Ipecacuanha

Como a maioria das ervas que tem nomes indígenas, a ipecacuanha prefere os climas quentes. É muito comum sua incidência em terrenos baldios, apesar de que, com a exploração, começa a se tornar rara. Não deve ser usada junto com o chimarrão. Veja mais informações abaixo.

Nome científico

Cephaelis ipecacuanha (Brot.) A. Rich.

Nome conhecido

Ipeca, Ipecacuanha-Anelada, Poaia, Ipeca, Cipó-Emético, Poaia-Verdadeira, Poaia-Das-Boticas, Raiz-Do-Brasil (Português), Bejuquillo, Pecahonda, Poaja, Raiciila, Raiz Brasileha, Anillada Menor (Espanhol), Ipécacuane (Francês), Ipecacuan (Inglês).

Nomes botânicos

Callicocca ipecacuanha Brot., , Evea ipecacuanha (Brot.) Standl., Uragoga ipecacuanha (Brot.) Baill., Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes.

Nomes farmacêuticos

Ipecacuanhae radix.

Família

Rubiaceae.

Partes usadas

Raiz.

Sabor

Amargo e adstringente.

Composição química

Amido, emetina, cefalina, psicotrina, metil-psicotrina, emetamina, ipecamina, hidro-ipecamina, ácido ipecacuânico, matéria muciloginosa e péptica, resinas.

Propriedades medicinais gerais

Expectorante, emético, amebicida, antidisentérico, febrífugo, mucolítico, adstringente, antidiarreico, diaforético, estimulante, anti-nauseante (em doses baixas), analgésico, antiespasmódico, colagogo, citotóxico, aperitivo, antiemético (em doses baixas), digestivo, hemostático, inseticida, rubefaciente, sialagogo, taquicardíaco, tóxico e esternutatório.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Raízes – todas aplicações medicinais.

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: para amebíase, diarreia, esvaziamento estomacal em casos onde não é possível proceder a lavagem gástrica, constipação, cólicas, hemorroidas, enterite, vermes e para gastrite (em doses baixas).

Sistema Urinário e Genital:

Sistema Hepático: na hepatose lipídica.

Sistema Respiratório: na bronquite, congestão pulmonar, pneumonia, afecções respiratórias, tosses catarrais e asma.

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: nas hemorragias.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para anorexia e febres.

Outros distúrbios: utilizada em casos de envenenamento (pequenas doses), coqueluche, crupe (garrotilho), abscessos, alcoolismo, enjoo matinal, piorreia e garganta dolorida.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Raízes – todas aplicações medicinais.

Indicações para uso externo

Pele e unhas: em abscessos, feridas e leucoderma.

Cavidade bucal: para piorreia.

Outros distúrbios: para verme da guiné.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Raízes – todas aplicações medicinais.

Para crianças

As mesmas que para adultos, nas doses recomendadas para cada faixa etária.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

A erva pode ser irritante para a pele. Deve ser evitada durante a gravidez. Seu uso prolongado pode causar miopatias. Pode também provocar asma do farmacêutico, se houver contato frequente com a erva. Não deve ser usada por pacientes com problemas cardíacos.

Interações medicamentosas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade

Considerada planta venenosa. Doses acima das indicações terapêuticas podem provocar vômitos violentos. Apresenta a Psychotria, que inclui várias espécies com compostos de ação no SNC e muito usada em rituais, especialmente na Amazônia. A superdosagem começa entre 1 e 2g. Uso acima dessa dosagem, pode causar erosão da mucosa do trato gastrointestinal, taquicardia, queda da pressão arterial e arritmias cardíacas, além de comprometimento da função respiratória, convulsões, choque e coma. Em caso de envenenamento, proceder a lavagem gastrointestinal, hidratação, uso de carvão ativado e medicação sintomática como diazepan intravenoso, reposição eletrolítica com acompanhamento da função renal e respiratória de acordo com a gravidade do caso.

Uso culinário e nutritivo

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Medicina Chinesa (MTC)

Erva utilizada para eliminar fleuma-calor dos pulmões, para desintoxicação gástrica através do vômito. A ipecacuanha previne perdas causadas por disenteria ou diarreia. Atua nos canais do fígado e pulmões.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 7 – Ervas para induzir vômito • Categoria 10 – Ervas para suprimir tosse e reduzir catarro • Categoria 17 – Ervas para contrair e obstruir os movimentos.

Ayurveda

Esta erva reduz Kapha e equilibra Vata e Pitta. Sua rasa é amarga, sua virya é fria e sua vipaka é picante.

Uso homeopático

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais

É comum que animais na natureza utilizem a raiz da erva para problemas de diarreia e cólicas. Utilizada em tratamento de gastrite canina: 1g de pó da raiz em 100g de água fervente com uma pitada de ácido tartárico. Administrar uma colher a cada 3 horas.

Informações em outros sistemas de saúde

Os indígenas brasileiros têm a erva como uma panaceia que cura várias doenças.

O que diz a ciência

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia

Seu regente é Saturno.

Indicações energéticas ou mágicas

Erva utilizada em rituais das tribos indígenas na Amazônia por seus efeitos sobre o SNC.

Habitat

Originária dos bosques úmidos e quentes do Brasil, Colômbia, Peru e México.

Descrição da planta

Pequeno arbusto de 30 a 50 cm de altura, da família das Rubiáceas, com raízes longas e aneladas. As suas flores, brancas e pequenas, crescem num capitulo terminal.

Vamos plantar?

Esta erva é coletada por extrativismo vegetal.

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.br/ • 100 Plantas para viver até os 100 anos – Anônimo – PDF • Enciclopedia de plantas medicinales – Anônimo – PDF • Plantas Medicinais- Coletâneas de Saberes – Schirlei da Silva Alves Jorge • Plantas medicinais na Amazônia e Mata Atlântica – Luiz Claudio Di Stasi e Clélia Akiko Hiruma-Lima – Editora Unesp • As plantas que curam – enciclopédia de plantas medicinais – Volume 1 – Dr. Jorge D. Pamplona Roger • Veterinary Herbal Medicine – edited by Susan G. Wynn, Barbara J. Fougère – Mosby/Elsevier • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Hachette • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – EPUB • Plantas Medicinais – François Balmé – Ed. Hemus • The Way of Herbs – Michael Tierra C.A, N.D – Pocket Books • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz-Godwin, Judi duCellier, Peggy-Ann K. Duke – CRC Press • Plantas que curam – Enio Emmanuel Sanguinetti – Editora Rigel • Apostila Fitoterapia Chinesa com Ervas Brasileiras – Rodrigo Silveira – Ervanarium •