Arruda

Erva desaconselhada para uso interno. No século XVI, quando morriam em Londres 7.000 pessoas por semana com a peste, marcavam-se as casas atingidas pela doença com uma cruz vermelha. Certos ladrões, ignorando o aviso, entravam para roubar e não eram atingidos pela peste, protegidos por um vinagre misterioso, cujo principal elemento era a arruda. Segundo Paracelso, esta planta gosta de crescer perto de figueiras. Foi muito utilizada na antiguidade como anafrodisíaca. Pode-se confeccionar uma vassoura com os ramos e folhas para afastar os parasitas domésticos. A planta também afasta moscas e combate pulgões.

Nome científico

Ruta graveolens L.

Nome conhecido

Arruda-Doméstica, Arruda-dos-Jardins, Ruta-de-Cheiro-Forte, Arruda-Fedorenta, Arruda-Fêmea, Arruda-Macho, Ruda, Ruta-de-Cheiro-Forte (Português) Ruda, Aruta, Somalata, Sadab (outras línguas), Weinraute (Alemão) Rue, Common Rue, Garden Rue, German Rue, Countryman’s Treacle, Herbygrass, Herb-of-Grace e Fringed Rue (Inglês).

Nomes botânicos

Ruta hortensis Mill., Ruta angustifolia Lowe, Ruta bracteosa DC., Ruta chalepensis var. bracteosa (DC.) Boiss., Ruta chalepensis L.

Nomes farmacêuticos

Folium Rutae.

Família

Rutaceae.

Partes usadas

Folhas, galhos com folhas e flor.

Sabor

Picante, amarga e morna.

Composição química

Alcaloides, ácido salicílico livre, álcool metilnonílico e seus ésteres combinados aos ácidos acético e valeriânico, bergapteno, chalepeusina, cineol, cocusaginina, cumarinas, dulcite, esquiamianina, éter metílico do ácido metilantranílico, fenóis, flavonóides, furocumarina, graveliferona, hesperidina, heterosídeos antociânicos, hidrocarbonetos, hibalactona (na raiz), lactonas, limoneno (raízes, principalmente), matérias resinosas e pépticas, metilnonilcetona, metilnoilcarbinol, óleos voláteis, óleo essencial (0,07 a 0,09%), pineno, pipeno, psoraleno, quercitina, ribalinidina, rubalinidina, rutacridona, rutalidina, rutalinium, rutamarina, rutamina, rutaretina, rutina, salicilato de metila, xantotoxina.

Propriedades medicinais gerais

Abortivo, adstringente, analgésico, antiasmático, antiepiléptico, antiespasmódico, anti-helmíntico, anti-hemorrágico, anti-histérico, anti-inflamatório, antinevrálgico, antirreumático, antitetânico, aperitivo, aromático, calmante, carminativo, diaforético, emenagogo, estimulante, estupefaciente, febrífugo, fortificante (dos nervos), repelente, sudorífico, tônico (para circulação), tranquilizante, vermicida, sedativo, rubefasciente, sarnicida, parasiticida, antitetânica, antimicrobiano, anafrodisíaco, antiendotoxemico, antiexudativo, esterilizante, afrodisíaco, aracnofugo, bactericida, canditicida, cardiotônico, depressor do SNC, descongestionante, digestivo, embriotóxico, emético, fungicida, imunomodulador, insetífugo, moluscocida, inibidor de ON, fototóxico, espasmódico, estomáquico, vulnerário e aromático.

Propriedades medicinais de partes específicas da planta

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso interno

DESACONSELHADO O USO INTERNO. ÚNICA FORMA DE ADMINISTRAÇÃO INTERNA SEGURA, É SOB FORMA DE HOMEOPATIA

Sistema Gastrointestinal: para gases, dor intestinal, hemorroidas, prisão de ventre, vermes (oxiúros e ascárides), má digestão, enterite e na dor de estômago,

Sistema Urinário e Genital: nas alterações menstruais, inchaço nas pernas, incontinências de urina, normalização das funções do ciclo menstrual (menstruação escassa) e amenorreia.

Sistema Hepático: age no fígado.

Sistema Respiratório: na asma brônquica, pneumonia, bronquite, congestão e na tosse com expectoração.

