Erva de Bicho

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

A Erva de Bicho é da classe das plantas medicinais melíferas (que produzem mel). É utilizada na indústria da cana para refinar e condensar o açúcar. Mais informações abaixo.

Planta medicinal antiparasitária e de ação no cérebro.

Nome científico

Polygonum punctatum Elliott.

Nome conhecido

Apetiçoba, Catária, Pimenta-do-Brejo, Pimenta-d’água, Catala, Capiçoba, Percicária-do-Brasil, Petincobe, Potincoba, Erva-Pulgueira, Acataia, Capetiçoba, Caataiá, Cataia, Capetiçoba, Capitiçoba, Catala, Erva-Pulgueira, Pensicária-Urente, Persicária, Persicária-Mordaz, Pimenta-Aquática, Pimenta-Do-Brejo, Potincoba (Português), Water Smartweed (Inglês).

Nomes botânicos

Persicaria punctata (Elliott) Small, Persicaria punctata var. eciliata Small, Persicaria punctata var. robustior (Small) Small, Persicaria punctata var. tacubayana Nieuwl., Persicaria robustior (Small) E.P. Bicknell, Polygonum acre Kunth, Polygonum acre var. aquatile Meisner in Martius, Polygonum acre var. brachystachyum Meisn., Polygonum acre var. confertiflorum Meisn., Polygonum acre var. leptostachyum Meisn., Polygonum acre var. majus Meisn., Polygonum acre var. riparium Meisn., Polygonum antihaemorrhoidale fo. aquatile Mart., Polygonum antihaemorrhoidale fo. riparium Mart., Polygonum antihaemorrhoidale var. aquatile Mart., Polygonum antihaemorrhoidale var. riparium Mart., Polygonum epilobioides Wedd., Polygonum hydropiperoides Pursh, Polygonum punctatum fo. longicollum Fassett, Polygonum punctatum fo. stipitatum Fassett, Polygonum punctatum var. aquatile (Mart.) Fassett, Polygonum punctatum var. confertiflorum (Meisn.) Fassett, Polygonum punctatum var. eciliatum Small, Polygonum punctatum var. ellipticum Fassett, Polygonum punctatum var. littorale Fassett, Polygonum punctatum var. majus (Meisn.) Fassett, Polygonum punctatum var. mexicanum Fassett, Polygonum punctatum var. parviflorum Fassett, Polygonum punctatum var. parvum Vict. & Rouss., Polygonum punctatum var. riparium (Meisn.) Fassett, Polygonum punctatum var. robustior Small, Polygonum punctatum var. tacubayanum (Nieuwl.) Fassett, Polygonum punctatum var. typicum Fassett, Polygonum robustius (Small) Fernald, Polygonum hydropiper Michaux.

Nomes farmacêuticos

Folium Polygonum punctatum, Ramulus Polygonum punctatum.

Família

Polygonaceae.

Partes usadas

Partes aéreas.

Sabor

Amargo, picante e refrescante.

Composição química

Quercitina, persicarina, persicariol, compostos fenólicos, iso-hametina, luteolina, antocianinas, taninos, ácidos gálico, acético, butírico, malônico e poligônico, antraquinonas, saponinas, rutina, glicosídeo, cumarina e nitrato de potássio.

Propriedades medicinais gerais

Adstringente, antirreumático, anti-inflamatório, cicatrizante externo, diurético, estimulante, hemostático, sedativo, tônico, vasoconstritor, anti-helmíntico, vermicida, revulsivo, antidisentérico, antiblenorrágico, anti-hemorroidário, antitérmico, estimulante, antisséptico, colerético, homeotensor vascular, antiartrítico, antialérgico, emenagogo, depurativo, anti-gonorréico e resolutivo.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso interno

Sistema Gastrointestinal: hemorroidas, fístulas anais, úlceras, diarreia aguda com sangue, infecções intestinais, enterite e em indigestão.

