto com 60 kg. A ingestão de 1g de hidroquinona pode causar zumbido no ouvido, náusea, vômito, cianose, convulsões e colapso. A ingestão de 5g da hidroquinona pode causar a morte. Estes sintomas são raros e, a maioria dos produtos comerciais possui menos de 1g de uva-ursi bruta por dose. Doses de até 20g de uva-ursi não causaram respostas farmacológicas adversas em indivíduos saudáveis.

Observações: no século XVI, a Escola de Mompellier enalteceu as propriedades da uva­ursina como diurético, dissolvente dos pequenos cálculos e desinfetante das vias urinárias. Porém, no século XVIII esta planta perdeu prestígio, provavelmente após qualquer erro no modo de utilização. O tanino contido nas folhas serve, no Norte da Europa, para preparar as peles com que se fabrica o couro da Rússia. Além disso, obtêm­se das folhas tintas castanhas, cinzentas ou pretas, dependendo do reagente utilizado. A uva­ursina foi importada em grandes quantidades da Ásia para a

Europa para ser misturada com o tabaco. O nome de uva­de­urso refere­se aos seus frutos farinhentos e apetitosos, segundo se supõe muito apreciados pelos ursos. Sabe­se, no entanto, que as abelhas visitam as suas flores melíferas.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Higiene e Tratamento Homeopático das Doenças Domésticas – Dr. Alberto Seabra – Associação Brasileira de Homeopatia • Vademecum de Fitoterapia – Pedro del Rio Pérez • A cura pelos remédios caseiros – Guia de ervas e medicina natural – Raunei Iamoni – Ediouro • Wicca – A Feitiçaria Moderna – o livro das ervas, magias e sonhos – Gerina Dunwich • Segredos e virtudes  das plantas medicinais – Seleções do Readers Digest •