Sistema Cardíaco, Sanguíneo e Circulatório: para flebite, para fragilidade dos capilares sanguíneos, gota, hipertensão, ativação da circulação, epistaxe e também em casos de palpitação.

Sistema Imunológico, Nervoso e Linfático: para ansiedade, para ciática, derrame cerebral, hipocondria, nevralgia, paralisia, neuralgia, afecções dos nervos, resfriados, epilepsia, nervosismo, neurose, derrame, isquemia, pânico, fadiga e irritabilidade.

Sistema Musculoesquelético e Conjuntivo: para reumatismo, artrose e mialgia.

Sistema Renal: para afecção dos rins.

Outros distúrbios: para cefaleia, enxaqueca, inflamações, insônia, endotoxemia, febres e náuseas.

Indicações para uso interno de partes específicas da planta

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Indicações para uso externo

Pele e unhas: em dermatite, limpeza de feridas, onicomicose, sarna, dermatose, micose, machucados, psoríase e vitiligo.

Cabeça e face: para calvície, conjuntivite, dores de ouvido (otite), inflamação nos olhos, combate parasitas (piolhos e lêndeas), olhos cansados, sinusite, oftalmia, pediculose, rinite e caspa.

Cavidade bucal: para gengivite.

Músculos, ossos e articulações: para reumatismo, distensões de tendões e músculos, inchaços, contusões e no bico de papagaio.

Outros distúrbios: atua como repelente de insetos (pulgas, percevejos, ratos), em varizes, dor ciática, repelente de ratos, em edemas, fungos, dores, picada de cobra e ainda em infecção por estafilococos.

Indicações para uso externo de partes específicas da planta

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Para crianças

Não é indicado o uso infantil.

Quando não devemos usar esta erva (contraindicações)

CUIDADO: ERVA TÓXICA. É venenosa e abortiva. Contraindicada para gestantes, lactantes, hemorragias, cólica menstrual e sensibilidade na pele. Doses elevadas do chá podem causar vertigens, tremores, gastrenterites, convulsões, hemorragia e aborto em mulheres grávidas, hiperemia dos órgãos respiratórios, vômitos, salivações, edema na língua, dores abdominais, náuseas e vômitos, secura na garganta, dores epigástricas, cólicas, arrefecimento da pele, depressão do pulso, contração da pupila e sonolência. Pode causar fito dermatites, através de um mecanismo fototóxico que torna a pele sensível à luz solar. Nas mulheres, pode levar a hemorragias graves do útero.

Interações medicamentosas

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Toxicidade

Planta tóxica. Desaconselhado uso interno. O uso externo deve ser feito com cuidado.

Uso culinário e nutritivo

Não há relatos nas fontes de pesquisa consultadas.

Aromaterapia

Seu óleo essencial deve ser evitado por seu grau elevado de toxicidade.

Sistemas Florais

Florais das Gerais: para fraqueza de vontade, não saber dizer não, necessidade de agradar e atender bem aos outros, submissão, falta franqueza, individualidade fraca, cansaço por servir. Florais de Minas: Ruta – para fraqueza de vontade, subserviência, falta de franqueza, cansaço por servir. Florais do Sistema Solar: P7 – MARTE e para o signo de Áries. Agir. Desejar. Lutar. Liderar. Afirmação e expressão dos desejos. Impulso para a ação, competição, liderança, força e coragem, autoafirmação e experiência sexual. Impaciência, violência, impulsividade, uso de ameaças e da força. Florais Filhas de Gaia: facilita o aflorar do Poder da Vontade, para construirmos uma vida harmoniosa, próspera e pacífica, exercendo a cada momento nosso livre arbítrio e mantendo protegidos nosso espaço físico, psíquico e espiritual. Delimita, equilibra e fortalece a Individualidade e o Poder da Vontade das forças solares da Alma, ao mesmo tempo em que ajuda nosso Ego a sintonizar-se e alinhar-se com estas forças positivas da Alma para fortalecer-se e desenvolver uma Individualidade forte e positiva. Este movimento facilita o alinhamento e a cura de nossas partes identificadas com sentimentos destrutivos, autodestrutivos e agressivos e os seus reflexos desempoderantes em nossos relacionamentos. Esta Essência Floral é de extrema valia para aqueles que, em seus relacionamentos, tendem a permitir que a vontade do outro domine sua mente, levando-o a atuar contra si mesmo, ou a permitir interferências destrutivas em sua vida, sejam estas provenientes do mundo espiritual, astral, psíquico ou de seus relacionamentos pessoais.