Sistema Urinário e Genital: nas infecções urinárias com ardência a micção, vaginites causadas por trichomonas, amenorreia, fibromas uterinos, retenção urinária, estrangúria, sífilis, edemas e na menopausa.

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: para varizes, úlceras varicosas, favorece a coagulação do sangue, flebite e como estimulante da circulação.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para congestão cerebral e febres malignas e perniciosas, distúrbios de memória, dificuldade de raciocínio e para senilidade mental.

Sistema Renal: na litíase.

Outros distúrbios: para hemorragias internas, para amebíases, ascaridíases, giardíases e enterobíase.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso externo

Pele e unhas: nas erisipelas, pruridos, varizes, sarna e eczemas.

Cabeça e face: para fragilidade e crescimento capilar.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Para crianças

É desaconselhado o uso pediátrico.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

A Erva de Bicho esta entre as plantas medicinais desaconselhadas para o uso pediátrico, na gestação e na lactação. Pode ser emenagoga e abortiva e deve ser evitado o uso no período menstrual. Também deve ser evitado o uso externo em pruridos e eczemas.

Interações medicamentosas

Em associação com Gervão (Stachytarpheta cayennensis) é um dos melhores vermífugos naturais que existe.

Toxicidade

Considerada uma planta segura para o homem e para o gado.

Uso culinário e nutritivo

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Sistemas Florais

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Medicina Chinesa (MTC)

Tonifica o xue, elimina vermes, regula o Yang e o Yin do Rim, atua no Xue do Fígado e controla o Xue do Baço. Atua nos canais do fígado, bexiga, rins e baço/pâncreas.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 16 – Ervas corrigir deficiências • Categoria 17 – Ervas para contrair e obstruir movimentos.

Ayurveda

A Erva de Bicho é uma das plantas medicinais que reduz Vata e Pitta e equilibra Kapha. Sua rasa é amarga e picante, sua virya é fria e sua vipaka é picante.

Uso homeopático

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Pets e outros animais

Quando consumida pelo gado, confere sabor desagradável ao leite.

Informações em outros sistemas de saúde

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

O que diz a ciência

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Astrologia

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Habitat

A erva de bicho é uma das plantas medicinais que é originária da Ásia, mas está adaptada ao clima brasileiro há muito tempo. Encontrada em todos os estados.

Descrição da planta

Planta herbácea perene, de caule ascendente, ramificado, fistuloso, delgado (3 a 4 mm de espessura), radicante nos nós, de coloração verde-avermelhado e glabro. Cresce até 1m de altura. Possui ócreas de 12 a 16 mm de altura, cerdosas na parte superior e glabrescentes quando velhas.  Folhas alternas, com 8 a 12 cm de comprimento, subsésseis, estreito-lanceoladas, peninervadas, atenuadas nas duas extremidades, adpresso-pilósulas, inicialmente, e depois glabrescentes, com pecíolo invaginante, pecíolo com 3 a 5 mm.  A folha apresenta um forte sabor apimentado. Inflorescência terminal e axilar, tipo espigas gêmeas ou subracemosas, lineares ou subfiliformes, eretas, com flores pequenas (2 a 3 mm de comprimento), hermafroditas, com perigônio 5-partido formado por tépalas branco-esverdeadas.  O fruto é uma núcula triangular-globosa, apiculada, negra, brilhante, revestida pelo perigônio.

Vamos plantar?

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Artigos relacionados

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.br/ • Plantas Medicinais – Manipulação artesanal, uso e costume popular – Angelo L. Robertina – PDF • As plantas e os planetas – Ana Bandeira de Carvalho – Ed. Nova Era • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 • Enciclopedia de plantas medicinales – PDF • Apostila DEC – Plantas com ação cardiovascular-imunológico – Luciana Kist – Delta Educação • Apostila – A Acupuntura das Ervas Medicinais – Rodrigo Silveira – Ervanarium • Apostila – 40 Ervas Medicinais – Rodrigo Silveira – Ervanarium •
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email