Nome Popular: Unha de gato

Outros nomes: uña de gato, bejuco de água, garabato amarillo, jipotatsa, rangayo, samento, tua juncarauña de gavilan, unganangui (espanhol), cat’s claw (inglês), unghia di gatto (italiano), saventaro (índios Ashaninka), katzenkralle (alemão), griffe du cat (francês),

Nome científico: Uncaria tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.); DC.

Nomes botânicos: Nauclea aculeata Kunth, Nauclea tomentosa Willd. ex Roem. & Schult., Ourouparia tomentosa (Willd. ex Roem. & Schult.) K. Schum., Uncaria surinamensis Miq., Uncaria tomentosa var. dioica Bremek.

Nome farmacêutico: Uncariae herba.

Família: Rubiaceae

Partes usadas: casca, folhas, raízes.

Sabor: amargo.

Constituintes químicos: acetoxidihidronomilina, ácido alfa-trihidroxi-ursenóico, carboxistrictosidina, ácido acetiluncárico, ácido adípico, alcalóides (especiofilina (uncarina D), isomitrafilina, isopteropodina (unicarina E), mitrafilina, pteropodina (unicarina C), uncarina F, rincofilina), aloisopteropodina, alopteropodina, angustina, campesterol, carboxistrictosidina, catecol, D-catechina, DL-catecol, ácido catecutânico, beta-sitosterol, corinanteína, corinoxeína, dihidrocorinanteína, óxido-n-dihidrocorinanteína, dihidrogambirtanino, ácido elágico, L-epicatecol, epicatechina, estigmasterol, ácido gálico, hanadamina, hirsutina, hirsuteína, óxido-n-hirsutina, hiperina, 3-iso-19-epi-ajmalicina, isocorinozeína, isorrincofilina, óxido-n-isorrinchofilina, isorotundifolina, ácido cetouncárico, 11-metoxiohimbina, ácido oleanólico, ourouparina, oxogambirtanino, ácido quinóvico, rotundifolina, uncarina, ácido ursólico.

Propriedades medicinais: anti-reumático; antibacteriano; antiinflamatório; antimutagênico; antioxidante; antitumoral; antiviral; citostático; contraceptivo; depurativo; diurético; hipotensor; imunoestimulante; regenerador celular; vermífugo; analgésico; antiagregante; anti-alzhaimer; antiamiloidose; antiapoptótico; antiarrítmico; anti-artrítico; anticoagulante; antidepressivo; antidiabético; antidisentérico; antiedemico; anticoncepcional; anti- HIV; hipotensor; antileucêmico; antimelanômico; antimestástico; antiprogesterônico; antiproliferante; antiprostaglândino; antiradicular; antirinoviral; antisarcômico; antiestomáquico; antitrombótico; antiulcerogênico; afrodisíaco; cálcio antagonista; contraceptivo; inibidor de COX-2; inibidor de ciclooxigenase; citoprotetor; desintoxicante; dopaminergético; estrogênio antagonista; febrífugo; gastroprotetor; hipocolesterolêmico; interleuquinogênico; leucocitogênico; inibidor de 5-lipooxigenase; inibidor de NF-kB; fagocitogênico; inibidor de TNF; vasodilatador; vulnerário; anti-neoplásico; regulador menstrual; resolutivo; anti-asmático;

Indicações (Uso interno): abscessos; afecções intestinais; AIDS (como complemento no coquetel); artrite; asma; bursite; câncer de mama; pulmão; cérebro e próstata; candidíase; cáries; preveni coágulos cerebrais; estimula a circulação; cirrose; protetor do coração; diabete; disenteria; doenças epidêmicas; doenças ósseas; doenças urinárias; envelhecimento precoce; febres; gastrite; gonorréia; hemorragias; herpes; irregularidade menstrual; leucemia; abaixa a pressão sanguínea; prostatite; reduz ação mutagênica do tabaco; reumatismo; rinites; sinusites; úlceras gástricas; artrose; diarréia; alergias; Mal de Alzheimer; arritmia; ascite; astenia; esfriado; colite; Doença de Crohn; debilidade; depressão; diverticulite; duodenite; dismenorréia; dispepsia; edemas; enterite; gripe; gastrite; hepatite; impotência; infecções; leucemia; leucopenia; linfoma; melanoma; metástase; mialgia; nefrite; neuralgia; osteoalgia; osteoartrite; osteoporose; dores; Mal de Parkinson; pneumonia; prostatite; sarcoma; estomatite; derrame; virose;

Indicações (Uso externo): dermatite; neurodermatite; picada de cobra; contusões; machucados; inchaço; cobreiro; herpes zoster;

Indicações pediátricas: desaconselhado uso pediátrico.

