Nome popular: Cactus

Outros nomes: flor da noite; flor do baile; flor-cheirosa; cactus-de-flor-grande; mandacaru; círio-do-méxico,; flor-de-seda; tocha-espinhosa; cacto-espinal, cardão, gigante e rainha-das-flores.

Nome científico: Cactus grandiflorus

Nomes botânicos: Cereus grandiflorus; Cactus grandefollium; Selenicereus grandiflorus (l.) Britton & rose.

Nome farmacêutico: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Partes usadas: flores frescas ou secas, caules jovens frescos, brotos e botões.

Sabor: doce, amargo e amornante.

Constituintes químicos: alcalóides (do tipo isquinolínicos); aminas: tiramina, cactina (hordenina), cacticina, narcisina e grandiflorina; flavonóides: rutina, kaempferitrina, hiperosídeo e -(galactosil)-rutinosídeo. βisorhamnerina-3- (galactosil)-rutinosídeo. 

Propriedades medicinais: diurético; remineralizante; cardiotônico; antiarrítmico; estimulante sexual; vasodilatador; estimulante; tônico; espinoestimulante; digitálico; emenagogo; nervino; antireumático; hidragogo; vermífugo; vesicante.

Indicações (uso interno): para angina do peito; perturbações cardíacas, circulatórias; reumatismo; congestões e irritações do coração; palpitações; sobrexcitação; miocardites; aortite; pericardite; hipertrofia; lesões valvulares; degeneração do músculo cardíaco; arritmia decorrente do abuso de álcool, café, tabaco, chá; congestão hepática; litíase biliar; afecções urinárias; cistites; paralisia da bexiga por fluxo de mucosidade espessa; afecções ginecológicas; metrorragia; dismenorréia; hemorragias; afecções pulmonares; pneumonia; asma por congestão; opressão crônica da respiração; tosse catarral com sibilos asmáticos; eleva pressão; estimulante dos mecanismos medulares; reduz colesterol, melhora a memória; alivia depressão; sedativo; neurastenia; cefaléia nervosa; histeria; febres catarrais; febre reumática; dores agudas nos olhos; alivia menstruações dolorosas; congestão cerebral; hepatite; dores de cabeça; inflamações; neuralgias; nefroses; neurose; nicotimismo; fungicida; câncer e bronquite crônica. Excelente nas perturbações cardíacas por abuso de café, fumo, chá e bebidas alcoólicas. Utilizado nas degenerescências do músculo cardíaco; valvulopatias (alteração das válvulas do coração) e nas palpitações nervosas, mesmo as causadas por cardites e inflamações agudas do coração. Alivia irritações cardíacas sem prejudicar o sistema nervoso. Tônico para fadiga sexual.

Indicações (uso externo): deve ser evitado, pois pode causar irritações em mucosas e pele.

Indicações pediátricas: fortificante cardíaco. Crianças devem tomar sob forma de homeopatia associado a crataegus oxycatha.

Utilizações na MTC: tonifica o qi e o yang do coração. Elimina umidade-fleuma do Jiao inferior.

Atuação nos canais: C, PC, B.

Elemento predominante na MTC: Terra e Madeira.

Classificação da erva na MTC: Categoria 4 – Ervas para reduzir sensação de frio no corpo • Categoria 16 – ervas para corrigir deficiências.

Ayurveda (ação nos doshas): equilibra Kapha, Vata e Pitta.

Rasa: doce e amargo

Virya: quente

Vipaka: amargo

Informações em outros sistemas de saúde: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Floral: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Homeopatia: indicado nas moléstias do coração, sensações de constrição, palpitações constantes. Dose: tintura-mãe, 1ª e 3ª – 20 gotas 2 a 3 vezes ao dia. Crianças com menos de 10 anos tomar a metade das doses. 10 gotas. ANGINA DO PEITO – durante os acessos alternar a administração de Aconitum de 1ª ou 3ª com Cactus 1ª se ocorrer dor constritiva por trás do esterno. INFARTO DO MIOCÁRDIO – adicionar em um copo d´água 15 gotas de Aconitum C5 e Cactus C5. Ministrar de 30 em 30 minutos uma colher de chá.