Medicina Chinesa (MTC)

Erva indicada para eliminar estagnação do sangue, frio no útero, estagnação do Qi do útero, do fígado, do rim, do estômago e do pulmão. Elimina mucosidade e umidade dos pulmões e baço e também elimina vento interno. Deve ser evitada em casos de síndrome de calor. Atua nos canais do Pulmão, Fígado e Intestino Delgado.

Relacionado com as seguintes categorias das ervas medicinais

Categoria 3 – Ervas para agir contra o reumatismo • Categoria 4 – Ervas para reduzir o frio de dentro do corpo • Categoria 5 – Ervas para reduzir umidade do corpo • Categoria 11 – Ervas que regulam o Qi • Categoria 12 – Ervas que regulam o sangue.

Ayurveda

A arruda reduz Kapha e Vata e agrava Pitta. Sua rasa é picante e amarga, sua virya é quente e sua vipaka é picante.

Uso homeopático

Utilizada para torções e enrijecimento dos tendões e machucados do periósteo. Também em pessoas que sentem dores nas juntas em dias frios e úmidos quando começam a se mover. Além de utilizada em tratamentos gerais de dores nos ossos nas doses de Ruta grav 6C a cada 3 ou 4 horas. Para torções ou luxações das juntas dos ligamentos ou ossos, utilizar tintura de arruda em 1:10, uso externo e Ruta grav. 6C a cada 3 ou 4 horas para uso interno. Também usada em lesões das juntas que pioram com o frio nas mesmas proporções. Em dores de cabeça por esforço ocular, utilizar Ruta grav. 6C a cada 3 ou 4 horas. Também deve ser usada quando os olhos estiverem cansados ou lacrimejantes ou ainda, quando houver vermelhidão na testa, espinhas nos lábios, bocejos frequentes, perda de apetite e fraqueza geral.

Pets e outros animais

Planta tóxica para animais. Porém, a infusão da erva pode ser usada com cuidado para lavagem externa do pelo de cães para aliviar sarna. Nesse caso, melhor passar um pano molhado nas áreas atingidas, para evitar que o animal ingira a infusão.

Informações em outros sistemas de saúde

Dominicanos utilizam o suco misturada ao óleo de castor, para tratamento de bronquite.

O que diz a ciência

Existem evidências de que seu uso reduz a produção de óxido nitroso no organismo.

Astrologia

Seu regente é Saturno. Plantas regidas pelo planeta Saturno tendem a ser venenosas e de sabor e odor desagradável. Planta associada ao signo de Capricórnio. Outra fonte (Ervas do Sítio) relaciona a erva com o planeta Marte e Urano e aos signos de Aquário, Áries e Escorpião.

Indicações energéticas ou mágicas

Desde a antiguidade tem fama de proteger as pessoas contra o mau-olhado. Costuma-se utilizar um ramo de arruda atrás da orelha para afastar o mau-olhado. É utilizada, segundo o folclore afro-brasileiro, como abascanto. Tem aura na cor vermelha e é empregada para liberar energias densas do corpo astral. Também é empregada para limpeza energética de ambientes e em banhos para tirar mau-olhado. Indicada para pessoas que se sentem derrotadas física e mentalmente. Planta aromática utilizada nos rituais por indicação do Exú (religiões afro-brasileiras) contra maus fluidos e olho-grande. Suas folhas são usadas nos Ebori (banhos de purificação ou descarrego). Costuma-se dizer que a arruda morre em ambientes de energia densa.

Habitat

Espécie autóctone, nativa da Europa e norte da África.  Está amplamente adaptada no Brasil, cultivada em jardins e hortas.