Utilizações na MTC: elimina vento e pára tremores. Elimina fogo tóxico do organismo.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 3 – Ervas para agir contra reumatismoCategoria 16 – Ervas para corrigir deficiências.

Atuação nos canais: F, P, T.A, E e R.

Ayurveda (Ação nos doshas): tridosha. Equilibra Vata, Pitta e Kapha.

Rasa: amargo.

Virya: fria.

Vipaka: picante.

Informações em outros sistemas de saúde: planta venerada pelos índios Ashaninka como um imonuestimulante com poder excepcional. Utilizam para tratar artrite, asma, dores nos ossos, câncer, inflamação urinária, anticoncepcional e doenças em geral. Colombianos a utilizam para tratar gonorréia e disenteria. Peruanos a utilizam para abscessos, artrite, asma, hemorragias, desordens do sangue, ossos machucados, câncer, cirrose, dermatite, diabete, diarréia, disenteria, dismenorréia, enterite, febre, gastrite, gonorréia, herpes, HIV, imunodepressão, inflamações, nefrite, prostatite, reumatismo, cobreiro, tumores, úlcera, urogenitose e contusões. Surinameses a usam para disenteria, enterite e contusões.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: mulheres grávidas e lactantes, crianças menores de três anos, pacientes com ou a receber transplantes de órgãos, enxertos de pele, em terapia de imunossupressão, usuários de hipotensivos, enfermidade autoimune, esclerose múltipla, tuberculose, gastrite, úlcera péptica. Pode provocar diarréia, alterar a consistência dos intestinos, náusea moderada, hipotensão e falência renal aguda.

Interações medicamentosas: interage com medicamentos imunossupressores, anti-histamínicos H2 e inibidores da bomba de prótons, pois os alcalóides da casca necessitam de pH ácido serem absorvidos.

Uso Veterinário: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Doses: de 500 a 1.000 mg do pó da casca 3X/dia após as refeições; de 50 a 100 gotas de tintura de 8 e 8 horas; decocção a 2% de 3 a 4 xícaras ao dia.

Formulações: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Formulações populares: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Planeta regente: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat: originária da floresta tropical da América Central e do Sul.

Informações clínicas e/ou científicas: a unha-de-gato ativa a fagocitose (um dos mecanismos de defesa celular do corpo) do sangue. As células estimuladas tornam-se mais agressivas contra as células estranhas e sua ação é reforçada. Também age diminuindo a pressão arterial e inibindo a degradação dos vasos. Minimiza os efeitos inconvenientes ligados ao tratamento com AZT e radioterapia. Médicos peruanos realizaram experiência com resultados interessantes em tratamento de 14 tipos de câncer. Pesquisadores canadenses da Universidade de Ottawa documentaram que um extrato integral da vinha demonstrou um forte efeito imunoestimulante em 1999. Pesquisadores peruanos independentes demonstraram que um extrato integral da vinha aumentou a função imune em ratos a uma dosagem de 400 mg/kg em um estudo realizado em 1998.

Descrição botânica: é uma vinha de madeira larga e seu nome é proveniente dos espinhos em forma de gancho que crescem ao longo da vinha e envolvem a planta. Possui espinhos pequenos e flores branco-amareladas e é uma trepadeira arbustiva que cresce apoiada geralmente em uma árvore, com folhas compostas, opostas e ovais. 

Toxicidade: sem toxicidade nas doses recomendadas.

Observações: muitas variedades da Unha de Gato mexicanas possuem propriedades tóxicas.  Em 1995, essa planta foi de grande importância no tratamento das vítimas do acidente nuclear ocorrido em Chernobyl, na Ucrânia.

Fontes de pesquisa:

www.plantamed.com.br • http://www.casadoguarana.com.br/noticias/49-unha-de-gato.html • http://www.jardimdeflores.com.br/ERVAS/A12unhadegato.htm • A cura pela natureza – enciclopédia familiar dos remédios naturais – Jean Aikenbaum e Piotr Daszkiewicz – Editora Estampa • Vademecum de Fitoterapia – Pedro Del Rio Pérez – Quitanda de Rueda (León – España) Diciembre/2005 • Dukes Handbook of Medicinal Plants of  Latin America – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Andrea R. Ottesen – CRC Press • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB •