Nome Popular: Ipecacuanha

Outros nomes: ipeca, ipecacuanha-anelada, poaia, ipeca, cipó-emético, poaia-verdadeira, poaia-das-boticas, raiz-do-brasil, (espanhol) bejuquillo, pecahonda, poaja, raiciila, raiz brasileha, anillada menor, (francês) ipécacuane, (inglês) ipecacuan.

Nome científico: Cephaelis ipecacuanha (Brot.) A. Rich.

Nomes botânicos: Callicocca ipecacuanha Brot., , Evea ipecacuanha (Brot.) Standl., Uragoga ipecacuanha (Brot.) Baill., Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes.

Nome farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Família: Rubiaceae.

Partes usadas: raiz.

Sabor: amargo e adstringente.

Constituintes químicos: amido, emetina, cefalina, psicotrina, metil-psicotrina, emetamina, ipecamina, hidro-ipecamina, ácido ipecacuânico, matéria muciloginosa e péptica, resinas.

Propriedades medicinais: expectorante; emético; amebicida; antidesintérico; febrífugo; mucolítico; adstringente; antidiarréico; diaforético; estimulante; antinauseante (em doses baixas); analgésico; antiespasmódico; colagogo; citotóxico; aperitivo; antiemético (em doses baixas); digestivo; hemostático; inseticida; rubefaciente; sialagogo; taquicárdico; tóxico; esternutatório;

Indicações (Uso interno): amebíase; bronquite; congestão pulmonar; diarréia; pneumonia; afecções respiratórias; esvaziamento estomacal em casos onde não é possível proceder a lavagem gástrica; utilizada em casos de envenenamento (pequenas doses); coqueluche; tosses catarrais; crupe (garrotilho); abscessos; alcoolismo; anorexia; asma; hemorragias; constipação; cólicas; hemorróidas; enjôo matinal; piorréia; garganta dolorida; febre; enterite; vermes; gastrite (doses baixas); hepatose lipídica;

Indicações (Uso externo): abscessos; feridas; piorréia; leucoderma; verme da guiné;

Indicações pediátricas: as mesmas que para adultos nas doses recomendadas para cada faixa etária.

Utilizações na MTC: eliminar fleuma-calor dos pulmões. Desintoxicação gástrica através do vômito. Previne perdas causadas por disenteria ou diarréia.

Elemento predominante na MTC: Madeira.

Classificação da Erva na MTC: Categoria 7 – Ervas para induzir vômito • Categoria 10 – Ervas para suprimir tosse e reduzir catarro • Categoria 17 – Ervas para contrair e obstruir os movimentos.

Atuação nos canais: P e F.

Ayurveda (Ação nos doshas): reduz Kapha e equilibra Vata e Pitta.

Rasa: amargo

Virya: fria.

Vipaka: picante

Informações em outros sistemas de saúde: os indígenas brasileiros tem a erva como uma panacéia que cura várias doenças.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Contra-indicações: pode ser irritante para a pele. Deve ser evitado durante a gravidez. Uso prolongado pode causar miopatias. Pode também provocar asma do farmacêutico se houver contato freqüente com a erva. Não deve ser usada por paciente com problemas cardíacos.

Interações medicamentosas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Uso Veterinário: é comum animais na natureza utilizarem a raiz da erva para problemas de diarréia e cólicas. Utilizada em tratamento de gastrite canina: 1g de pó da raiz em 100g de água fervente com uma pitada de ácido tartárico. Administrar uma colher a cada 3 horas.

Doses: 4-6 g de pó/dia dissolvidos em água. Para as crianças, 0,1 g por ano de idade. 8g de raiz triturada em 250 ml (um quarto de litro) de água em infusão. Crianças tomam de 1/6 a 1/3 da dose.

Formulações: EMÉTICO – xarope da erva que deve ser tomado acompanhado de grandes doses de água. Tomar de uma a duas colheres. Leva em torno de 20 minutos para manifestação dos efeitos. EXPECTORANTE – infusão – tomar de 4 a 5 colheres de hora em hora para evitar vômitos. CATARRO BRONQUIAL – administrar 0,01g do pó em uma hóstia, uma vez ao dia. HEMOPTISE (Hemorragia) – adicionar 1g do pó da raiz em 100g de água fervente e beber em seguida.

Formulações populares: ver acima.

Planeta regente: Regente – Saturno.

Indicações energéticas ou mágicas: erva utilizada em rituais das tribos indígenas na Amazônia por seus efeitos sobre o SNC.

Habitat: originária dos bosques úmidos e quentes do Brasil, Colômbia, Peru e México.

Informações clínicas e/ou científicas: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Descrição botânica: pequeno arbusto de 30 a 50 cm de altura, da família das

Rubiáceas, com raízes longas e aneladas. As suas flores, brancas e pequenas, crescem num capitulo terminal.

Toxicidade: planta venenosa. Doses acima das indicações terapêuticas podem provocar vômitos violentos. Apresenta a Psychotria, que inclui várias espécies com compostos de ação no SNC e muito usada em rituais, especialmente na Amazônia. A superdosagem começa entre 1 e 2g. Uso acima dessa dosagem pode causar erosão da mucosa do trato gastrointestinal, taquicardia, queda da pressão arterial e arritmias cardíacas, além de comprometimento da função respiratória, convulsões, choque e coma. Em caso de envenenamento proceder a lavagem gastrointestinal, hidratação, uso de carvão ativado e medicação sintomática como diazepan intravenoso, reposição eletrolítica com acompanhamento da função renal e respiratória de acordo com a gravidade do caso.

Observações: como a maioria das ervas que tem nomes indígenas a ipecacuanha prefere os climas quentes. É muito comum a incidência em terrenos baldios, apesar de que com a exploração começa a ser rara. Não deve ser usada junto com o chimarrão.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • 100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF • Enciclopedia de plantas medicinales – Anônimo – PDF • Plantas Medicinais- Coletâneas de Saberes – Schirlei da Silva Alves Jorge • Plantas medicinais na Amazônia e Mata Atlântica – Luiz Claudio Di Stasi e Clélia Akiko Hiruma-Lima – Editora Unesp • As plantas que curam – enciclopédia de plantas medicinais – Volume 1 – Dr. Jorge D. Pamplona Roger • Veterinary Herbal Medicine – edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère – Mosby/Elsevier • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hachette • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Plantas Medicinais – François Balmé – Ed. Hemus • The Way of Herbs – Michael Tierra C.A, N.D – Pocket Books • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke – CRC Press • Plantas que curam – Enio Emmanuel Sanguinetti – Editora Rigel •