Descrição da planta

Planta subarbustiva poli anual, alóctone, mediterrânica. Está perfeitamente aclimatada no Brasil. Forma touceiras de até 1,0 metro de altura, de caule ramificado desde a base e lenhoso.  As folhas são alternas, triangulares, compostas, carnosas, pecioladas, 3-pinatipartidas, decompostas em 9 a 11 lobos oblongos ou obovados, estreitos, sésseis, pequenos, glabros e de coloração acinzentada-azulada durante o estágio vegetativo, e verde-oliva durante o reprodutivo. Possui cálice com 4 a 5 sépalas lanceoladas, agudas e corola de 4 a 5 lobos salientes e rugosos, abrindo-se superior e inferiormente em 4 valvas. As flores são miúdas e de cor amarelo-esverdeadas, dispostas em corimbos. O fruto pentalocular produz uma semente reniformes, pardas e rugosas por lóculo. O sabor das folhas é ligeiramente picante, porém é mascarado pelo forte aroma.

Vamos plantar?

Seu cultivo é incompatível com a companhia da sálvia, do manjericão e do repolho. Os melhores resultados em relação ao clima, são obtidos em temperaturas amenas, crescendo bem em temperaturas entre 4° C e 30°C. No entanto, a arruda pode crescer em muitos tipos de clima. Em relação a luminosidade, ela se desenvolve melhor com luz solar direta, mas tolera sem problema sombra parcial. O solo adequado para o plantio da arruda é o calcário, bem drenado, com pH entre 7 e 7,5. Porém, a planta pode ser cultivada em diversos tipos de solo, como pedregosos, pouco férteis e levemente ácidos. Não há uma regra. Plantas bem desenvolvidas toleram curtos períodos de seca, sendo assim, as regas podem ser espaçadas, de forma que o solo seque superficialmente entre uma rega e outra. O excesso de água pode prejudicar a planta, mas, inicialmente, as plantas devem ser bem irrigadas. Há várias formas de propagar a arruda: através de sementes; por divisão de plantas desenvolvidas ou por estaquia. As sementes podem ser semeadas no local definitivo ou em sementeiras a uma profundidade de 0,5 cm no solo. A germinação leva de 1 a 3 semanas. Caso prefira semeá-la em sementeiras, transplante as mudas quando estiverem com cerca de 10 cm de altura. Ramos saudáveis podem ser cortados e parcialmente enterrados para enraizarem, formando novas plantas. Alguns ramos de plantas bem desenvolvidas podem enraizar naturalmente em contato com o solo. A arruda também pode ser cultivada em vasos. Neste caso, recomendamos o vaso auto irrigável, que além de proteger sua casa contra o mosquito da dengue, umidifica a planta ne medida exata.

Fontes de pesquisas utilizadas

http://www.plantamed.com.br/ • http://www.essenciasflorais.com.br/floral/arruda/ • http://www.floraisdeaiuruoca.com.br/florais_do_sistema_solar.htm • https://blog.plantei.com.br/como-plantar-arruda/ • A astrologia da Mãe-Terra – Márcia Starck – Pensamento • Anastásia Benvinda – plantas populares – Biblioteca Virtual • Plantas Medicinais – Manipulação artesanal, uso e costume popular – Angelo L. Robertina – PDF • Botânica Oculta – Paracelso • CD Rom – Ervas Medicinais – Volume 1 – Anônimo • Classical Homepathy – Medical guide to complemetary and alternative medicine – Michael Carlston – Churchill Livingstone • Coleção de plantas medicinais aromáticas e condimentares – Mery Elizabeth Oliveira Couto – Embrapa • Dukes Handbook of Medicinal Plants of the Bible – James A. Duke with Peggy-Ann K. Duke and Judith L. duCellier – CRC Press • Enciclopedia de plantas medicinales – Anônimo – PDF • Encyclopedia of Homeopathy – the definitive home guide to homeopathic remedies and treatments  for commons ailments – Dr. Andrew Lockie, MRCGP, FFHom – DK Delhi • Ervas do Sítio – Rosy L. Bornhausen – Bel Comunicação • A cura pelos remédios caseiros – Guia de ervas e medicina natural – Raunei Iamoni – Ediouro • Ervas Sagradas dos Orixás – Alex de Oxóssi – PDF • Family Homeopathy – a practical guide for home treatment – Paul Calinnan – NTC Contemporary • Florais das Gerais – Catálogo • Florais de Minas – Catálogo • The Yoga of Herbs – Dr. David Frawley and Dr. Vasant Lad – Lótus Press •