Contra-indicações: não há relatos nas doses recomendadas. Há relatos de que uso do suco da planta fresca pode causar urticária, dermatose, queimação na boca, enjôo, vômito e diarréia. Não deve ser usado por pacientes chagásicos. Superdosagem pode provocar efeitos colaterais graves como confusão mental, aflição gástrica e também alucinações.

Interações medicamentosas:

Doses: de 15 a 50 ml de tintura em cerca de 3 a 5 doses diárias em água; 2g de erva seca ou 4g de erva fresca em infusão até 5x ao dia sempre com intervalos menores que 12 horas entre as doses. Extrato fluido: 0,06-,6 ml.

Formulações: ver abaixo.

Formulações populares: Pressão baixa, Enfermidades Coronárias e Taquicardia Nervosa – utilizar 20g de flores de cactus e 30g de sanguinária em 01 litro de água em infusão. Beber 3 xícaras por dia.

Planeta regente: não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações energéticas ou mágicas: planta que protege a cãs e a família contra influências negativas, inimigos, infortúnios. Deve estar no jardim próximo a edificação.

Habitat: é encontrado em quase todos os países do mundo. Originária da América Central e Brasil.

Informações clínicas e/ou científicas:

Descrição botânica: possui flores bem grandes e coloridas de rósea, vermelha e em alguns casos, branca. Atinge grande porte nas plantas adultas quando pode crescer apoiada em algum objeto, suando suas raízes adventícias. É da família das cactáceas, vivendo bem em lugares com baixo índice pluviométrico. Produz poucos espinhos. Raramente tem espinhos, mas possuem pêlos nas aréolas. Suas flores são grandes, vistosas e coloridas e seus ramos são achatados e suculentos, mas também podem se apresentar triangulares. As flores depreendem um forte odor de baunilha. Em estado selvagem, na floresta, podem se desenvolver sobre árvores, mantendo as raízes no chão, quase como se fosse uma trepadeira. Retira a umidade do ar e do sereno. Quando cultivada necessita de pouca água e substrato bem arenoso para as raízes respirarem. Cultivadores realizaram hibridações com os gêneros heliocereus, selenicereus e nopalxochia, resultando na grande maioria das plantas hoje no mercado.

Toxicidade: planta atóxica que não se acumula no organismo.

Observações: utilizado como substituto da dedaleira (digitalis purpurea). Tem a vantagem de não se acumular no corpo. Tem ação incrementada com uso de avena sativa para o tratamento de impotência.

Fontes de pesquisa:

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.chapadadosguimaraes.com.br/cerrado.htm • http://www.curapelasplantas.com.br/especificaplanta.asp?Id=21 • http://www.deficiente-forum.com/terapias-caseiras-naturais-primeiros-socorros/cacto-grandifloro/ • http://www.oficinadeervas.com.br/artigo.php?Id_artigo=64&t=cactus-grandiflorus • http://www.ebah.com.br/catalogo-novo-farmacia-homeopatica-doc-doc-a66408.html • La vuelta a los vegetales – Carlos Hugo Burgstaller Chiriani – Ed. Hachette • ITF – Índice Terapêutico Fitoterápico – Ed. EPUB • The Yoga of Herbs – An Ayurvedic guide to herbal medicine – Dr. David Frawley and Dr. Vasant Lad – Lotus Press •

Perfeccionamiento de acupuntura, oligoelementos y fitoterapia – Yves Requena • Dukes Handbook of Medicinal Plants of Latin America – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz and Andra  R. Ottesen – CRC Press • Handbook of Medicinal Herbs – James A. Duke with Mary Jo Bogenschutz and Judy duCellier and Peggy Ann K. Duke – CRC Press • El Libro Verde – BOTÁNICA MÁGICA – Formulas y Secretos del

Maestro Sri Deva Fénix – Sri Deva Fénix • Herbs for the Heart –  C. J. Poutien – NTC Comtemporary • Enciclopédia de Medicina Natural – Marcílio Franco da Costa Pereira – Madras •